Caracterização de Danos de Gryllus sp. em Plantas de Eucalipto, em Laboratório

Leonardo Rodrigues Barbosa, Edson Tadeu Iede, Franciele Santos

Resumo


Objetivou-se caracterizar os danos de Gryllus sp. em plantas de E. grandis, em laboratório. Avaliaram-se três grupos de plantas: grupo 1 – com 7 dias e 2,5 mm de diâmetro médio; grupo 2 – com 49 dias e 3,3 mm de diâmetro e grupo 3 –com 80 dias e 5,7 mm de diâmetro. Utilizaram-se para cada grupo 12 plantas individualizadas em gaiolas com um casal de grilos, por 15 dias. Avaliaram-se diariamente a ausência de danos, sinais de mastigação superficiais, sinais de mastigação profundos e corte do caule. O diâmetro e a idade das mudas afetaram a manifestação e intensidade dos danos de grilos nas plantas.

 

Doi: 10.4336/2009.pfb.59.63


Palavras-chave


Grilos; Eucalyptus; insecta; pragas iniciais

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2010

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional