Resistência de clones de Eucalyptus ao psilídeo-de-concha

Joelma Melissa Malherbe Camargo, Keti Maria Rocha Zanol, Dalva Luiz de Queiroz, Renato Antonio Dedececk, Edilson Batista Oliveira, Raul Cesar Nogueira Melido

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a resistência de clones comerciais de E. camaldulensis e E. urophylla ao ataque de Glycaspis brimblecombei Moore (Hemiptera: Aphalaridae). O experimento foi conduzido entre maio de 2007 e abril de 2008, em João Pinheiro, MG, com cinco clones de E. camaldulensis e cinco de E. urophylla. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, contendo 25 plantas por parcela, com quatro repetições. Mensalmente foram coletadas quatro folhas das nove plantas centrais de cada parcela, quantificando o número de ovos e ninfas do inseto. As maiores médias para ovos e ninfas foram observadas para os clones de E. camaldulensis, os quais foram classificados como altamente suscetíveis ao ataque do psilídeo-de-concha. Os clones de E. urophylla apresentaram menores médias para ovos e ninfas, sendo classificados como resistentes.


Palavras-chave


Eucalipto; Entomologia florestal; Glycaspis brimblecombei

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4336/2014.pfb.34.77.504



Direitos autorais 2014

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional