Critérios alternativos para alcançar o manejo sustentável de Mezilaurus itauba na Amazônia brasileira

Evaldo Muñoz Braz, Aline Canetti, Patricia Povoa Mattos, Renato Olivir Basso, Afonso Figueiredo Filho

Resumo


Os objetivos deste trabalho foram avaliar os parâmetros da legislação brasileira para o manejo de florestas tropicais quanto à recuperação da floresta e propor critérios alternativos para alcançar sua sustentabilidade, utilizando Mezilaurus itauba (Meisn.) Taub. ex Mez como caso de estudo. A estrutura diamétrica foi obtida de inventário 100% em um talhão de 500 ha. Os dados de crescimento, recrutamento e mortalidade de M. itauba foram adquiridos de 2 parcelas de 50 ha instaladas no talhão, em que todas as espécies comerciais foram medidas antes e após 7 anos da exploração. Foram avaliadas previamente a estrutura da espécie e sua classe diamétrica mais produtiva em volume. Posteriormente, foi simulada a recuperação em volume para os diâmetros limite de corte (DLC) de 50, 60, 70 e 80 cm. A maior produção ocorreu com DLC de 60 cm. O trabalho evidenciou que existe um limite diamétrico para a produção líquida de volume de madeira e que distintas estruturas remanescentes produzem incrementos diferentes.

Palavras-chave


Diâmetro mínimo de corte; Estrutura florestal; Floresta tropical

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Alder, D. Growth modelling for mixed tropical forests. Oxford: Oxford Forestry Institute, University of Oxford, 1995. 231 p.

Alder, D. Simple methods for calculating minimum diameter and sustainable yield in mixed tropical Forest. In: Miller, F. R. & Adam, K. L. (Ed). Wise management of tropical forests. Oxford: Oxford Forest Institute, 1992. p. 189–200

Alvares, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: 10.1127/0941-2948/2013/0507.

Assmann, E. Principles of forest yield study. New York: Pergamon Press, 1970. 506 p.

Azevedo, C. P. et al. Simulação de estratégias de manejo florestal na Amazônia com o uso do modelo SYMFOR. Acta Amazônica, v. 38, n. 1, p. 51-70, 2008. DOI: 10.1590/S0044-59672008000100007.

Bettinger, P. et al. Forest management and planning. Press, New York: Academic, 2009. 331 p.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Instrução normativa nº. 05 de 11 de dezembro de 2006. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 238, p. 155-9, 13 dez. 2006.

Braz, E. M. et al. Otimização da distribuição diamétrica remanescente da espécie Cedrela odorata no estado do Acre, visando o novo ciclo. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO SOBRE MANEJO FLORESTAL, 5., 2011, Santa Maria, RS. Sustentabilidade florestal: [anais]. Santa Maria, RS: UFSM, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, 2011. p. 183-193.

Braz, E. M. et al. Strategies for achieving sustainable logging rate in the Brazilian Amazon Forest. Open Journal of Forestry, v, 4, n. 2, p. 100-105, 2015. DOI: 10.4236/ojf.2014.42015.

Braz, E. M. et al. Taxa de corte sustentável para manejo de florestas tropicais. Ciência Florestal, v. 22, n. 1, p. 137-145, 2012a. DOI: 10.5902/198050985086.

Braz, E. M. Subsídios para o planejamento do manejo de florestas tropicais da Amazônia. 2010. 236 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

Braz, E. M. et al. Manejo da estrutura diamétrica remanescente de florestas tropicais. Ciência Florestal, v. 22, n. 4, p. 787-794, 2012b. DOI: 10.5902/198050987559.

Brienen, R. J. W. & Zuidema, P. A. Incorporating persistent tree growth differences increases estimates of tropical timber yield. Frontiers in ecology and the environment, v. 5, n. 6, p. 302–306, 2007. DOI: 10.1890/1540-9295(2007)5[302:RCPTGD]2.0.CO;2.

Brienen, R. J. W. & Zuidema, P. A. Lifetime growth patterns and ages of Bolivian rain forest trees obtained by tree ring analysis. Journal of Ecology, v. 94, n. 1, p. 481–493, 2005. DOI: 10.1111/j.1365-2745.2005.01080.x.

Davis, L. S. & Johnson, K. N. Forest management. 3rd. ed. New York: McGraw-Hill, 1987. 790 p.

Castro, T. C. & Carvalho, J. O. P. Dinâmica da população de Manilkara huberi (Ducke) A. Chev. durante 26 anos após a exploração florestal em uma área de terra firme na Amazônia brasileira. Ciência Florestal, v. 24, n. 1, 2014. DOI: 10.5902/1980509813333.

Davis, L. S. & Johnson, K. N. Forest management. 3rd ed. New York: McGraw-Hill, 1987. 790 p.

Dawkins, H. C. & Philip, M. S. Tropical moist forest silviculture and management: a history of success and failure. Wallingford: Cab International, 1998. 359 p.

Dawkins, H. C. The management of the natural tropical high forest with special reference to Uganda. Oxford: Imperial Forestry Institute, University of Oxford, 1958. 155 p. (Institute paper, 34).

Ebert, A. et al. Spatial distribution pattern of Mezilaurus itauba (Meins.) Taub. Ex mez. in a seasonal forest area of the southern Amazon, Brazil. iForest-Biogeosciences and Forestry, v. 9, n. 3, p. 497, 2016.

Espírito-Santo, F. D. B., et al. Análise da composição florística e fitossociológica da floresta nacional do Tapajós com o apoio geográfico de imagens de satélites. Acta Amazônica, v. 35, n. 2, p. 155-173, 2005. DOI: 10.1590/S0044-59672005000200006.

Hossain, M. A. et al. Composition and diversity of tree species in kamalachari natural forest of chittagong south forest Division, Bangladesh. Journal of Forest and Environmental Science, v. 31, n. 3, p. 192-201, 2015.

Hummel, A. C. et al. A atividade madeireira na Amazônia brasileira: produção, receita e mercados. Belém: Serviço Florestal Brasileiro e Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, 2010. 32 p.

Lacerda, A. E. B et al. Modeling the long-term impacts of logging on genetic diversity and demography of Hymenaea courbaril. Forest Science, v. 59, n. 1, p. 15-26, 2013. DOI: 10.5849/forsci.10-118.

Lanssanova, L. R. Ajuste de funções de afilamento para espécies florestais comerciais do bioma Amazônico Matogrossense. 2012. 165 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

Mainieri, C. & Chimelo J. P. Fichas de características de madeiras brasileiras. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 1978. 418 p.

Odum, E. P. (Ed.). Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1983. 434 p.

Oliveira, M. F. Critérios para o manejo sustentável de duas espécies madeireiras das florestas naturais do Mato Grosso. 2014. 114 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Oliveira, M. F et al. Padrão de crescimento e diâmetro ótimo de corte de cambará no município de Santa Carmem, microrregião de Sinop, MT. Colombo: Embrapa Florestas, 2015a. (Embrapa Florestas. Comunicado técnico, 364).

Oliveira, M. F. et al. Padrão de crescimento e diâmetro ótimo de corte de cupiúba na microrregião de Sinop, MT. Colombo: Embrapa Florestas, 2015b. 5 p. (Embrapa Florestas. Comunicado técnico, 369).

Orellana, E. & Figueiredo Filho, A. Uso do método da predição de parâmetros para projetar a distribuição diamétrica em florestas nativas com a função Weibull. Ciência Florestal, v. 27, n. 3, 2017. DOI: 10.5902/1980509828670.

Osmaston, F. C. The management of forests. Londres: George Allen and Unwin, 1968. 384 p.

Pulz, F. A. Estudo da dinâmica e a modelagem da estrutura diamétrica de uma floresta semidecídua montana na região de Lavras - MG. 1998. 165 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Putz, F. E. et al. Sustaining conservation values in selectively logged tropical forests: the attained and the attainable. Conservation Letters, v. 5, n. 1, p. 296–303, 2012. DOI: 10.1111/j.1755-263X.2012.00242.x.

Reis, L. P. et al. Efeito da exploração de impacto reduzido em algumas espécies de Sapotaceae no leste da Amazônia. Floresta, v. 43, n. 3, p. 395-406, 2013. DOI: 10.5380/rf.v43i3.30808.

Ribas, H. E. R. Padrão de crescimento de amescla em Santa Carmem, MT. Colombo: Embrapa Florestas, 2017. 7 p. (Embrapa Florestas. Comunicado técnico, 406).

Ribeiro, E. S. et al. Espécies florestais comercializadas pelo estado de Mato Grosso. Biodiversidade, v. 15, n. 02, 2016.

Ruschel, A. R. Dinâmica da composição florística e do crescimento de uma floresta explorada há 18 anos na flona Tapajós, PA. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2008. 57 p. (Embrapa Amazônia Oriental. Documentos, 341).

Salomão, R. P. et al. Dinâmica de reflorestamento em áreas de restauração após mineração em unidade de conservação na Amazônia. Revista Árvore, v. 38, n. 1, p. 1-24, 2014. DOI: 10.1590/S0100-67622014000100001.

Schneider, P. R. & Finger, C. A. G. Manejo sustentado de florestas inequiâneas heterogêneas. Santa Maria, RS: Departamento de Ciências Florestais, Universidade Federal de Santa Maria, 2010. 195 p.

Schongart, J. Growth-Oriented Logging (GOL): a new concept towards sustainable forest management in Central Amazonian varzea floodplains. Forest Ecology and Management, v. 256, n. 1-2, p. 46–58, 2008. DOI: 10.1016/j.foreco.2008.03.037.

Schulze, M. et al. How rare is too rare to harvest?: management challenges posed by timber species occurring at low densities in the Brazilian Amazon. Forest Ecology and Management, v. 256, n. 7, p. 1443-1457, 2008. DOI: 10.1016/j.foreco.2008.02.051.

Sebbenn, A. et al. Modelling the long-term impacts of selective logging on genetic diversity and demographic structure of four tropical tree species in the Amazon forest. Forest Ecology and Management, v. 254, n. 1, p. 335-339, 2008. DOI: 10.1016/j.foreco.2007.08.009.

Sist, P. & Fereira. F. N. Sustainability of reduced-impact logging in the Eastern Amazon. Forest Ecology and Management, v. 243, n. 1, p. 199-209, 2007. DOI: 10.1016/j.foreco.2007.02.014.

Townsend, C. R. et al. Fundamentos em ecologia. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. 576 p.

Van Gardingen, P. R. et al. Evaluation of yield regulation options for primary forest in Tapajo´s National Forest, Brazil. Forest Ecology and Management, v. 231, n. 1, p. 184–195, 2006. DOI: 10.1016/j.foreco.2006.05.047.

Zimmerman, B. L. & Kormos, C. F. Prospects for sustainable logging in tropical forests. BioScience, v. 62, n. 5, p. 479–487, 2012. DOI:10.1525/bio.2012.62.5.




DOI: https://doi.org/10.4336/2018.pfb.38e201801648



Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional