Desenvolvimento inicial de Erythrina velutina sob restrição hídrica

Mychelle Karla Teixeira de Oliveira, Jeferson Luiz Dallabona Dombroski, Rita de Cássia Araújo de Medeiros, Ana Santana de Medeiros

Resumo


Erythrina velutina Willd. é uma espécie arbórea, nativa do nordeste brasileiro, utilizada como ornamental e empregada em programas de reflorestamento. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi obter informações sobre o desenvolvimento de E. velutina sob restrição hídrica. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, em parcelas subdivididas no tempo, com quatro repetições. Foram utilizados dois manejos de irrigação (sem e com estresse hídrico). Aos 56 dias após o transplantio, as mudas foram submetidas por 14 dias completos de restrição hídrica. Ao longo do experimento foram realizadas cinco coletas de mudas a serem avaliadas aos 28, 42, 56, 70 e 84 dias após o transplantio. As mudas foram analisadas quanto ao comprimento da parte aérea, número de folhas, diâmetro do coleto, área foliar e massa seca do caule, das folhas, das raízes, da parte aérea, da massa seca total e da relação entre a massa seca da parte aérea e das raízes. As mudas de E. velutina possuem potencial de desenvolvimento de características xeromórficas para o uso conservador de água por meio de diferentes adaptações morfológicas, como desfolha e maior desenvolvimento de raízes. As mudas de E. velutina devem ser produzidas sem restrição hídrica.


Palavras-chave


Espécie florestal; Estresse hídrico; Mulungu

Texto completo:

PDF

Referências


Benincasa, M. M. P. Análise de crescimento de plantas: noções básicas. Jaboticabal: FUNEP, 2003. 41 p.

Carmo Filho, F. et al. Dados climatológicos de Mossoró: um município semi-árido nordestino. Mossoró: Escola Superior de

Agricultura de Mossoró, 1991. 121 p.

Carvalho, P. E. R. Mulungu (Erythrina velutina). Colombo: Embrapa Florestas, 2008. 8 p. (Embrapa Florestas. Circular técnica, 160).

Dan Tatagiba, S. et al. Determinação da máxima capacidade de retenção de água no substrato para produção de mudas de eucalipto em viveiro. Floresta, v. 45, n. 4, p. 745-754, 2015. DOI: 10.5380/rf.v45i4.38334.

Dombroski, J. L. D. et al. Water relations of Caatinga trees in the dry season. South African Journal of Botany. v. 77, p. 430-434, 2011. DOI: 10.1016/j.sajb.2010.11.001.

Fernandes, P. D. Análise de crescimento e desenvolvimento vegetal. Campina Grande: UFPB, Departamento de Engenharia Agrícola, 2000. 22 p.

Ferreira, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011. DOI: 10.1590/S1413-70542011000600001.

Holanda, F. S. R. et al. Crescimento inicial de espécies florestais na recomposição da mata ciliar em taludes submetidos à técnica da bioengenharia de solos. Ciência Florestal, v. 20, n. 1, p. 157-166, 2010. DOI: 10.5902/198050981770.

Larcher, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima Artes e Textos, 2006. 532 p.

Lenhard, N. R. et al. Crescimento inicial de mudas de pau ferro (Caesalpinia ferrea Mart.ex Tul. var. Leiostachya Benth.) sob diferentes regimes hídricos. Ciência e Agrotecnologia, v. 34, n. 4, p. 870-877, 2010. DOI: 10.1590/S1413-70542010000400011.

Li, F. L. et al. Effects of water stress on growth, dry matter allocation and water-use efficiency of a leguminous species, Sophora davidii. Agroforest Systems, v. 77, n. 203, p. 193-201, 2009. DOI: 10.1007/s10457-009-9252-8.

Lopes, J. L. W. et al. Estresse hídrico em plantio de Eucalyptus grandis vs. Eucalyptus urophylla, em função do solo, substrato e manejo hídrico de viveiro. Revista Árvore, v. 35, n. 1, p. 31-39, 2011. DOI: 10.1590/S0100-67622011000100004.

Lorenzi, H. & Matos, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. 577 p.

Martins, M. O. et al. Crescimento de plantas jovens de Nim-indiano (Azadirachta indica a. juss. - Meliaceae) sob diferentes regimes hídricos. Revista Árvore, v. 34, n. 5, p. 771-779, 2010. DOI: 10.1590/S0100-67622010000500002.

Matheus, M. T. et al. Superação da dormência em sementes de duas espécies de Erythrina. Revista Caatinga, v. 23, n. 3, p. 48-53, 2010.

Matos, E. & Queiroz, L. P. Árvores para cidade. Salvador: Ministério Público do Estado da Bahia: Solisluna, 2009. 340 p.

Moura, M. R. et al. Efeito do estresse hídrico e do cloreto de sódio na germinação de Mimosa caesalpiniifolia Benth. Revista Verde, v. 6, n. 2, p. 230-235, 2011.

Oliveira, M. S. G. et al. Antinociceptive and anti-inflammatory activity of hydroalcoholic extracts and fractions from Erythrina mulungu. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 22, n. 1, p. 157-161, 2012. DOI: 10.1590/S0102-695X2011005000210.

Rodrigues, B. M. et al. Tolerância ao déficit hídrico em plantas jovens de jaqueira e pinheira. Revista Ciência Agronômica, v. 41, n. 2, p. 245-252, 2010. DOI: 10.1590/S1806-66902010000200011.

Santos, P. L. et al. Estabelecimento de espécies florestais nativas por meio de semeadura direta para recuperação de áreas degradadas. Revista Árvore, v. 36, n. 2, p. 237-245, 2012. DOI: 10.1590/S0100-67622012000200005.

Scalon, S. P. Q. et al. Estresse hídrico no metabolismo e crescimento inicial de mudas de mutambo (Guazuma ulmifolia Lam.). Ciência Florestal, v. 21, n. 4, p. 655-662, 2011. DOI: 10.5902/198050984510.

Silva, E. C. et al. Growth evaluation and water relations of Erythrina velutina seedlings in response to drought stress. Brazilian Journal of Plant Physiology, v. 22, n. 4, p. 225-233, 2010. DOI: 10.1590/S1677-04202010000400002.

Silva, M. A. V. et al. Resposta estomática e produção de matéria seca em plantas jovens de aroeira submetidas a diferentes regimes hídricos. Revista Árvore, v. 32, n. 2, p. 335-344, 2008. DOI: 10.1590/S0100-67622008000200016.

Taiz, L. & Zeiger, E. Fisiologia vegetal. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 819 p.

Teixeira, W. F. et al. Atividade da enzima nitrato redutase e crescimento de Swietenia macrophylla King sob efeito de

sombreamento. Floresta e Ambiente, v. 20, n. 1, p. 91-98, 2013. DOI: 10.4322/floram.2012.068.

Vellini, A. L. T. T. et al. Respostas fisiológicas de diferentes clones de eucalipto sob diferentes regimes de irrigação. Revista Árvore, v. 32, n. 4, p. 651-663, 2008. DOI: 10.1590/S0100-67622008000400006.




DOI: https://doi.org/10.4336/2016.pfb.36.88.1261



Direitos autorais 2016

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional