Caracterização florística e fitossociologia de um fragmento de Cerradão em Cáceres, Mato Grosso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4336/2020.pfb.40e201801742

Palavras-chave:

Estrutura florestal, Composição florística, Cerrado

Resumo

A fragmentação de habitats causa diversos impactos ecossistêmicos. A resposta da vegetação às mudanças ambientais a tornam um bom indicador do estado de conservação da biodiversidade. O objetivo deste trabalho foi avaliar a conservação de um fragmento de Cerradão no município de Cáceres, MT, pela análise da estrutura horizontal e da diversidade de espécies do estrato arbóreo-arbustivo. O levantamento foi baseado em dois conglomerados aleatorizados, totalizando 8 parcelas em 0,8 ha. O critério de inclusão foi o diâmetro a 1,30 m do solo  ≥ 10 cm. Foram amostrados 411 indivíduos, 44 espécies e 21 famílias botânicas. As famílias Fabaceae e Bignoniaceae apresentaram as maiores riquezas. Os valores dos índices de diversidade de Shannon-Weaver e de equabilidade de Pielou foram considerados elevados (3,18 e 0,84, respectivamente). A similaridade florística entre os conglomerados foi alta (índice de Sørensen = 74,63%), indicando homogeneidade no fragmento. A distribuição diamétrica apresentou o padrão J-invertido. A comunidade apresentou tendência ao agregamento, com índice de agregação de Payandeh médio (1,40). A riqueza e estrutura da vegetação indicaram bom estado de conservação do estrato arbóreo-arbustivo, pois não foram observadas alterações florístico-estruturais no fragmento oriundas das pressões antrópicas do entorno da área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APG. The Angiosperm Phylogeny Group. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 181, n. 1, p. 1-20, 2016. https://doi.org/10.1111/boj.12385.

Araújo, G. M. et al. Structure and floristics of the arboreal component of a Dystrophic Cerradão and comparison with other Cerradões in Central Brazil. Edinburgh Journal of Botany, n. 68, v. 3, p. 401-418, 2011. https://doi.org/10.1017/S0960428611000242.

BFG. The Brazil Flora Group. Growing knowledge: an overview of seed plant diversity in Brazil. Rodriguésia, v. 66, n. 4, p. 1085-1113. 2015. https://doi.org/10.1590/2175-7860201566411.

Bridgewater, S. et al. Biogeographic patterns, b-diversity and dominance in the cerrado biome of Brazil. Biodiversity and Conservation, v. 13, p. 2295-2318, 2004. https://doi.org/10.1023/B:BIOC.0000047903.37608.4c.

Bueno, M. L. et al. A study in an area of transition between Seasonally Dry Tropical Forest and Mesotrophic Cerradão, in Mato Grosso do Sul, Southwestern Brazil. Edinburgh Journal of Botany, v. 70, n. 3, p. 469-486, 2013a. https://doi.org/10.1017/S0960428613000164.

Bueno, M. L. et al. Influence of edaphic factors on the floristic composition of an area of cerradão in the Brazilian central-west. Acta Botanica Brasilica, v. 27, n. 2, p. 445-455, 2013b. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062013000200017.

Bueno, M. L. et al. The environmental triangle of the Cerrado Domain: ecological factors driving shifts in tree species composition between forests and savannas. Journal of Ecology, p. 1-12, 2018. https://doi.org/10.1111/1365-2745.12969.

Bustamante, M. M. C. et al. Potential impacts of climate change on biogeochemical functioning of Cerrado ecosystems. Brazilian Journal of Biology, v. 72, n. 3, supl., p. 655-671, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842012000400005.

Bustamante, M. M. C. et al. 15N Abundância natural em plantas lenhosas e solos de savanas da região central do Brasil (Cerrado). Ecological Applications, v. 14, n. 4, supl., p. 200-213, 2004. https://doi.org/10.1890/01-6013.

Cabacinha, C. D. & Castro, S. S. Estrutura diamétrica e estado de conservação de fragmentos florestais no Cerrado brasileiro. Floresta e Ambiente, v. 17, n. 1, p. 51-62, 2010. http://dx.doi.org/10.4322/floram.2011.001.

Carmo, A. B. et al. Estrutura da comunidade de plantas lenhosas em fragmentos de Cerrado: relação com o tamanho do fragmento e seu nível de perturbação. Revista Brasileira Botânica, v. 34, n. 1, p. 31-38, 2011. https://doi.org/10.1590/S0100-84042011000100004.

Carvalho, F. A. et al. Composição florística, riqueza e diversidade de um Cerrado Sensu Stricto no Sudeste doestado de Goiás. Bioscience Journal, v. 24, n. 4, p. 64-72, 2008.

Casella, F. M. & Silva Júnior, M. C. Florística, diversidade e estrutura da vegetação arbórea de cerrado sentido restrito e cerradão adjacentes, Parque Ecológico dos Pequizeiros, Distrito Federal. Heringeriana, v. 7, n. 2, p. 127-124, 2013.

Cavalcanti, R. B. et al. Cerrado. In: Scarano, F. R. Biomas brasileiros: retratos de um país plural. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2012. p. 57-91.

Costa, C. P. et al. Caracterização da flora e estrutura do estrato arbustivo-arbóreo de um cerrado no Pantanal de Poconé, MT. Biota Neotropica, v. 10, n. 3, p. 61-73, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1676-06032010000300006.

Deus, F. F. & Oliveira, P. E. Changes in floristic composition and pollination systems in a ‘‘Cerrado’’ community after 20 years of fire suppression. Brazilian Journal of Botany, v. 39, n. 4, p. 1051-1063, 2016. http://dx.doi.org/10.1007/s40415-016-0304-9.

Durigan, G. Estrutura e diversidade de comunidades florestais. In: Martins, S. V. (Ed.). Ecologia de Florestas Tropicais do Brasil. 2. ed. Viçosa, MG: UFV, 2012. p. 294-325.

Fiorentin, L. D. et al. Análise florística e padrão espacial da regeneração natural em área de Floresta Ombrófila Mista na Região de Caçador, SC. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 1, p. 60-70, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.071413.

Gama, R. C. et al. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um fragmento de Cerrado sensu stricto, Formoso do Araguaia, Tocantins. Revista Verde, v. 13, n. 4, p. 501-506, 2018. http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v13i4.5552.

Giácomo, R. G. et al. Florística e Fitossociologia em Áreas de Campo Sujo e Cerrado Sensu Stricto na Estação Ecológica de Pirapitinga - MG. Ciência Florestal, v. 23, n. 1, p. 29-43, 2013. http://dx.doi.org/10.5902/198050988437.

Giácomo, R. G. et al. Florística e fitossociologia em áreas de Campo Sujo e Cerrado Sensu Stricto na Estação Ecológica de Pirapitinga - MG. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 3, p. 287-298, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.067913.

Gomes, L. et al. Comparações florísticas e estruturais entre duas comunidades lenhosas de cerrado típico e cerrado rupestre, Mato Grosso, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 25, n. 4, p. 865-875, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062011000400013.

Guarim, V. L. M. S. et al. Inventory of a Mesotrophic Callisthene Cerradão in the Pantanal of Mato Grosso, Brazil. Edinburgh Journal of Botany, v. 57, n. 3, p. 429-436, 2000. https://doi.org/10.1017/S0960428600000408.

Haridasan, M. Nutrição mineral de plantas nativas do Cerrado. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, v. 12, n. 1, p. 54-64, 2000.

Imaña-Encinas, J. et al. Distribuição diamétrica de um fragmento de Floresta Atlântica no município de Santa Maria de Jetibá, ES. Floresta, v. 43, n. 3, p. 385-394, 2013. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v43i3.24894.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de biomas do Brasil: primeira aproximação. Rio de Janeiro, 2004. 1 mapa, color., Escala 1:5.000.000.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa exploratório de solos. Cuiabá, 2009. 1 mapa, color., Escala 1:1.500.000.

Jepson, W. A disappearing biome? Reconsidering land-cover change in the Brazilian savanna. The Geographical Journal, v. 171, n. 2, p. 99–111, 2005. https://doi.org/10.1111/j.1475-4959.2005.00153.x.

Leak, W. B. Origin of sigmoid diameter distributions. Newtown Square, PA: U.S. Department of Agriculture, Forest Service, Northeastern Research Station, 2002. 10 p.

Lima-Ribeiro, M. S. Efeitos de borda sobre a vegetação e estruturação populacional em fragmentos de Cerradão no Sudoeste Goiano, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 22, n. 2, p. 535-545, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062008000200020.

Lopes, S. F. et al. Análise comparativa da estrutura e composição florística de Cerrado no Brasil central. Interciencia, v. 36, n. 1, p. 8-15, 2011.

LPWG. The Legume Phylogeny Working Group. Legume phylogeny and classification in the 21st century: progress, prospects and lessons for other species-rich clades. Taxon, v. 62, n. 2, p. 217-248, 2013. https://doi.org/10.12705/622.8.

Machado, I. E. S. et al. Florística e fitossociologia de um fragmento de Cerrado lato sensu, Gurupi, TO. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 39, e201801685, p. 1-12, 2019. https://doi.org/10.4336/2019.pfb.39e201801685.

Magurran, A. E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: UFPR, 2013. 261 p.

Marimon Junior, B. H. & Haridasan, M. Comparação da vegetação arbórea e características edáficas de um cerradão e um cerrado sensu stricto em áreas adjacentes sobre solo distrófico no leste de Mato Grosso, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 19, n. 4, p. 913- 926, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062005000400026.

Matos, M. Q. & Felfi, J. M. Florística, fitossociologia e diversidade da vegetação arbórea nas matas de galeria do Parque Nacional de Sete Cidades (PNSC), Piauí, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 24, n. 2, p. 483-496. 2010.

Neri, A. V. et al. Espécies de Cerrado com potencial para recuperação de áreas degradadas por mineração de Ouro, Paracatu-MG. Revista Árvore, v. 35, n. 4, p. 907-918, 2011. https://doi.org/10.1590/S0100-67622011000500016.

Neves, S. M. A. S. et al. Caracterização das condições climáticas de Cáceres/MT Brasil, no período de 1971 a 2009: subsídio às atividades agropecuárias e turísticas municipais. Boletim Goiano de Geografia, v. 31, n. 2, p. 55-68, 2011. https://doi.org/10.5216/bgg.v31i2.16845.

Oliveira, L. M. et al. Florística e síndromes de dispersão de um fragmento de Cerrado ao Sul do Estado do Tocantins. Scientia Agraria Paranaensis, v. 17, n. 1, p. 104-111, 2018.

Orellana, E. et al. Métodos de ajuste e procedimentos de seleção de funções probabilísticas para modelar a distribuição diamétrica em floresta nativa de Araucária. Ciência Florestal, v. 27, n. 3, p. 969-980, 2017. http://dx.doi.org/10.5902/1980509828668.

Pinheiro, E. S. & Durigan, G. Diferenças florísticas e estruturais entre fitofisionomias do cerrado em Assis, SP, Brasil. Revista Árvore, v. 36, n. 1, p. 181-193, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622012000100019.

Pinheiro, E. S. & Durigan, G. Dinâmica espaço-temporal (1962-2006) das fitofisionomias em unidade de conservação do Cerrado no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 32, n. 3, p. 441-454, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042009000300005.

QGIS Development Team. QGIS geographic information system. [S.l.: s.n.]: 2018. Disponível em: <http://qgis.osgeo.org>. Acesso em: 27 abr. 2020.

Raymundi, V. M. O. et al. Caracterização ambiental da bacia hidrográfica do Córrego do Juco em Cáceres, MT. In: Perez, F. A. & Amorim, R. R. (Org.). Os desafios da geografia física na fronteira do conhecimento. Campinas, SP: Unicamp, v. 1, 2017. p. 111-120. http://dx.doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1782.

Reflora. Lista de Espécies da Flora do Brasil. 2020. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/>. Acesso em: 5 mai. 2020.

Ribeiro, J. F. & Walter, B. M. T. As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: Sano, S. M. et al. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2008. p. 151-212.

Rodrigues, R. F. & Araújo, G. M. Estrutura da vegetação e características edáficas de um cerradão em solo distrófico e em solo mesotrófico no Triângulo Mineiro. Bioscience Journal, v. 29, n. 6, p. 2013-2029, 2013.

Rodríguez-Cabal, M. A. et al. Habitat fragmentation disrupts a plant-disperser mutualism in the temperate forest of South America. Biological Conservation, v. 139, p.195-202, 2007. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2007.06.014.

SFB. Serviço Florestal Brasileiro. Manual de campo: procedimentos para coleta de dados biofísicos e socioambientais. Brasília, DF: Embrapa Florestas; SFB, 2012. 63 p.

Silva, J. O. et al. Floristic composition and phytogeography contextualization of the natural regeneration of an alluvial forest located in the “planalto sul catarinense” region, SC, Brazil. Revista Árvore, v. 41, n. 2, p. 1-9, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1806-90882017000200003.

Silva Júnior, M. C. Fitossociologia e estrutura diamétrica na mata de galeria do Pitoco, na Reserva Ecológica do IBGE, DF. Cerne, v. 11, n. 2, p. 147-158, 2005.

Silva Neto, V. L. et al. Fitossociologia e distribuição diamétrica de uma área de Cerrado sensu stricto, Dueré-TO. Revista de Ciências Ambientais, v. 10, n. 1, p. 91-106, 2016. http://dx.doi.org/10.18316/1981-8858.16.24.

Silva, J. O. et al. Floristic composition and phytogeography contextualization of the natural regeneration of an alluvial forest located in the “planalto sul catarinense” region, SC, Brazil. Revista Árvore, v. 41, n. 2, p. 1-9, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1806-90882017000200003.

Silva, R. A. et al. Fitossociologia da comunidade arbórea de Cerrado Sensu Stricto do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Nativa, v. 4, n. 2, p. 82-86, 2016. http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v04n02a05.

Solórzano, A. et al. Perfil florístico e estrutural do componente lenhoso em seis áreas de cerradão ao longo do bioma Cerrado. Acta Botanica Brasilica, v. 26, n. 2, p. 328-341, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062012000200009.

Souza, A. L. & Soares, C. P. B. Florestas nativas: estrutura, dinâmica e manejo. Viçosa, MG: UFV, 2013. 322 p.

Souza, P. B. et al. Composição florística da vegetação arbórea de um remanescente de Cerradão, Paraopeba, MG. Revista Árvore, v. 32, n. 4, p. 781-790, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000400020.

Souza, P. B. et al. Florística de uma área de cerradão na floresta nacional de Paraopeba - Minas Gerais. Cerne, v. 16, n. 1, p. 86-93, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602010000100010.

Souza, V. C. et al. Guia das plantas do Cerrado. Piracicaba, SP: Taxon Brasil, 2018. 583 p.

The Brazil Flora Group - BFG. Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil. Rodriguésia, v. 66, n. 4, p. 1085-1113. 2015. https://doi.org/10.1590/2175-7860201566411.

Yahara, T. et al. Global legume diversity assessment: concepts, key indicators, and strategies. Taxon, v. 62, n. 2, p. 249-266, 2013. https://doi.org/10.12705/622.12.

Downloads

Publicado

2020-12-26

Como Citar

VERLY, O. M.; OLIVEIRA, I. M. M. de; SANTOS, C. T. F. dos; FIALHO JUNIOR, L. L.; ROSA, P. R.; CHAVES, A. G. S.; FRANCO, F. M. Caracterização florística e fitossociologia de um fragmento de Cerradão em Cáceres, Mato Grosso. Pesquisa Florestal Brasileira, [S. l.], v. 40, 2020. DOI: 10.4336/2020.pfb.40e201801742. Disponível em: https://pfb.cnpf.embrapa.br/ojs-3.2.1-1/index.php/pfb/article/view/1742. Acesso em: 21 jan. 2021.

Edição

Seção

Artigos Científicos