Equações de sortimentos para Tectona grandis na região centro–sul de Mato Grosso

Cyro Matheus Cometti Favalessa, Jaime Antônio Ubialli, Sidney Fernando Caldeira, Ronaldo Drescher, Fidel Cándano Acosta

Resumo


O objetivo desse estudo foi comparar a acurácia das estimativas dos volumes ao longo do fuste de Tectona grandis L.f propiciadas por ajustes de modelos polinomiais segmentados e não segmentados, para um povoamento na região Centro-Sul de Mato Grosso. Foram cubadas 114 árvores de Tectona grandis, pela metodologia de Hohenadl com 16 seções. Os modelos não segmentados testados foram o do quinto grau proposto por Schöepfer em 1966 e o de Haradetzky de 1976 e os modelos segmentados, foram o de Max e Burkhart de 1976 e de Clark et al. de 1991. A acuracia dos modelos foi avaliada pelo desvio, desvio padrão das diferenças, somatório de quadrado dos resíduos relativos e a porcentagem dos resíduos. A equação do quinto grau é a mais acurada na estimativa dos volumes ao longo dos fustes de Tectona grandis, e a equação de Max e Burkhart estima com acurácia os volumes da base dos fustes.


Palavras-chave


Teca; Classe diamétrica; Hohenadl; Afilamento

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4336/2012.pfb.32.72.389



Direitos autorais 2012

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional