Fauna edáfica em plantio inicial de Eucalyptus sob diferentes alternativas de controle de plantas daninhas

Juliana Garlet, Ervandil Corrêa Costa, Jardel Boscardin, Dayanna Nascimento Machado, Leandra Pedron, Leonardo Mortari Machado

Resumo


O objetivo deste estudo foi averiguar o efeito de diferentes alternativas de  controle químico de plantas daninhas na fauna de solo, em plantio de Eucalyptus grandis. Os tratamentos avaliados consistiram de controles parciais e total da vegetação infestante, e as coletas foram realizadas por meio  de armadilha de solo (pitfall). Foram coletados 26.136 espécimes, distribuídos em 13 grupos taxonômicos (Araneae, Blattodea, Chilopoda, Collembola, Coleoptera, Diplopoda, Diptera, Hemiptera, Hymenoptera, Termitoidea, Orthoptera, Opilione e formas jovens). Os tratamentos onde houve permanência de vegetação infestante apresentaram valores mais elevados com relação aos índices avaliados.

Palavras-chave


Controle químico; Plantação florestal; Artrópodos edáficos

Texto completo:

pdf

Referências


Albuquerque, M. P. et al. Fauna edáfica em sistema de plantio homogêneo, sistema agroflorestal e em mata nativa em dois municípios do Rio Grande do Sul, Brasil. Biociências, v. 17, p. 59-66, 2009.

Altieri, M. A. & Letourneau, D. L. Vegetation management and biological control in agroecosystems. Crop Protection, n. 1, p. 405-430, 1982. DOI: 10.1016/0261-2194(82)90023-0.

Bird, S. B. et al. Impacts of silvicultural practices on soil and litter arthropod diversity in an east Texas pine plantation. Forest Ecology

and Management, n. 131, n. 1/3, p. 65–80, 2000. DOI: 10.1016/S0378-1127(99)00201-7.

Brito, M. F. et al. Diversidade da fauna edáfica e epigeica de invertebrados em consórcio de mandioca com adubos verdes. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 51, n. 3, p. 253-260, 2016. DOI: 10.1590/S0100-204X2016000300007.

Correia, M. E. F. & Oliveira, L. C. M. de. Fauna de solo: aspectos gerais e metodológicos. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2000. (Embrapa Agrobiologia. Documentos, 112).

Dalla Corte, A. C. et al. Avaliação da fauna edáfica associada à serapilheira em três formações florestais, no município de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Ambiência, v. 10, n. 1, p. 159-170, 2014. DOI:10.5935/ambiencia.2014.01.13nt.

Fernandes, M. M. et al. Fauna edáfica de área degradada revegetada com pinhão manso em monocultivo e consórcio com Andropogon gayanos L. Revista Energia na Agricultura, v. 30, n. 1, p. 47-52, 2015. DOI: 10.17224/EnergAgric.2015v30n1p47-52.

Fernandes, M. M. et al. Influência de diferentes coberturas florestais na fauna do solo na Flona Mário Xavier, no Município de Seropédica, RJ. Floresta, v. 41, n. 3, p. 533-540, 2011. DOI: 10.5380/rf.v41i3.24045.

Freitas, F. A. et al. Similaridade e abundância de Hymenoptera inimigos naturais em plantio de eucalipto e em área de vegetação

nativa. Floram, v. 9, n. 1, p. 145-152, 2002.

Gallo, D. et al. Entomologia agrícola. Piracicaba, FEALQ, 2002.

Garlet J. & Costa, E. C. Plantas daninhas e seus efeitos no ataque de pragas e no crescimento de plantas de eucalipto. Revista de Ciências Agrárias, v. 57, n. 3, p. 280-286, 2014. DOI: 10.4322/rca.ao1521.

Garlet, J. et al. Fauna de Coleoptera Edáfica em eucalipto sob diferentes sistemas de controle químico da Matocompetição. Floresta

e Ambiente, v. 22, n. 2, p. 239-248, 2015. DOI: 10.1590/2179-8087.078214.

Garlipp, R. & Foelkel, C. O papel das florestas plantadas para atendimento das demandas futuras da sociedade. 2009. Disponível

em: < http://www.sbs.org.br/destaques_POSITIONPAPER.pdf>. Acesso em: 04 set. 2017.

Hammer, O. et al. PAST: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Paleontology Electronic, v. 4, n. 1, p. 1-9, 2001.

Ludwig, R. L. et al. Efeito de diferentes sistemas de uso do solo na diversidade da fauna edáfica na região central do Rio Grande do Sul. Enciclopédia Biosfera, v. 8, n. 14, p. 485-495, 2012.

Moreno, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961.

Odum, E. P. Ecologia. São Paulo: Interamericana, 1985.

Pasqualin, L. A. et al. Macrofauna edáfica em lavouras de cana-de-açúcar e mata no noroeste do Paraná - Brasil. Semina: Ciências Agrárias, v. 33, n. 1, p. 7-18, 2012. DOI: 10.5433/1679-0359.2012v33n1p7.

Ribas, C. R. et al. Tree heterogeneity, resource availability, and larger scale processes regulating arboreal ant species richness. Australian Ecology, v. 28, p. 305-314, 2003. DOI: 10.1046/j.1442- 9993.2003.01290.x.

Santos, H. G. dos et al. Sistema brasileiro de classificação de solo. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006. 306 p.

Silva, C. F. et al. Fauna edáfica em áreas de agricultura tradicional no entorno do Parque Estadual da Serra do Mar em Ubatuba (SP). Revista de Ciências Agrárias, n. 52, p. 107-115, 2009.

Streck, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: Emater/RS, 2008.

Vasconcelos, H. L. Respostas das formigas a fragmentação florestal. Piracicaba, IPEF, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.4336/2017.pfb.37.91.970

Direitos autorais 2017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional