Quantificação do material combustível em fragmento de Mata Atlântica no nordeste brasileiro

Marcus Vinícius Noronha de Oliveira, Benjamin Leonardo Alves White, Genésio Tâmara Ribeiro

Resumo


Em Sergipe, todos os anos, áreas protegidas da Mata Atlântica sofrem com incêndios florestais. Nesse cenário, fazem-se necessários estudos voltados para a compreensão do comportamento do fogo nestas áreas. O presente trabalho teve por objetivo quantificar o material combustível superficial em três diferentes formações vegetacionais presentes no Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco, Capela, SE. Em cada local foram demarcadas 20 parcelas de 2,25 m2, onde todo o material combustível foi coletado e classificado. As áreas de bambuzal (7,60 t ha-1) e mata fechada (7,02 t ha-1) apresentam maior carga de material combustível, enquanto que as áreas de transição apresentaram valor inferior (2,08 t ha-1). O teor de umidade do material combustível também variou de acordo com a vegetação, apresentando valores médios acima da “umidade de extinção” nas áreas de mata fechada e de transição. A avaliação do perigo de ocorrência de incêndios revela que as áreas de bambuzal apresentam maior risco. 


Palavras-chave


Incêndios florestais; Perigo de fogo; Conservação

Texto completo:

PDF

Referências


Andrews, P. L. et al. BehavePlus fire modeling system: version 2.0 user’s guide. Ogden, UT: USDA Forest Service, 2003. (General technical report, RMRS-GTR-106WWW).

Beutling, A. et al. Caracterização e modelagem de material combustível superficial em povoamentos de Pinus elliottii. Floresta, v. 42, n. 3, p. 443-452, 2012. DOI: 10.5380/rf.v42i3.24105.

Brown, J. K. Handbook for inventorying downed woody material. Ogden: USDA Forest Service, 1974. (General technical report INT, 16).

Camargos, V. L. et al. Estudo do comportamento do fogo em um trecho de floresta estacional semidecídua no município de Viçosa, Minas Gerais. Ciência Florestal, v. 25, n. 3, p. 537-545, 2015. DOI: 10.5902/1980509819605.

Cochrane, M. A. et al. Positive feedbacks in the fire dynamic of closed canopy tropical forests. Science, v. 284, n. 5421, p. 1832-1835, 1999.

Dantas, T. V. P. et al. Caracterização florística. In: Sergipe. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Org.). Estudo técnico para a criação do Refúgio de Vida Silvestre da Mata do Junco, Capela, Sergipe. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, 2007.

Dantas, T. V. P. & Ribeiro, A. S. Caracterização da vegetação do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe, Brasil. Biotemas, v. 23, n. 4, p. 9-18, 2010. DOI: 10.5007/2175-7925.2010v23n4p9.

Fernandes, P. A. M. et al. Using fuel and weather variables to predict the sustainability of surface fire spread in maritime pine stands. Canadian Journal of Forest Research, v. 38, n. 2, p. 190-201, 2008. DOI: 10.1139/X07-159.

Fernandes, P. A. M. & Loureiro, C. Fine fuels consumption and CO2 emissions from surface fire experiments in maritime pine stands in northern Portugal. Forest Ecology and Management, v. 291, p. 344-356, 2013. DOI: 10.1016/j.foreco.2012.11.037.

Finney, M. A. FARSITE: fire area simulator: model development and evaluation. Ogden, UT: USDA Forest Service, 2004. (Research Paper RMRS-RP-4 Revised).

Hély, C. et al. Regional fuel load for two climatically contrasting years in southern Africa. Journal of Geophysical Research, v. 108, n. D13, p. 1-17, 2003. DOI: 10.1029/2002JD002341.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro, 2012.

Liu, Y. et al. Trends in global wildfire potential in a changing climate. Forest Ecology and management, v. 259, n. 4, p. 685-697, 2010. DOI: 10.1016/j.foreco.2009.09.002.

Malta, J. A. O. et al. A contraditória relação sociedade-natureza em espaços territoriais protegidos – Mata do Junco, Capela/SE. Geografia em Questão, v. 4, n. 1, p. 126-152, 2011.

Mataix-Solera, J. et al. Fire effects on soil aggregation: a review. Earth-Science Reviews, v. 109, n. 1-2, p. 44-60, 2011. DOI: 10.1016/j.earscirev.2011.08.002.

Melo, L. A. M. N. et al. Modelagem de combustíveis florestais no Parque Nacional do Iguaçu, PR, Brasil. Floresta, v. 36, n. 3, 2006. DOI: 10.5380/rf.v36i3.7520.

Moreno, M. R. et al. Estrutura e composição florística do estrato arbóreo em duas zonas altitudinais na Mata Atlântica de encosta da região do Imbé, RJ. Acta Botânica Brasílica, v. 17, n. 3, p. 371-386, 2003. DOI: 10.1590/S0102-33062003000300005.

Moretti, M. & Legg, C. Combining plant and animal traits to assess community functional responses to disturbance. Ecography, v. 32, n. 2, p. 299-309, 2009. DOI: 10.1111/j.1600-0587.2008.05524.x.

Ribeiro, G. A. A queima controlada no manejo da terra. In: Soares, R. V. et al. (Ed.). Incêndios florestais no Brasil: o estado da arte. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2009.

Rosenberg, N. J. et al. Microclimate: the biological environment. New York: John Wiley & Sons, 1983.

Rothermel, R. C. A mathematical model for predicting fire spread in wildland fuels. Ogden, UT: USDA Forest Service, 1972. (Research paper INT-115).

Santos, J. C. H. et al. Quantificação de material combustível na serapilheira de plantio de Tectona Grandis Linn.F. Scientific Electronic Archives, v. 10, n. 2, p. 68-72, 2017.

Santos, M. J. S. et al. Biomonitoramento através de indicadores ambientais abióticos - Mata do Junco (Capela-SE). Scientia Plena, v. 3, n. 5, p. 142-151, 2007.

Santos, S. C. et al. Regeneração de espécies arbóreas sob a influência de Merostachys multiramea Hack. (Poaceae) em uma floresta subtropical. Acta Botânica Brasílica, v. 26, n. 1, p. 218-229, 2012. DOI: 10.1590/S0102-33062012000100021.

Schroeder, M. J. & Buck, C. C. Fire weather: a guide for application of meteorological information to forest fire control operations. Ogden, UT: USDA Forest Service, 1970. (Agriculture Handbook 360).

Soares, R. V. & Batista, A. C. Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2007.

Souto, P. C. et al. Quantificação do material combustível em plantios florestais e em remanescente de mata atlântica no brejo da Paraíba, Brasil. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, v. 6, n. 3, p. 473-481, 2009.

Souza, H. T. R. Conservação ambiental de remanescente florestal: Mata do Junco em questão. São Cristovão: EDUFS, 2014.

Souza, L. J. B. et al. Modelagem de material combustível em plantações de Pinnus taeda no norte de Santa Catarina. Floresta, v. 33, n. 2, p. 157-168, 2003a. DOI: 10.5380/rf.v33i2.2355.

Souza L. J. B. et al. Modelagem do material combustível superficial em povoamentos de Eucalyptus dunnii, em Três Barras, SC. Cerne, v. 9, n. 2, p. 231-245, 2003b.

Torres, F. T. P. et al. Correlações entre elementos meteorológicos e as ocorrências de incêndios florestais na área urbana de Juiz de Fora, MG. Revista Ávore, v. 35, n. 1, p. 143-150, 2011. DOI: 10.1590/S0100-67622011000100017.

Ziller, S. R. Espécies exóticas da flora invasoras em Unidades de Conservação. In: Campos et al. (Eds) Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. Curitiba: Instituto Ambiental do Paraná, 2006. p. 34-52.

White, B. L. A. Modelos matemáticos de previsão do teor de umidade dos materiais combustíveis florestais finos e mortos. Ciência Florestal, v. 28, n. 1, p. 432-445, 2018. DOI: 10.5902/1980509831622.

White, B. L. A. et al. Avaliação e simulação do comportamento do fogo em diferentes fitofisionomias de uma área de Mata Atlântica do nordeste brasileiro. Floresta, v. 47, n. 3, p. 247-256, 2017. DOI: 10.5380/rf.v47i3.50844.

White, B. L. A. et al. Building fuel models and simulating their surface fire behavior in the “Serra de Itabaiana” National Park, Sergipe, Brazil. Floresta, v. 43, n. 1, p. 27-38, 2013a. DOI: 10.5380/rf.v43i1.28034.

White, B. L. A. et al. Caracterização do material combustível e simulação do comportamento do fogo em eucaliptais no litoral norte da Bahia, Brasil. Floresta, v. 44, n. 1, p. 33-42, 2014a. DOI: 10.5380/rf.v44i1.32977.

White, B. L. A. et al. Caracterização do material combustível superficial do Parque Nacional Serra de Itabaiana – Sergipe, Brasil. Ciência Florestal, v. 24, n. 3, p. 699-706, 2014b. DOI: 10.5902/1980509815727.

White, B. L. A. et al. Development of a fire danger index for Eucalypt plantations in the northern coast of Bahia, Brazil. Floresta, v. 43, n. 4, p. 601-610, 2013b. DOI: 10.5380/rf.v43i4.30973.

White, B. L. A. et al. O uso do BehavePlus como ferramenta para modelagem do comportamento e feito do fogo. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 33, n. 73, p. 73-84, 2013c. DOI: 10.4336/2013.pfb.33.73.409.

White, B. L. A. & Silva, M. F. A. Avaliação das condições microclimáticas no interior de fragmentos de Mata Atlântica em distintos graus de conservação no município de São Cristóvão, Sergipe. In: Seabra, G. (Org.). Educação ambiental & biogeografia. Ituiutaba: Barlavento, 2016. p. 571-578.




DOI: https://doi.org/10.4336/2018.pfb.38e201701449



Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional