Florística e estrutura vegetal em áreas de Caatinga sob diferentes sistemas de manejo

Maria Ivanilda de Aguiar, Jamili Silva Fialho, Mônica Matoso Campanha, Teógenes Senna Oliveira

Resumo


Objetivou-se analisar a composição florística e caracterizar a estrutura da vegetação em áreas sob dois sistemas agroflorestais (AGP e SILV), em plantio tradicional (TRAD0), em pousios de seis (TRAD6) e nove (TRAD9) anos e em Caatinga conservada (MATA). Adotou-se o método de parcelas, sendo determinadas densidades e frequências absolutas de todas as espécies e distribuição diamétrica dos indivíduos arbóreos/arbustivos. Observou-se que, no estrato herbáceo, as espécies com maior frequência e densidade foram Alternanthera ficoidea em AGP, Amaranthus em SILV e TRAD0 e Commelina virginica em AGP, TRAD6, TRAD9 e MATA. No estrato arbóreo/arbustivo, as espécies com maior densidade e frequência foram Cordia oncocalyx em AGP, MATA e SILV e Mimosa caesalpiniifolia e Croton blachetianus em TRAD6 e TRAD9, respectivamente. SILV apresentou menor número de espécies arbóreas e maior número de espécies herbáceas, em relação à MATA e às áreas em pousio. Nas áreas em pousio por seis e nove anos ocorreu recuperação da vegetação quanto à composição florística, porém observou-se mais indivíduos com menores diâmetros, quando comparado à MATA.

Palavras-chave


Agrosilvicultura; Floresta seca; Sistemas de cultivo

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, M. I. et al. Sediment, nutrient and water losses by water erosion under agroforestry systems in the semi-arid region in northeastern Brazil. Agroforest Systems, v. 79, n. 3, p. 277-289, 2010. http://dx.doi.org/10.1007/s10457-010-9310-2.

Albuquerque, U. P. et al. Medicinal and magic plants from a public market in Notheastern Brazil. Journal Ethnopharmacology, v. 110, n. 1, p. 76-91, 2007. http://dx.doi.org/10.1016/j.jep.2006.09.010.

Almeida, M. V. R. et al. Biodiversidade em sistemas agroecológicos no município de Choró, CE, Brasil. Ciência Rural, v. 39, n. 4, p. 1080-1087, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782009005000047.

Alves, J. J. A. et al. Degradação da Caatinga: uma investigação ecogeográfica. Revista Caatinga, v. 22, n. 3, p. 126-135, 2009.

Andrade, M. V. M. et al. Levantamento florístico e estrutura fitossociológica do estrato herbáceo e subarbustivo em áreas de caatinga no Cariri paraibano. Revista Caatinga, v. 22, n. 1, p. 229-237, 2009.

APG. The Angiosperm Phylogeny Group. An update of the Angiosperm phylogeny group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, p. 105-121, 2009. http://dx.doi.org/10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x.

Anglaaere, L. C. N. et al. The effect of land use systems on tree diversity: farmer preference and species composition of cocoa-based agroecosystems in Ghana. Agroforest Systems, v. 81, n. 3, p. 249–265, 2011. https://doi.org/10.1007/s10457-010-9366-z.

Araújo Filho, J. A. Manejo pastoril sustentável da caatinga. Recife: Projeto Dom Helder Câmara, 2013. 200 p.

Bhagwat, S. A. et al. Agroforestry: a refuge for tropical biodiversity? Trends in Ecology and Evolution, v. 23, n. 5, p. 261-267, 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.tree.2008.01.005.

Campanha, M. M. et al. Estrutura da comunidade vegetal arbóreo-arbustiva de um sistemas agroflorestal, em Sobral-CE. Revista Caatinga, v. 24, n. 3, p. 94-101, 2011.

Cavalcanti, A. D. C. et al. Mudanças florísticas e estruturais, após cinco anos, em uma comunidade de caatinga no estado de Pernanbuco, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v 23, n. 4, p. 1210-1212, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062009000400032.

Dionisio, L. F. S. et al. Fitossociologia em sistemas agroflorestais com diferentes idades de implantação no município de Medicilândia, PA. Revista Agro@mbiente On-line, v. 11, n. 1, p. 71-81, 2017. DOI: 10.18227/1982-8470ragro.v11i1.3402.

Fensham, R. J. et al., Vegetation responses to the first 20 years of cattle grazing in an Australian desert. Ecology, v. 91, n. 3, p. 681–692, 2010. https://doi.org/10.1890/08-2356.1.

Gotelli, N. J. Ecologia. Londrina: Planta, 2007.

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil básico municipal: Sobral. Fortaleza, 2017. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2018.

IPNI. The International Plant Names Index. Avaliable from: . Access on: 14 mar. 2019.

Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Flora do Brasil 2020 em construção. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2019.

Mamede, M. A & Araujo, F. S. Effects of slash and burn practices on a soil seed bank of caatinga in Northeastern Brazil. Journal of Arid Environments, v. 72, n. 4, p. 458-470, 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.jaridenv.2007.07.014.

Milchunas, D. G. & Lauenroth, W. K. Quantitative effects of grazing on vegetation and soils over a global range of environments. Ecological Monographs, v. 63, n. 4, p. 327–366, 1993. http://dx.doi.org/10.2307/2937150.

Missouri Botanical Garden. Tropicos.org. Disponível em: . Acesso em: 14 Mar. 2019

Pereira Filho, J. M. et al. Disponibilidade de fitomassa do estrato herbáceo de uma caatinga raleada submetida ao pastejo alternado de ovino-caprino. Livestok Research for Rural Development, v. 19, n. 1, 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2009.

Rodal, M. J. N. et al. Manual sobre métodos de estudos florísticos e fitossociológicos: ecossistema Caatinga. Brasília, DF: Sociedade Botânica do Brasil, 1992. 24 p.

Santana, J. A. S. & Souto, J. S. Diversidade e estrutura fitossociológica da Caatinga na estação ecológica do Seridó-RN. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 6, p. 232-242, 2006.

Santos, J. P. et al. Richness and distribution of useful woody plants in the semi-arid region of northeastern Brazil. Journal of Arid Environments, v. 72, n. 5, p. 652-663, 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.jaridenv.2007.08.004.

Souza, H. N. et al. Selection of native trees for intercropping with coffee in the Atlantic Coastal Rainforest biome. Agroforestry Systems, v. 80, n. 1, p. 1-16, 2010. https://doi.org/10.1007/s10457-010-9340-9.

Wood, S. A et al. Functional traits in agriculture: agrobiodiversity and ecosystem services. Trends in Ecology & Evolution, v. 30, n. 9, p. 531-539, 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.tree.2015.06.013.




DOI: https://doi.org/10.4336/2019.pfb.39e201801715



Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional