Adaptação do teste de condutividade elétrica para sementes de Moringa oleifera

Maria Luiza de Souza Medeiros, Guilherme Vinícius Gonçalves de Pádua, Márcio Dias Pereira

Resumo


O objetivo desse trabalho foi adaptar e testar a eficiência da metodologia para teste de condutividade elétrica na avaliação da qualidade de sementes de Moringa oleifera Lam. Para a caracterização fisiológica das sementes, quatro lotes de sementes foram avaliados pelos testes de germinação, emergência de plântula, índice de velocidade de emergência, primeira contagem de emergência, comprimento e massa seca de plântulas e teste de frio. O teste de condutividade elétrica foi avaliado a 25 °C, em 4, 8, 12, 16 e 24 h de imersão em 75 mL e 125 mL de água destilada, utilizando-se 25 e 50 sementes. Empregou-se o delineamento inteiramente casualizado. Os melhores resultados foram obtidos quando utilizou-se 50 sementes imersas em 75 mL ou 125 mL de água destilada por 4 h. O teste de condutividade elétrica adaptado para moringa mostrou-se eficiente em ranquear os lotes de sementes em diferentes níveis de vigor, podendo ser usado com eficiência na avaliação da sua qualidade fisiológica.

Palavras-chave


Moringaceae; Potencial fisiológico; Vigor

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, C. Z. & Sá, M. E. Teste de condutividade elétrica na avaliação do vigor de sementes de rúcula. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 203-215, 2009. DOI: 10.1590/S0101-31222009000100023.

Araújo, R. F. et al. Teste de condutividade elétrica para sementes de feijão-mungo-verde. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 1, p. 123-130, 2011. DOI: 10.1590/S0101-31222011000100014.

Ataide G. M. F. et al. Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de Pterogyne nitens Tull. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 7, n. 4, p. 635-640, 2012. DOI: 10.5039/agraria.v7i4a1688.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, DF, 2009. 395 p.

Cícero, S. M. & Vieira, R. D. Teste de frio. In: Vieira, R. D. & Carvalho, N. M. (Ed.). Testes de vigor em sementes. Jaboticabal: FUNEP, 1994. p. 151-164.

Dutra, A. S. & Vieira, R. D. Teste de condutividade elétrica para a avaliação do vigor de sementes de abobrinha. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 2, p. 117-122, 2006. DOI: 10.1590/S0101-31222006000200015.

Ferreira, P. M. P. et al. Moringa oleifera: bioactive compounds and nutritional potential. Revista de Nutrição, v. 21, n. 4, p. 431-437, 2008. DOI: 10.1590/S1415-52732008000400007.

Karadi, R. V. et al. Effect of Moringa oleifera Lam. rootwood on ethylene glycol induced urolithiasis in rats. Journal of Ethnopharmacology, v. 105, n. 1. p. 306-311, 2006. DOI: 10.1016/j.jep.2005.11.004.

Krzyzanowski, F. C. et al. Relato dos testes de vigor disponíveis para as grandes culturas. Informativo Abrates, v. 1, n. 2, p. 15-50, 1991.

Krzyzanowski, F. C. et al. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: Abrates, 1999. 218 p.

Maguire, J. D. Speed of germination-aid in evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

Malone, P. F. V. A. et al. Potencial fisiológico de sementes de mogango e desempenho das plantas no campo. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 2, p. 123-120, 2008. DOI: 10.1590/S0101-31222008000200015.

Marcos Filho, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq, 2005. 496 p.

Marcos Filho, J. & Novembre, A. D. L. C. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de hortaliças. In: Nascimento, W. M. (Ed). Tecnologia de sementes de hortaliças. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, 2009. p. 185-243

Marques, M. A. et al. Adequação do teste de condutividade elétrica para determinar a qualidade fisiológica de sementes de jacarandá-da-bahia (Dalbergia nigra Vell.) Fr. All. ex. Benth). Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 1, p. 271-278, 2002. DOI: 10.1590/S0101-31222002000100038.

Matthews, S. Controlled deterioration: a new vigour test for crop seeds. In: Habblethwait, P. D. Seed production. London: Butterworths, 1980. p. 647-660.

Menezes, N. L. et al. Teste de condutividade elétrica em sementes de aveia preta. Revista Brasileira de Sementes, v. 29, n. 2, p. 138-142, 2007. DOI: 10.1590/S0101-31222007000200019.

Nakagawa, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: Krzyzanoski, F. C. et al. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: Abrates, 1999. p. 1-24.

Oliveira, F. N. et al. Qualidade fisiológica de sementes de girassol avaliadas por condutividade elétrica. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 42, n. 3, p. 279-287, 2012.

Pereira, M. D. & Martins Filho, S. Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de cubiu (Solanum sessiflorum DUNAL). Revista Agrarian, v. 5, n. 16, p. 93-98, 2012.

Ribeiro, D. M. et al. Teste de condutividade elétrica para avaliar o vigor de sementes em milho-pipoca (Zea mays L.). Revista Ceres, v. 56, n. 6, p. 772-776, 2009.

Rodrigues, M. B. C. et al. Pré-hidratação em sementes de soja e eficiência do teste de condutividade elétrica. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 2, p. 168-181, 2006.

Silva, J. B. & Vieira, R. D. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de beterraba. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 3, p. 128-134, 2006.

Silva, J. E. N. et al. Teste de condutividade elétrica para sementes de feijão manteiguinha. Ensaios e Ciências: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 17, n. 6, p. 37-46, 2014.

Sponchiado, J. C. Teste de condutividade elétrica para determinação do potencial fisiológico de sementes de aveia branca. Ciências Agrárias, v. 35, n. 4, p. 2405-2414, 2014. DOI: 10.5433/1679-0359.2014v35n4Supl1p240.

Tokuhisa, D. et al. Teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de mamão (Carica papaya L.). Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 2, p. 137-145, 2009. DOI: 10.1590/S0101-31222009000200016.

Torres, S. B. & Pereira, R. A. Condutividade elétrica em sementes de rúcula. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 4, p. 58-70, 2010. DOI: 10.1590/S0101-31222010000400007.

Valadares, J. & Paula, R. C. Temperaturas para germinação de sementes de Poecilanthe parviflora Benthan (Fabaceae – Faboideae). Revista Brasileira Sementes, v. 30 n. 2, p. 164-170, 2008. DOI: 10.1590/S0101-31222008000200020.

Vidigal, D. S. et al. Teste de condutividade elétrica para semente de pimenta. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 1, p. 168-174. 2008. DOI: 10.1590/S0101-31222008000100021.

Vieira, R. D. & Dutra, A. D. Condutividade elétrica em sementes de abóbora, híbrido Bárbara. Horticultura Brasileira, v. 24, n. 3, p. 305-308, 2006. DOI: 10.1590/S0102-05362006000300007.

Vieira, R. D. et al. Condutividade elétrica e teor de água inicial das sementes de soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 37, n. 9, p. 1333-1338, 2002. DOI: 10.1590/S0100-204X2002000900018.




DOI: http://dx.doi.org/10.4336/2017.pfb.37.91.1384

Direitos autorais 2017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional