Técnica de realocação de Rhipsalis (Cactaceae) em florestas regenerantes, em Itaboraí - RJ: sobrevivência e desenvolvimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4336/2020.pfb.40e201902064

Palavras-chave:

Enriquecimento, Epífitos vasculares, Restauração ecológica

Resumo

Este estudo teve por objetivo avaliar a sobrevivência e o desenvolvimento de cactáceas epifíticas Rhipsalis lindbergiana K. Schum. e R. pachyptera Pfeiff. Fragmentos foram acompanhados em casa de vegetação durante quatro meses em diferentes substratos e após realocação para Floresta Ombrófila Densa em regeneração, município de Itaboraí, RJ. A realocação foi acompanhada por até três anos e realizada em dois períodos climáticos: menor (lote da seca) e maior precipitação (lote de chuva). Registrou-se maior crescimento das duas espécies em substrato com matéria orgânica. Os lotes da seca foram significativamente distintos nas duas espécies, provavelmente em função das chuvas que se sucederam e possibilitaram maior sobrevivência e desenvolvimento. A sobrevivência e desenvolvimento de R. lindbergiana apresentaram relação significativa com a altura das árvores onde os fragmentos foram instalados, remetendo à associação existente entre elevada diversidade de epífitos com grandes forófitos. Recomenda-se a realocação de epífitos em árvores maiores, no início dos períodos chuvosos e mantendo os fragmentos em contato com o substrato. Isso possibilitará melhor aproveitamento das plantas, além de impulsionar os processos de recuperação da diversidade e funcionalidade ecológica das florestas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Annete Bonnet, Embrapa Florestas

http://lattes.cnpq.br/0847332979201113

Gustavo Ribas Curcio, Embrapa Florestas

http://lattes.cnpq.br/5429076851838341

Fernando Lima Aires Gonçalves, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

http://lattes.cnpq.br/3131193038408891

Alexander Silva de Resende, Embrapa Agrobiologia

http://lattes.cnpq.br/8036868163621712

Eder Caglioni, Sociedade Educacional Leonardo da Vinci

http://lattes.cnpq.br/2407000704378217

Osmir José Lavoranti, Embrapa Florestas

http://lattes.cnpq.br/0191685467125667

Referências

Ana. Agência Nacional de Águas. <b>Hidroweb</b>: sistemas de informações hidrológicas. Disponível em: <a href="<http://www.snirh.gov.br/hidroweb/> " target="_blank"> &lt;http://www.snirh.gov.br/hidroweb/ &gt;.</a>. Acesso em: 21 nov. 2018.
Anderson, E. F. <b>The cactus family</b>. Oregon: Timber Press, 2001. 776 p.
Barthlott, W. & Hunt, D. R. Cactaceae. In: Kubitzki, K. (Ed.). <b>The families and genera of vascular plants</b>. Berlin: Springer-Verlag, 1993. v. 2. p. 161-197.
Bonnet, A. et al. Relações de bromeliáceas epifíticas com fatores ambientais em planícies de inundação do rio Iguaçu, Paraná, Brasil. <b>Floresta</b>, v. 40, n. 1, p. 193-208, 2010. <a href="http://dx.doi.org/10.5380/rf.v40i1.17110" target="_blank"> http://dx.doi.org/10.5380/rf.v40i1.17110</a>.
Bonnet, A. et al. Epífitos vasculares e sua distribuição na paisagem. In: Prado, R. B. et al. (Ed.). <b.>Monitoramento da revegetação do COMPERJ</b>: etapa inicial. Brasília, DF: Embrapa, 2014. p. 263-277.
Calvente, A. D. M. et al. Listagem, distribuição geográfica e conservação das espécies de Cactaceae no estado do Rio de Janeiro. <b>Rodriguésia</b>, v. 56, n. 87, p. 141-162, 2005. <a href="http://dx.doi.org/10.1590/2175-78602005568711" target="_blank"> http://dx.doi.org/10.1590/2175-78602005568711</a>.
Collet, D. <b>Modeling binary data</b>. London: Chapman & Hall, 1991. 369 p.
Curcio, G. R. et al. Compartimentação das paisagens. In: Prado, R. B. et al. (Ed.). <b>Monitoramento da revegetação do COMPERJ</b>: etapa inicial. Brasília, DF: Embrapa, 2014. p. 23-36.
Duarte, M. M. & Gandolfi, S. Enriquecimento de florestas em processo de restauração: aspectos de epífitas e forófitos que podem ser considerados. <b>Hoehnea</b>, v. 40, n. 3, p. 507-514, 2013. <a href="http://dx.doi.org/10.1590/S2236-89062013000300010" target="_blank"> http://dx.doi.org/10.1590/S2236-89062013000300010</a>.
Duarte, M. M. & Gandolfi. S. Diversifying growth forms in tropical forest restoration: enrichment with vascular epiphytes. <b>Forest Ecology and Management</b>, v. 401, p. 89-98, 2017. <a href="https://doi.org/10.1016/j.foreco.2017.06.063" target="_blank"> https://doi.org/10.1016/j.foreco.2017.06.063</a>.
Garcia, L. C. et al. Restoration over time: is it possible to restore trees and non-trees in high-diversity forests? <b>Applied Vegetation Science</b>, v. 19, n. 4, p. 655–666, 2016. <a href="https://doi.org/10.1111/avsc.12264" target="_blank" https://doi.org/10.1111/avsc.12264.</a>
Gonçalves, A. O. Caracterização climática. In: Prado, R. B. et al. (Ed.). <b>Monitoramento da revegetação do COMPERJ</b>: etapa inicial. Brasília, DF: Embrapa, 2014. p. 65–81.
Gentry, A. H. & Dodson, C. H. Diversity and Biogeography of Neotropical Vascular Epiphytes. <b>Annals of the Missouri Botanical Garden</b>, v. 74, p. 205-233, 1987.
Hernandez-Rosas, J. Ocupación de los portadores por epifitas vasculares em um bosque húmedo tropical del alto Orinoco, Edo. Amazonas, Venezuela. <b>Acta Científica Venezolana</b>, v. 52, n. 4, p. 292-303, 2001.
Ibama. Instrução Normativa nº 6, de 7 de abril de 2009. <b>Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil</b>, Brasília, DF, n. 67, p. 82, 8 abr. 2009.
IBGE. <b>Manual técnico da vegetação brasileira</b>. 2 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 271p. (IBGE. Manuais técnicos em geociências).
Jakovac, A. C. C. et al. Epiphytes transplant to improve the diversity on restored areas. In: SIMPOSIO INTERNACIONAL SOBRE RESTAURACIÓN ECOLÓGICA, 2., 2007, Cuba. <b>Annalles</b>... Cuba: Grupo Cubano de Restauración Ecológica, 2007. p. 207.
Jasper, A. et al. Metodologia de salvamento de Bromeliaceae e Orchidaceae na pequena central Hidrelétrica (PCH) Salto Forqueta – São José do Herval/Putinga – RS – Brasil. <b>Pesquisas, Botânica</b>, v. 56, p. 265–284, 2005.
Marcusso, G. M. et al. Epiphyte-phorophyte relationships: assessing the differences between Seasonal Semideciduous and Swamp Forests in Southeastern Brazil. <b>Hoehnea</b>, v. 46, n. 2, e232018, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/2236-8906-23/2018.
McCullagh, P. & Nelder, J. A. <b>Generalized linear models</b>. 2. ed. London: Chapman & Hall, 1989. 511 p.
Mielniczuk, J. Matéria orgânica e a sustentabilidade de sistemas agrícolas. In: Santos, G. de A. et al. (Ed.) </b>Fundamentos da matéria orgânica do solo</b>: ecossistemas tropicais & subtropicais. Porto Alegre: Metrópole, 2008. p. 1- 4.
Milaneze-Gutierre, M. A. et al. Resgate e replantio de epífitas da Usina Hidrelétrica Mauá, estado do Paraná. In: Milaneze-Gutierre, M. A. et al. (Org.). <b>Resgate de epífitas da Usina Hidrelétrica Mauá. Maringá</b>: Massoni, 2017. p. 11–40.
Nadkarni, N. M. & Solano, R. Potential effects of climate change on canopy communities in a tropical cloud forest: an experimental approach. <b>Oecologia</b>, v. 131, p. 580-586, 2002.
Nieder, J. et al. Epiphytes and their contribution to canopy diversity. <b>Plant Ecology</b>, v. 153, n. 2, p. 51-63, 2001.
Prado, R. B. et al. (Ed.). <b>Monitoramento da revegetação do COMPERJ</b>: etapa inicial. Brasília, DF: Embrapa, 2014. 350 p.
Resende, A. S. de et al. As mudas para o Comperj. In: Resende, A. S. de et al. (Org.). <b>Complexo petroquímico do Rio de Janeiro</b>: produção de mudas de espécies arbóreas nativas e suas relações ambientais no “Corredor Ecológico Comperj”. Colombo: Embrapa Florestas, 2009. p. 66–75.
Rocha, C. F. D. et al. Conservando uma larga proporção da diversidade biológica através da conservação de Bromeliaceae. <b>Vidalia</b>, v. 2, p. 52-68, 2004.
Santos Junior, N. A. dos & Tamaki, V. Realocação de plantas resgatadas em processos de supressão da vegetação: uma ação do Projeto Rodoanel Trecho Norte/SP. In: REUNIÃO ANUAL DE BOTÂNICA, 21., 2014, São Paulo. <b>Anais</b>... São Paulo: Instituto de Botânica, 2014. p. 1-4.
Stell, R. G. D. & Torrie, J. H. <b>Principles and procedures of statistics</b>: a biometrical approach. New York: MacGraw-Hill, 1980. 633 p.
Stevenson, F. J. <b>Humus chemistry</b>: genesis, composition, reactions. New York: J. Wiley, 1994. 496 p.
Taylor, N. P. & Zappi, D. C. Cacti of eastern Brazil. Richmond, Surrey: Royal Botanic Gardens, 2004. 499 p.
Wallace R. S. & Gibson A. C. Evolution and systematics. In: Nobel, P. S. (Ed.). <b>Cacti</b>: Biology and uses. Los Angeles: University of California Press, 2002. p. 125–141.
Zappi, D. C. et al. Cactaceae. In: Wanderley, M. G. L. et al. (Ed.). <b>Flora fanerogâmica do Estado de São Paulo</b>. São Paulo: Instituto de Botânica, 2007. v. 5. p. 163-193.

Downloads

Publicado

2020-08-28

Como Citar

BONNET, A.; CURCIO, G. R.; GONÇALVES, F. L. A.; RESENDE, A. S. de; CAGLIONI, E.; LAVORANTI, O. J. Técnica de realocação de Rhipsalis (Cactaceae) em florestas regenerantes, em Itaboraí - RJ: sobrevivência e desenvolvimento. Pesquisa Florestal Brasileira, [S. l.], v. 40, 2020. DOI: 10.4336/2020.pfb.40e201902064. Disponível em: https://pfb.cnpf.embrapa.br/ojs-3.2.1-1/index.php/pfb/article/view/2064. Acesso em: 1 dez. 2020.

Edição

Seção

Artigos Científicos