Distribuição diamétrica de espécies da Floresta Ombrófila Densa no Sul do Estado do Rio de Janeiro

Vinicius Costa Cysneiros, Thiago de Azevedo Amorim, Joaquim de Oliveira Mendonça Júnior, Tatiana Dias Gaui, Juan Carlos Resende de Moraes, Denise Monte Braz, Sebastião do Amaral Machado

Resumo


O objetivo do presente estudo foi avaliar o desempenho e selecionar funções densidade de probabilidade que descrevam a distribuição diamétrica da comunidade florestal e das três principais espécies da Floresta Ombrófila Densa no sul do estado do Rio de Janeiro. Foram testadas as funções Normal, Log Normal, Beta, Gama, Sb de Johnson e Weibull. Os ajustes foram realizados com auxílio da ferramenta Solver (MSExcel®), que utiliza o algoritmo linear de gradiente reduzido para otimização dos parâmetros das funções. Para a seleção do melhor modelo foram avaliados o valor D de Kolmogorov – Smirnov e o erro padrão da estimativa (Syx %). De maneira geral, as funções Sb de Johnson e Weibull apresentaram as melhores estatísticas de ajuste e maior precisão nas estimativas. Mesmo representando melhor a realidade da distribuição, os menores intervalos de classe não forneceram os melhores ajustes, sendo as estimativas mais precisas propiciadas pelos maiores intervalos e menores números de classes.

Palavras-chave


Floresta Atlântica; Funções densidade de probabilidade; Modelagem

Texto completo:

PDF

Referências


Assmann, E. The principles of forest yield study. Oxford: Pergamon Press, 1970. 506 p.

Barros, P. L. C. et al. Comparação de modelos descritivos da distribuição diamétrica em uma Floresta Tropical. Floresta, v. 10, n. 2, p. 19-32, 1979.

Batista, J. L. F. A função Weibull como modelo para a distribuição de diâmetros de espécies arbóreas tropicais. 1989. 116 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

Campos, J. C. C. & Leite, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 3. ed. Viçosa, MG, Ed. da UFV, 2013. 470 p.

Canalez, G. G. et al. Dinâmica da estrutura da comunidade de Lauráceas no período 1995-2004 em uma floresta de araucária no sul do estado do Paraná, Brasil. Ciência Florestal, v. 16, n. 4, p. 357-367, 2006.

Carvalho, F. A. & Nascimento, M. T. Estrutura diamétrica da comunidade e das principais populações arbóreas de um remanescente de Floresta Atlântica Submontana (Silva Jardim-RJ, Brasil). Revista Árvore, v. 33, n. 2, p. 327-337, 2009. DOI: 10.1590/S0100-67622009000200014.

Carvalho, J. O. P. Distribuição diamétrica de espécies comerciais e potenciais em floresta tropical úmida natural na Amazônia. Belém, PA: EMBRAPA-CPATU, 1981. 34 p.

Cysneiros, V. C. et al. Diversity, community structure and conservation status of an Atlantic Forest fragment in Rio de Janeiro State, Brazil. Biota Neotrópica, v. 15, n. 2, p. 1– 15, 2015. DOI: 10.1590/1676-060320150132.

Dalla Lana, M. et al. Distribuição diamétrica de Escheweilera ovata em um fragmento de Floresta Ombrófila Densa - Igarassu, PE. Floresta, v. 43, n. 1, p. 59-68, 2013. DOI: 10.5380/rf.v43i1.25252.

Dantas, M. E. Estudo geoambiental do Estado do Rio de Janeiro. Brasília, DF: CPRM, 2001. 63 p.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro, 2012. 271 p.

Harper, J. L. Population biology plants. London: Academic, 1990. 892 p.

Lamprecht, H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas: possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Eschborn: GTZ, 1990. 343 p.

Machado, S. A. et al. Dinâmica da distribuição diamétrica de bracatingais na região metropolitana de Curitiba. Revista Árvore, v. 30, n. 5, p. 759-768, 2006. DOI: 10.1590/S0100-67622006000500009.

Machado, S. A. et al. Distribuição diamétrica de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista. Scientia Agraria, v. 10, n. 2, p. 103-110, 2009. DOI: 10.5380/rsa.v10i2.13575.

Machado, S. A. et al. Estudo da estrutura diamétrica para Araucaria angustifolia em florestas naturais nos estados da região sul do Brasil. Floresta, v. 26, n. 1, p. 59-70, 1997.

Machado, S. A. et al. Modelagem da distribuição diamétrica de quatro espécies de Lauraceae em um fragmento de floresta ombrófila mista. Ciências Exatas e Naturais, v. 12, n. 1, 2010.

Meyer, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, n. 52, v. 2, p. 85-92, 1952.

Meyer, W. H. Approach of abnormally stocked forest stands of Douglas fir to normal condition. Journal of Forestry, v. 31, p. 400–406, 1933.

Nascimento, R. G. et al. Modelo de projeção por classe diamétrica para florestas nativas: enfoque na função probabilística de Weibull. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 32, n. 70, p. 209-219, 2012. DOI: 10.4336/2012.pfb.32.70.93.

Orellana, E. et al. Modelagem da distribuição diamétrica de espécies florestais em um fragmento de floresta ombrófila mista. Revista Árvore, v. 38, n. 2, p. 297–308, 2014. DOI: 10.1590/S0100-67622014000200010.

Peel, M. C. et al. Updated world map of the Köppen- Geiger climate classification. Hydrology Earth System Sciences, v. 11, p. 1633–1644, 2007. DOI: 10.5194/hess-11-1633-2007.

Puig, H. Floresta tropical úmida. São Paulo: Ed. da UNESP, 2008. 496 p.

Rangel, M. S. et al. Melhoria na prescrição do manejo para floresta natural. Cerne, v. 12, n. 2, p. 145–156, 2006.

Rollet, B. Arquitetura e crescimento das florestas tropicais. Belém, PA: SUDAM, 1978. 22 p.

Santos, E. S. et al. Distribuição diamétrica para Virola surinamensis (Rol.) na Floresta Estadual do Amapá – FLOTA/AP. Biologia e Ciências da Terra, v. 13, n. 1, p. 34–47, 2013.

Scolforo, J. R. S. Biometria florestal: modelos de crescimento e produção florestal. Lavras: UFLA/FAEPE, 2006. 393 p.

Soares, C. P. B. et al. Dendrometria e inventário florestal. Viçosa, MG: Ed. da UFV, 2007. 276 p.

Téo, S. J. et al. Modelagem da distribuição diamétrica de um fragmento de floresta ombrófila mista em Leblon Régis, SC. Floresta, v. 45, n. 2, p. 337–348, 2015. DOI: 10.5380/rf.v45i2.34733.

Wendling, W. T. et al. Ajuste da função de distribuição diamétrica Weibull por planilha eletrônica. Floresta, v. 41, n. 2, p. 205-220, 2011. DOI: 10.5380/rf.v41i2.21869.

Whitmore, T. C. Tropical Rain Forest dynamics and its implications for management. In: Gomes-Pompa, A. et al. Rain forest regeneration and management. Paris: UNESCO & The Part Eenon Publishing Group, 1990. p. 67-89.




DOI: http://dx.doi.org/10.4336/2017.pfb.37.89.1070

Direitos autorais 2017 Pesquisa Florestal Brasileira=Brazilian Journal of Forestry Research

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional