Efeito da salinidade na germinação e crescimento inicial de plântulas de três espécies arbóreas florestais

Tiago Reis Dutra, Marília Dutra Massad, Priscila Ribeiro Moreira, Érika Susan Matos Ribeiro

Resumo


O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito do estresse salino na germinação e crescimento inicial de canafístula (Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert), tamboril (Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong.) e pau-formiga (Triplaris americana L.), além de determinar a máxima tolerância das três espécies arbóreas florestais à presença de NaCl na solução de embebição. Foi adotado delineamento experimental inteiramente casualizado, com quatro repetições de 50 sementes, no esquema fatorial 3 x 5, sendo estudada a resposta das três espécies a cinco níveis de potencial osmótico (0; -0,3; -0,6; -1,2 e -1,8 MPa), por simulação de estresse salino com NaCl. Aos 28 dias após semeadura foram avaliados: percentagem de germinação; índice de velocidade de germinação (IVG); tempo médio de germinação; comprimento da maior raiz; massa seca da parte aérea, raízes e total. A germinação e o crescimento inicial de plântulas de tamboril e canafístula foram afetados negativamente pelo aumento da concentração salina do meio. Pau-formiga mostrou-se mais tolerante ao estresse salino, apresentando elevação dos valores médios de percentagem de germinação, IVG, comprimento da maior raiz e produção de massa seca total em potenciais osmóticos variando de -0,81 a -1,15 Mpa. Os maiores valores médios de produção de massa seca da parte aérea, raízes e total foram observados em plântulas de tamboril.

Palavras-chave


Velocidade de germinação; Massa seca total; Estresse

Texto completo:

PDF

Referências


Braga, L. F. et al. Germinação de sementes de Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. submetidas a estresse salino e aplicação de poliamina. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 11, n. 1, p. 63-70, 2009. DOI: 10.1590/S1516-05722009000100011.

Brasil. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretária de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, DF, 2009. 399 p.

Brilhante, J. C. A. et al. Influência do tempo de aclimatação na resposta do cajueiro à salinidade. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 11, n. 2, p. 173-179, 2007. DOI: 10.1590/S1415-43662007000200007.

Cruz, F. R. S. et al. Estresse salino na qualidade fisiológica de sementes de Cryptostegia madagascariensis Bojer ex Decne. Ciência Florestal, v. 26, n. 4, p. 1189-1199, 2016. DOI: 10.5902/1980509825110.

Dutra, T. R. et al. Germinação e crescimento inicial de plântulas de carobinha-do-campo submetido ao estresse hídrico e salino. Agropecuária Científica no Semiárido, v. 10, n. 4, p. 39-45, 2014.

Dutra, T. R. et al. Substratos alternativos e métodos de quebra de dormência para produção de mudas de canafístula. Revista Ceres, v. 60, n. 1, p. 72-78, 2013. DOI: 10.1590/S0034-737X2013000100011.

Farias, S. G. G. et al. Efeitos dos estresses hídrico e salino na germinação de sementes de gliricídia [Gliricidia sepium (Jacq.) Steud.]. Revista Caatinga, v. 22, n. 4, p. 152-157, 2009.

Ferreira, A. G. & Borguetti, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. 324 p.

Ferreira, E. B. et al. ExpDes.pt: experimental designs package. R package version (1.1.2). 2013. Disponível em: . Acesso: 26 nov. 2013.

Ferreira, L. G. & Rebouças, M. A. A. Influência da hidratação e desidratação de sementes de algodão na superação dos efeitos da salinidade na germinação. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 27, p. 609-615, 1992.

Fougère, F. et al. Effects of salt stress on amino acids, organic acids and carbohydrate composition of roots, bacteroids and cytosol of alfalfa (Medicago sativa L.). Plant Physiology, v. 96, p. 1228-36, 1991.

Freitas, A. R. et al. Superação da dormência de sementes de jatobá. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 33, n. 73, p. 01-05, 2013. DOI: 10.4336/2013.pfb.33.73.350.

Góis, V. A. et al. Germinação de sementes de maxixe submetidas a estresse salino. Revista Caatinga, v. 21, n. 4, p. 64-67, 2008.

Guedes, R. S. et al. Estresse salino e temperaturas na germinação e vigor de sementes de Chorisia glaziovii O. Kuntze. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 2, p. 279-288, 2011. DOI: 10.1590/S0101-31222011000200010.

Gupta, B. & Huang, B. Mechanism of salinity tolerance in plants: physiological, biochemical, and molecular characterization. International Journal of Genomics, v. 2014, Article ID 701596, 18 p. 2014. DOI: 10.1155/2014/701596.

Laboriau, L. G. A germinação das sementes. Washington: Organização dos Estados Americanos, 1983. 171 p.

Larcher, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima, 2000. 531 p.

Lavezo, A. et al. Estresse osmótico na germinação de sementes de Petiveria alliacea L. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 17, n. 4, p. 622-630, 2015. DOI: 10.1590/1983-084X/14_026.

Lima, B. G. & Torres, S. B. Estresse hídrico e salino na germinação de sementes de Zizphus joazeiro Mart (Rhammaceae). Revista Caatinga, v. 22, n. 4, p. 93-99, 2009.

Lopes, J. C. et al. Germinação e vigor de sementes de pau d’alho sob estresse salino. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 35, n. 82, p. 169-177, 2015. DOI: 10.4336/2015.pfb.35.82.631.

Maguire, J. D. Speed of germination and in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, p. 176-177, 1962.

Marques, E. C. et al. Efeitos do estresse salino na germinação, emergência e estabelecimento da plântula de cajueiro anão precoce. Revista Ciência Agronômica, v. 42, n. 4, p. 993-999, 2011. DOI: 10.1590/S1806-66902011000400023.

Melloni, M. L. G. et al. Espermidina exógena atenua os efeitos do NaCl na germinação e crescimento inicial de leguminosas forrageiras. Revista Brasileira de Sementes, v. 34, n. 3, p. 495-503, 2012. DOI: 10.1590/S0101-31222012000300018.

Nunes, D. P. et al. Germinação de sementes de marmelo: temperatura, luz e salinidade. Bioscience Journal, v. 30, n. 6, p. 1737-1745, 2014.

Pereira, F. E. C. B. et al. Saline stress and temperatures on germination and vigor of Piptadenia moniliformis Benth. seeds. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 20, n. 7, p. 649-653, 2016. DOI: 10.1590/1807-1929/agriambi.v20n7p649-653.

R Core Team. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2015. Disponível em:< http://www.R-project.org/.>. Acesso em: 15 abr. 2016.

Sakamoto, A. & Murata, N. The role of glycine betaine in the protection of plants from stress: clues from transgenic plants. Plant, Cell and Environment, v. 25, p. 163-171, 2002.

Santos, C. A. et al. Germinação de sementes de duas espécies da caatinga sob déficit hídrico e salinidade. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 36, n. 87, p. 219-224, 2016. DOI: 10.4336/2016.pfb.36.87.1017.

Silva, R. N. et al. Physiological quality of barley seeds submitted to saline stress. Revista Brasileira de Sementes, v. 29, n. 1, p. 40-44, 2007. DOI: 10.1590/S0101-31222007000100006.

Souza, Y. A. et al. Efeito da salinidade na germinação de sementes e no crescimento inicial de mudas de pinhão-manso. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 2, p. 83-92, 2010. DOI: 10.1590/S0101-31222010000200010.

Taiz, L. & Zeiger, E. Fisiologia vegetal. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 719 p.

Voigt, E. L. et al. Source-sink regulation of cotyledonary reserve mobilization during cashew (Anacardium occidentale) seedling establishment under NaCl salinity. Journal of Plant Physiology, v. 166, p. 80-89, 2009. DOI: 10.1016/j.jplph.2008.02.008.




DOI: http://dx.doi.org/10.4336/2017.pfb.37.91.1447

Direitos autorais 2017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional