Relação hipsométrica para candeia (Eremanthus erythropappus) com diferentes espaçamentos de plantio em Minas Gerais, Brasil

Autores

  • Emanuel José Gomes de Araújo Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais
  • Allan Libanio Pelissari Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais
  • Hassan Camil David Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais
  • José Roberto Soares Scolforo Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais
  • Sylvio Péllico Netto Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais
  • Vinícius Augusto Morais Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais

DOI:

https://doi.org/10.4336/2012.pfb.32.71.257

Palavras-chave:

Modelos hipsométricos, Relação altura/diâmetro, Identidade de modelos

Resumo

O objetivo deste estudo foi ajustar modelos tradicionais de relação hipsométrica para plantios homogêneos da espécie candeia, sob diferentes espaçamentos. Foram ajustados dez modelos de relação hipsométrica e o critério de avaliação obedeceu ao maior coeficiente de determinação ajustado e ao menor erro padrão da estimativa em porcentagem. Também foram avaliados o teste F, a significância dos coeficientes de regressão, a análise gráfica dos resíduos e o teste de identidade nos casos em que um mesmo modelo foi selecionado para diferentes tratamentos. Foi observado que, ao longo do tempo, a curva hipsométrica reduz a sua inclinação, desloca-se para a direita e sobe de patamar, com redução do intervalo entre elas a partir do sexto ano de avaliação. Os modelos tradicionais de relação hipsométrica de Henricksen, Stofells, Assman, Trorey e Curtis são os mais eficientes para estimar a altura total da espécie candeia, em plantios homogêneos e com diferentes espaçamentos iniciais, no estado de Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emanuel José Gomes de Araújo, Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais

Engenheiro Florestal Graduado pela Universidade Federal de Lavras (2008). No decorrer do curso atuou como bolsista de iniciação científica do CNPq, desenvolvendo o projeto “Um modelo Fitogeográfico Para uma Bacia Hidrográfica em Minas Gerais”. Entre 2004 e 2008 foi bolsista do projeto Mapeamento e Inventário da Flora Nativa e dos Reflorestamentos em Minas Gerais, financiado pelo Instituto Estadual de Florestas/IEF. Iniciou a carreira profissional em agosto de 2008 ministrando cursos de capacitação em Biometria, Inventário e Manejo Florestal para os técnicos em meio ambiente do Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais/IEF-MG. Nessa ocasião enfatizou a aplicação dos portais do Inventário Florestal e Zoneamento Ecológico Econômico de Minas Gerais e do Sistema de Inventário e Manejo Para Florestas nativas como suporte na auditoria de processos de supressão vegetal e monitoramento dos recursos florestais do estado. Esses treinamentos foram realizados em 35 municípios do estado mineiro com todo corpo técnico do IEF entre agosto e dezembro de 2008. No ano de 2009 atuou como auditor de planos de manejo da espécie Candeia (Eremanthus erythropappus) no estado de Minas Gerais, onde realizou visitas técnicas em áreas naturais submetidas ao manejo e elaborou diagnósticos sobre a sustentabilidade do manejo para a espécie. De 2010 a 2012 atuou como coordenador de equipe de estagiários inseridos no “Projeto Manejo Sustentável da Candeia”, sob coordenação do professor José Roberto Soares Scolforo, além de participar de projetos com o manejo de florestas plantadas e nativas desenvolvidos no Laboratório de Estudos e Projetos em manejo Florestal/LEMF/DCF/UFLA. Em 2012 conclui o Mestrado em Engenharia Florestal (Enfase em Manejo Florestal) pela Universidade Federal de Lavras com o tema da dissertação "Avaliação e Análise da Sustentbilidade de Planos de Manejo da Candeia (Eremanthus erythropappus)". Atualmente é aluno de Doutorado em Engenharia Florestal (Ingresso em 2012) pela Universidade Federal do Paraná, com previsão de término em fevereiro de 2014, onde desenvolve um sistema de amostragem para a regeneração natural da candeia. Concomitantemente, ministra palestras em escolas de ensino fundamental e médio no tema Meio Ambiente e Engenharia Florestal e participa de workshops, congressos e seminários como prelecionista de temas relacionados a espécie Eremanthus erythropappus.

Allan Libanio Pelissari, Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais

Possui graduação em Engenharia Florestal e mestrado em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Atualmente é doutorando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atua na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Manejo Florestal e Silvicultura de florestas plantadas, principalmente nos temas: Crescimento e produção; Práticas silviculturais; Geoestatística; Solos florestais; Teca; Eucalipto; e Pinus tropicais.

Hassan Camil David, Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais

Estudante de Engenharia Florestal, atualmente no 10º Período, pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Colaborador de pesquisas na área de Mensuração e Manejo Florestal. Atualmente estagiário em Desenvolvimento e Tecnologia em Silvicultura, pela empresa Fibria Celulose.

José Roberto Soares Scolforo, Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais

Possui graduação em Engenharia Florestal pela UFV (1977), mestrado em Ciências Florestal pela UFV (1980) e doutorado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1990). Iniciou sua carreira profissional em 1980 na Universidade Federal da Paraíba, onde além de professor/pesquisador foi Chefe do Departamento de Engenharia Florestal. Em 1983 transferiu-se para a Universidade Federal de Lavras onde, dentre outras funções administrativas, foi Chefe do Departamento de Ciências Florestais, Coord. do Programa de Pós-graduação stricto sensu em Engenharia Florestal, Coord. dos Cursos de Pós-graduação Latu sensu em Manejo de Florestas Plantadas e em Manejo de Florestas Nativas, Coord. do Núcleo de Inovação Tecnológica da UFLA NINTEC, membro do Comitê Executivo de Implantação do Parque Tecnológico do município de Lavras, Pró-Reitor de Pesquisa, Pró-reitor de Administração, Pró-reitor de Planejamento e Gestão e atualmente é o Vice- Reitor da Universidade Federal de Lavras. Atua como professor na graduação onde, preponderantemente, ministra ou ministrou as disciplinas de dendrometria, inventário florestal e manejo florestal. Na pós-graduação ministrou ou ministra Biometria Florestal, Teoria de Amostragem para fins Florestais, Técnicas de Regressão, Manejo de Florestas Plantadas, Manejo de Florestas Nativas e Pesquisa Operacional para fins Florestais. Orienta estudantes de Iniciação Científica, de Mestrado e Doutorado em Engenharia Florestal. É professor titular da Universidade Federal de Lavras em Biometria, Inventário e Manejo Florestal desde 1995 e Editor Chefe do periódico científico CERNE, o qual tem fator de impacto no JCR. Tem longa experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, é líder de grupo de pesquisa cadastrado no CNPq em Biometria, Inventário e Manejo de Florestas. Coordenou e coordena em florestas plantadas, inúmeros projetos sobre, modelos de crescimento e produção, manejo e inventário florestal para eucalipto e de pinus. Em florestas nativas é um dos precursores da pesquisa em manejo para usos múltiplos da vegetação do cerrado; atuou em grandes programas de pesquisa na região amazônica com destaque para o sistema integrado de controle de produtos florestais da Amazônia; coordenou o Inventário, mapeamento e monitoramento da Flora nativa e dos reflorestamentos no estado de Minas Gerais; coordenou o Zoneamento Ecológico do Estado de Minas Gerais e do Estado do Espírito Santo. Iniciou a pesquisa de manejo da Candeia que hoje se tornou uma realidade para várias empresas do país e para os agricultores do Estado de Minas Gerais, além de vários outros projetos relevantes no tema florestas nativas. É pesquisador em Produtividade de Pesquisa do CNPq nível 1A. Foi membro e coordenador da Câmara de Ciências Agrárias da FAPEMIG, membro do Conselho Assessor de Recursos Florestais do CNPq, membro da Câmara de Biodiversidade do Conselho de Política Ambiental do Estado de Minas Gerais, é componente do Comitê Assessor da Rede de Parcelas Permanentes para o Brasil, é membro do conselho do Instituto Terra, entre outras relevantes representações junto a outras instituições públicas. É autor de vários livros temáticos em Dendrometria, Inventário e Manejo Florestal além de vários outros com conotação multidisciplinar. Publicou mais de 730 trabalhos como artigos, livros, trabalhos em congresso e outros. Possui 4 softwares registrados junto ao INPI. Orientou e coorientou mais de 322 estudantes. Participou de mais de 270 eventos técnico-científicos. Foi ganhador de vários prêmios em nível estadual e nacional, destacando-se o Prêmio Frederico de Menezes Veiga da EMBRAPA, recebido em 2010, além do prêmio Mérito Universitário, outorgado pelo Conselho Universitário da UFLA no ano de 2008. Ainda foi homenageado, patrono ou paraninfo 22 vezes, dentre outras atividades comprovadas no Currículo Lattes do CNPq.

Sylvio Péllico Netto, Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciências Florestais

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1965), mestrado em Manejo Florestal - New York University (1968) e doutorado em Biometria e Inventário Florestal - Albert-Ludwigs-Universität Freiburg (1979). Atualmente é professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná e professor senior da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Dendrometria e Inventário Florestal, atuando principalmente nos seguintes temas: floresta natural, inventário florestal, ecologia florestal, amostragem e regeneração natural.

Vinícius Augusto Morais, Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais

Doutorando em Engenharia Florestal, sub-área Manejo Florestal, na Universidade Federal de Lavras. Mestre em Engenharia Florestal em 2012 pela UFLA.Graduado em Engenharia Florestal em 2009 na UFLA. Durante a graduação participou de vários projetos de extensão na UFLA, através da PROEC, com agricultores familiares, atividades de educação ambiental e foi integrante da equipe da UFLA participante do Projeto Rondon em 2008. Desenvolveu trabalhos na Comissão Permanente de Processo Seletivo da UFLA (COPESE) atuando como estagiário e auxiliar/monitor de supervisão nas atividades desenvolvidas pelo orgão de 2003 a 2010. Atualmente participa de projetos desenvolvidos no LEMAF/DCF/UFLA na área de manejo florestal de florestas plantadas e nativas. Destacando a participação no Projeto Candeia que hoje se tornou uma realidade para os produtores rurais de Minas Gerais. Atua como coordenador dos estagiários de iniciação científica de graduação em Engenharia Florestal vinculados ao Projeto de Quantificação dos Estoques de Carbono em Fragmentos de Cerrado Sensu Stricto de Minas Gerais, financiado pela FAPEMIG, tanto nos trabalhos de campo, laboratório e escritório. Além disso ministra palestras, organiza e participa de cursos e eventos ligados a área florestal.

Downloads

Publicado

2012-09-28

Como Citar

ARAÚJO, E. J. G. de; PELISSARI, A. L.; DAVID, H. C.; SCOLFORO, J. R. S.; NETTO, S. P.; MORAIS, V. A. Relação hipsométrica para candeia (Eremanthus erythropappus) com diferentes espaçamentos de plantio em Minas Gerais, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira, [S. l.], v. 32, n. 71, p. 257, 2012. DOI: 10.4336/2012.pfb.32.71.257. Disponível em: https://pfb.cnpf.embrapa.br/pfb/index.php/pfb/article/view/397. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.