Análise multitemporal de parte da Reserva do Alto Rio Guamá, Paragominas, PA

Rodrigo Soares da Silva, Carlinny Oliveira Barbosa, Fábio Gomes Monteiro, Denison Lima Correa, Adriano da Silva Gomes

Resumo


O objetivo dessa pesquisa foi verificar mudanças na cobertura vegetal de parte da Reserva do Alto Rio Guamá em Paragominas, PA, por meio de índices de vegetação, visando elaborar um panorama multitemporal da degradação ambiental. As imagens foram obtidas da base do INPE e a aquisição de bases vetoriais na base do IBGE. O processamento de imagens foi realizado com o programa ENVI 4.7, onde se utilizou as bandas R5, G4 e B3 para as imagens de 1991 e 2010 e as bandas 6R, 5G e 4B para a imagem de 2016. Foi realizada a reprojeção, recorte por máscara e retificação geométrica por pontos de controle. A classificação do índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI) considerou as classes água, sem vegetação, gramíneas, capoeira, floresta secundária e floresta densa, para gerar os índices por área (ha). No intervalo de aproximadamente 25 anos houve redução da cobertura florestal, possivelmente pela expansão de atividades agropecuárias e extração de madeira.


Palavras-chave


Índice de vegetação; Imagens de satélite; Conservação da natureza

Texto completo:

PDF

Referências


Arima, E. Y. et al. Fire in the Brazilian amazon: a spatially explicit model for policy impact analysis. Journal of Regional Science, v. 47, p. 541–567, 2007.

Azevedo, E. C. de & Mangabeira, J. A. de C. Mapeamento de uso das terras utilizando processamento digital de imagem de sensoriamento remoto. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2001. 16 p. (Embrapa Monitoramento por Satélite. Comunicado técnico, 6).

Barbosa, L. G. & Dorigon, L. P. Análise temporal da cobertura vegetal no município de Teresina/PI a partir da aplicação de NDVI. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA, 26.; CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOPROCESSAMENTO, 5.; ESPOSICARTA, 25., 2014. Gramado. Mapas conectando o Brasil e a América do Sul: anais. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Cartografia, Geodésia, Fotogrametria e Sensoriamento Remoto, 2014. Disponível em: < http://www.cartografia.org.br >. Acesso em: 20 mar. 2018.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília, DF: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016. 496 p.

Brasil. Resolução CONAMA nº 28, de 7 de dezembro de 1994. Definição da vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado. Disponível em: . Acesso em: 20 de jul. de 2018.

Brígida, M. R. S. S. Sistema de produção agrícola familiar do posto indígena Alto Rio Guamá-Povo Tembé. Revista Agricultura Familiar: Pesquisa, Formação e Desenvolvimento, v. 4, n. 4, p. 231-258, 2004.

Fearnside, P. M. Mudanças climáticas e conservação na Amazônia Brasileira. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 59.; REUNIÃO NORDESTINA DE BOTÂNICA, 31.; CONGRESSO LATINO AMERICANO Y DEL CARIBE DE CACTÁCEAS Y OTRAS SUCULENTAS, 4.; CONGRESS OF INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR SUCULENT PLANT STUDY, 30., 2008, Natal. Atualidades, desafios e perspectivas da botânica no Brasil: anais. Natal: UFERSA: UFRN: SBB, 2008. p. 247-150.

Henry, G. G. S. A Importância das Unidades de Conservação na preservação da diversidade biológica. Revista LOGOS, n. 12, 2005.

Hentz, A. M. K. et al. Técnicas de sensoriamento remoto para estimativa de Biomassa em ambientes florestais. Enciclopédia Biosfera, v.10, n. 18, p. 2810-2823, 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Disponível em: < http://www.inpe.br/ >. Acesso em: 11 jul. 2018.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Coordenação Geral de Observação da Terra. Monitoramento da cobertura florestal da Amazônia por satélites sistemas Prodes, Deter, Degrad e Queimadas 2007-2008. São José dos Campos, 2008. Disponível em: Acesso em: 28 ago. 2018.

Markham, B. L. & Barker, J. L. Landsat MSS and TM post-calibration dynamic ranges, exoatmosphericreflectances and at-satellite temperatures. [S.l.]: NASA/Goddard Space Flight Center Greenbelt, 1987. (MD, 20771).

Moreira, R. C. Influência do posicionamento e da largura de bandas de sensores remotos e dos efeitos atmosféricos na determinação de índices de vegetação. 2000. 181 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos.

Moreira, M. A. Fundamentos de sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. 2. ed.Viçosa: UFV, 2003. 307 p.

Nunes, T. do S. S. A efetividade das Unidades de Conservação e das Terras Indígenas na contenção do desflorestamento na Amazônia Legal. 2010. 77 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal do Pará, Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém.

Olivato, D. & Gallo Junior, H. Unidades de conservação: conservando a vida, os bens e os serviços ambientais. São Paulo, 2008.

Peres, C. A. et al. Biodiversity conservation in human-modified Amazonian forest landscapes. Biological Conservation, n. 143, p. 2314–2327, 2010.

Pinhati, F. C. Geoprocessamento aplicado à avaliação de pastagens em terras Indígenas: o caso da Terra Indígena Badjônkôre. Revista de Estudos e Pesquisas, v. 2, n. 2, p. 145-170, 2005.

Ponzoni, F. J. & Shimabukuro Y. E. Sensoriamento remoto no estudo da vegetação. São José dos Campos: Parêntese, 2007.

Ponzoni, F. J. & Shimabukuro, Y. E. Sensoriamento remoto no estudo da vegetação. São José dos Campos: Parêntese, 2009.

Projeto diagnóstico e ordenamento ambiental das terras indígenas da Amazônia Legal. Prodial. Sub-projeto Alto Rio Guamá. Brasília, DF: Funai/Sudam, 2000.115 p. Relatório final.

Rouse, J. W. et al. Monitoring vegetation systems in the Great Plains with ERTS. In: EARTH RESOURCES TECHNOLOGY SATELLITE SYMPOSIUM, 3., 1973, Washington. Proceedings. Washington: NASA, 1974. p. 309-317.

Sales, N. P. Pressão e resistência: os índios Tembé-Tenetehara do Alto Rio Guamá e a relação com território. Belém, UNAMA, 1999. 89 p.

Salles, A. T et al. Monitoramento da cobertura vegetal nas reservas indígenas Guarani/Kaiowá, através de técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, IX, 1998, Santos. Anais... Santos: INPE, 1998. p.189-200.

Santos Junior, V. J. dos & Fernandes, F. H. S. Uso do geoprocessamento no monitoramento da cobertura vegetal da Terra Indígena dos Xakriabá, no Norte do estado de Minas Gerais. Anais…, 2014. Rio de Janeiro.Porto Alegre: Editora Letra1; Rio de Janeiro: REBRAGEO, 2014, p. 484-493.

Silva Neto, B. Perda da vegetação natural na Chapada do Araripe (1975/2007) no estado do Ceará. 2013. 186 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP.

Soares Filho, B. et al. Role of Brazilian Amazon protected areas in climate change mitigation. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 107, n. 24, p. 1-6, 2010. DOI: 10.1073/pnas.0913048107.

Soares, S. C. & Mota, A. L. T. S. da. Diminuição das florestas naturais no mundo. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 6., 2010, Niterói. Anais... Rio de Janeiro, 2010.

Tundisi, J. G. & Matsumura-Tundisi, T. M. Impactos potenciais das alterações do Código Florestal nos recursos hídricos. Biota Neotropical, v. 10, n. 4, p. 67-76, 2010.

United States Geological Survey. Disponível em: < https://www.usgs.gov/>. Acesso em: 11 jul. 2018.

Vieira, C. H. N. et al. Spatial and temporal land use and land cover of the Upper Jardim River Basin, Distrito Federal, Brazil. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 11, n. 1, p. 85-98, 2018.




DOI: https://doi.org/10.4336/2019.pfb.39e201801712



Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional