Sementes de Senegalia polyphylla (Fabaceae) atacadas por bruquíneos podem ser viáveis?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4336/2020.pfb.40e201801731

Palavras-chave:

Dormência, Germinação de sementes, Stator

Resumo

Este trabalho teve por objetivo analisar a germinação de sementes de Senegalia polyphylla (DC.) Britton & Rose (Fabaceae) atacadas por bruquíneos (Coleoptera: Chrysomelidae: Bruchinae). Frutos dessa espécie foram coletados em São Gonçalo do Rio Preto, MG. As sementes indenes e as danificadas por bruquíneos foram submetidas aos testes de germinação em cinco tratamentos, com 100 sementes cada. O melhor percentual de germinação foi obtido nas sementes sadias e lixadas. As sementes sadias embebidas em água apresentaram baixo percentual de germinação. O ataque de bruquíneos proporcionou redução na taxa de germinação, mas não impediu que esse processo ocorresse nas sementes danificadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Geraldo Fonseca, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

http://lattes.cnpq.br/0524003118725341

Sebastião Lourenço Assis Júnior, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

http://lattes.cnpq.br/6348960601415421

Miranda Titon, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

http://lattes.cnpq.br/3881685523998904

Evandro Luiz Mendonça Machado, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

http://lattes.cnpq.br/3154666906400484

Referências

Almeida, C. I. M. et al. Fenologia e artrópodes de Copaifera langsdorffii Desf. no cerrado; Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 8, n. 2, p. 64-70, 2006.

Arruda, D. M. et al. Germinação de sementes de três espécies de Fabaceae típicas de floresta estacional decidual. Revista Pesquisa Florestal Brasileira, v. 35, n. 82, p. 135-142, 2015. https://doi.org/10.4336/2015.pfb.35.82.672.

Borror, D. J. & Delong, D. M. Introdução ao estudo dos insetos. São Paulo: E. Blucher, 2011. 809 p.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, DF, 2009.

Bulhão, C. F. & Figueiredo, P. S. Fenologia de leguminosas arbóreas em uma área do cerrado marginal no nordeste do Maranhão. Revista Brasileira de Botânica, v. 25, n. 3, p. 361-369, 2002. https://doi.org/10.1590/S0100-84042002000300012.

Carrione, R. M. et al. Tratamentos pré-germinativos em sementes de Plathymenia reticulata Benth. Revista Enciclopédia Biosfera, v. 8, n. 15, p. 1614-1621, 2012.

Climate-Data.Org. Clima de São Gonçalo do Rio Preto. Disponível em: <https://pt.climate-data.org/location/176041/>. Acesso em: 4 jun. 2018.

Costa, E. M. & De Paula, R. C. A. L. Levantamento preliminar dos insetos associados às sementes de Albizia polycephala Benth em Vitória da Conquista - BA. Scientia Plena, v. 8, n. 4, p. 47301-47305, 2012.

Davide, A. C. & Silva, E. A. A. Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: Ed. UFLA, 2008. 175 p.

Donato, D. B. et al. Dano de Caryedes sp. (COLEOPTERA; BRUCHIDAE) e seus reflexos na propagação de Enterolobium contortisiliquum (LEGUMINOSAE). Revista Floresta e Ambiente, v. 17, n. 2, p. 118-123, 2010. http://dx.doi.org/10.4322/floram.2011.015.

Ferreira, E. B. et al. ExpDes.pt: experimental designs pacakge (portuguese). R package version 1.1.2. 2013. Disponível em: < https://mran.microsoft.com/snapshot/2014-12-29/web/packages/ExpDes.pt/ExpDes.pt.pdf>. Acesso em: 2 mar. 2020.

Kerbauy, G. B. Fisiologia vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. 452 p.

Labouriau, L. G. A germinação das sementes. Washington: Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos, 1983. 174 p.

Lemos, J. R. & Zappi, D. C. Distribuição geográfica mundial de plantas lenhosas da Estação Ecológica de Aiuaba, Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, v. 10, n. 4, p. 446-456, 2012.

Maia, V. C. & Souza, M. C. Insect gals of the xeric vegetation of Ilha do Cabo Frio (Arraial do Cabo, RJ, Brazil). Biota Neotropica, v. 13, n. 3, p. 278-288, 2013.

Melo, Y. et al. Morfologia de nectários em Leguminosae sensu lato em áreas de caatinga no Brasil. Acta Botânica Brasileira, v. 24, n. 4, p. 1034-1045, 2010.

Mori, E. S. Sementes florestais: guia para germinação de 100 espécies. São Paulo: Instituto Refloresta, 2012. 159 p.

Oliveira, L. S. & Costa, E. C. C. Predação de sementes de Acacia mearnsii De Wild. (Fabaceae, Mimosoideae). Revista Biotemas, v. 22, n. 2, p. 39-44, 2009.

R Core Team. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2016. Disponível em: <http://www.R-project.org>. Acesso em: 02 mar. 2020.

Ramalho, M. A. P. et al. Experimentação em genética e melhoramento de plantas. 2. ed. Lavras: UFLA, 2005. 326 p.

Ribeiro, M. L. et al. Influência da predação de sementes na germinação de leguminosas (Fabaceae) no Cerrado. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 2, p. 279-281, 2007.

Rodrigues, L. M. S. Insetos predadores de sementes e suas relações com a qualidade e a morfologia de frutos e sementes. 2013. 117 f. Tese (Doutorado em Morfologia e Diversidade Vegetal) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Botucatu, Botucatu.

Santos, M. M. et al. Germinação e superação de dormência de sementes de espécies florestais. Revista Enciclopédia Biosfera, v. 11, n. 22, p. 1409-1417, 2015.

Silva, R. R. Leguminosae no Pantanal de Barão de Melgaço, Mato Grosso, Brasil. Biota Neotropica, v. 11, n. 4, p. 1-5, 2011.

Taiz, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2017. 888 p.

Triola, M. F. Introdução a estatística. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008. 696 p.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

FONSECA, A. G.; ASSIS JÚNIOR, S. L.; TITON, M.; LEMES, P. G.; MACHADO, E. L. M. Sementes de Senegalia polyphylla (Fabaceae) atacadas por bruquíneos podem ser viáveis?. Pesquisa Florestal Brasileira, [S. l.], v. 40, 2020. DOI: 10.4336/2020.pfb.40e201801731. Disponível em: https://pfb.cnpf.embrapa.br/ojs-3.2.1-1/index.php/pfb/article/view/1731. Acesso em: 21 jan. 2021.

Edição

Seção

Notas Científicas