Exposição de trabalhadores a ruído e vibração em atividades de colheita florestal semimecanizada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4336/2020.pfb.40e201901703

Palavras-chave:

Ergonomia, Fatores ambientais, Máquinas florestais

Resumo

Objetivou-se analisar o nível de exposição de trabalhadores a ruídos e vibração de mãos e braços por máquinas utilizadas na colheita semimecanizada de madeira. A pesquisa foi realizada em áreas operacionais de uma empresa florestal na região Sul do Espírito Santo, em povoamentos de Pinus elliottii com 40 anos de idade. Analisou-se ruído e vibração nas atividades parciais do ciclo de trabalho do corte com motosserra e extração de madeira com trator agrícola equipado com grua e carreta. O nível de exposição a ruídos foi mensurado com dosímetro e a vibração com acelerômetro, seguindo as normas NHO-01 e ISO 5349-1. As atividades de corte e extração superaram o limite de exposição a ruídos, apresentando 100,8 dB (A) e 91,3dB (A), respectivamente. Para o corte, a análise de vibração demonstrou níveis de fadiga em ambos os eixos estudados, destacando o desgalhamento com maior exposição (0,265 m s-²). Observaram-se níveis de fadiga nos eixos xy dos membros superiores dos trabalhadores durante a extração, com destaque para o deslocamento carregado e vazio (0,174 m s-²). Observa-se a necessidade de adoção de medidas que diminuam a exposição dos operários às condições inadequadas, sendo consideradas indispensáveis para o desempenho das atividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

William Masioli, Universidade Estadual do Centro-Oeste

http://lattes.cnpq.br/7273668403288888

Nilton César Fiedler, Universidade Federal do Espírito Santo

http://lattes.cnpq.br/8699171075880935

Eduardo da Silva Lopes, Universidade Estadual do Centro-Oeste

http://lattes.cnpq.br/1280835655867163

Felipe Martins de Oliveira, Universidade Estadual do Centro-Oeste

http://lattes.cnpq.br/4203215532327997

Referências

Alvares, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, 2013. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507.

Arnold, D. & Parmigiani, J. P. A study of chainsaw kickback. Forest Products Journal, v. 65, n. 5, 2015. https://doi.org/10.13073/FPJ-D-14-00096.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria MTB n º 3.214, de 08 de junho de 1978. Norma Regulamentadora nº 15. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 6 jul. 1978.

Cecchini, M. et al. The risk of musculoskeletal disorders for workers due to repetitive movements during tomato harvesting. Journal of Agricultural Safety and Health, v. 16, n. 2, 2010. https://doi.org/10.13031/2013.29593.

Colantoni, A. et al. Comparisons between battery chainsaws and internal combustion engine chainsaws: performance and safety. Contemporary Engineering Sciences, v. 9, n. 27. 2016. https://doi.org/10.12988/ces.2016.68133.

Cunha, A. R. et al. Avaliação dos níveis de vibração e ruído emitidos por um trator agrícola em preparo de solo. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 39, n. 4, 2009.

Cunha, J. P. A. R. et al. Vibração e ruído emitidos por dois tratores agrícolas. Idesia, v. 30, n. 1, p. 25-34, 2012. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-34292012000100004.

Deboli, A. et al. Hand arm vibration generated by a rotary pick-up for table olives harvesting. Agricultural Engineering International: CIGR Journal, v. 16, n. 1, p. 228-235, 2014.

Directive 2002/44/CE. Prescrições mínimas de segurança e de saúde relativas à exposição dos trabalhadores aos riscos por agentes físicos (vibrações) do Parlamento Europeu. Jornal Oficial das Comunidades Europeias, 177, 6 jul. 2002.

Fiedler, N. C. et al. Análise da vibração no processamento secundário de madeiras com diferentes massas especificas aparentes. Floresta, v. 43, n. 1, 2013. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v43i1.21661.

Fonseca, A. F. C. et al. Análise da exposição ocupacional ao ruído em trabalhadores de uma empresa florestal. Análise, v. 38, n. 26, 2017.

Fontana, G. & Seixas, F. Avaliação ergonômica do posto de trabalho de modelos de “forwarder” e “skidder”. Revista Árvore, v. 31, n. 1, p. 71-81, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622007000100009.

Fundacentro. Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho. Norma de higiene ocupacional: procedimento técnico: avaliação da exposição ocupacional ao ruído. [São Paulo], 2001. 40 p. Disponível em: <http://www.fundacentro.gov.br/biblioteca/normas-de-higiene-ocupacional/publicacao/detalhe/2012/9/nho-01-procedimento-tecnico-avaliacao-da-exposicao-ocupacional-ao-ruido>. Acesso em: 14 maio 2016.

HSE. Health and Safety Executive. Chainsaws at work: safety topics. United Kingdon, 2013. Avaliable from: <http://www.hse.gov.uk/treework/safety-topics/chainsaw-operator.htm>. Access on: 25 May 2019.

HSE. Health and Safety Executive. Hand-arm vibration at work: a brief guide. United Kingdon, 2012. Avaliable from: <http://www.hse.gov.uk/pubns/indg175.htm>. Access on: 25 May 2019.

Iida, I. & Guimarães, L. B. Ergonomia: projeto e produção. 3. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2016. 850 p.

ISO. International Organization for Standardization. ISO 5349-1: mechanical vibration: measurement and evaluation to human exposure in hand-transmitted vibration. Part 1: general requirements. 2001.

ISO. International Standardization Organization. ISO 2631/78: guide of evaluation of human exposure tow hole-bod y vibration. 2nd. ed. [S.l.: s.n.], 1978. 18 p. v. 1. Avaliable from: <http://wwwp.feb.unesp.br/jcandido/vib/ iso2631.doc>. Access on: 16 May 2016.

Lie, A. et al. Occupational noise exposure and hearing: a systematic review. International Archives of Occupational and Environmental Health, v. 89, n. 3, p. 351-372, 2016. https://doi.org/10.1007/s00420-015-1083-5.

Machado, C. C. Colheita florestal. 3. ed. Viçosa, MG: Ed. UFV. 2014.

Minette, L. J. et al. Avaliação dos níveis de ruído, luz e calor em máquinas de colheita florestal. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 11, n. 6, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662007000600017.

Murphy, G. Determining sample size for harvesting estimation. New Zealand Journal of Forestry Science, v. 35, n. 1/2, p. 166-169, 2005.

PMAC. Exposição ao ruído: norma para a proteção de trabalhadores que trabalham em atividades com barulho. Proteção, v. 6, n. 29, p. 136-138, 1994.

Proto, A. R. & Zimbalatti, G. Risk assessment of repetitive movements in olive growing: analysis of annual exposure level assessment models with the OCRA checklist. Journal of Agricultural Safety and Health, v. 21, n. 4, p. 241-253, 2015. https://doi.org/10.13031/jash.21.10884.

Riccioni, S. et al. Overview of the noise measurements process in recent years. Contemporary Engineering Sciences, v. 8, n. 25-28, p. 1179-1191, 2015. https://doi.org/10.12988/ces.2015.56176.

Rottensteiner, C. et al. Vibration and noise assessment of tractor-trailer and truck-mounted chippers. Silva Fennica, v. 47, n. 5, p. 14, 2013. https://doi.org/10.14214/sf.984.

Santos, L. N. et al. Avaliação dos níveis de ruído e vibração de um conjunto trator-pulverizador| em função da velocidade de trabalho. Revista Engenharia na Agricultura, v. 22, n. 2, p. 112, 2014. https://doi.org/10.13083/1414-3984.v22n02a02.

Yovi, E. Y. & Yamada, Y. Strategy to disseminate occupational safety and health information to forestry workers: the felling safety game. Journal of Tropical Forest Science, v. 27, n. 2, p. 213-221, 2015. https://doi.org/10.1080/10803548.2012.11076927.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

MASIOLI, W.; FIEDLER, N. C.; LOPES, E. da S.; OLIVEIRA, F. M. de . Exposição de trabalhadores a ruído e vibração em atividades de colheita florestal semimecanizada. Pesquisa Florestal Brasileira, [S. l.], v. 40, 2020. DOI: 10.4336/2020.pfb.40e201901703. Disponível em: https://pfb.cnpf.embrapa.br/ojs-3.2.1-1/index.php/pfb/article/view/1703. Acesso em: 21 jan. 2021.

Edição

Seção

Artigos Científicos