Teores de carbono orgânico de três espécies arbóreas em diferentes espaçamentos

Alexandre Behling, Carlos Roberto Sanquetta, Braulio Otomar Caron, Denise Schimidt, Elvis Felipe Elli, Ana Paula Dalla Corte

Resumo


Este trabalho teve como objetivo avaliar os teores de carbono orgânico dos compartimentos folha, madeira, galho e casca das espécies florestais Acacia mearnsii De Wild, Eucalyptus grandis Hill e Mimosa scabrella Benth submetidas a diferentes espaçamentos (2,0 x 1,0 m; 2,0 x 1,5 m; 3,0 x 1,0 m e 3,0 x 1,5 m), e verificar se o fator de conversão de 50% pode ser utilizado para o presente caso. Para determinação do carbono orgânico, utilizou-se um analisador de carbono (C-144). O teor de carbono apresentou variações em função da espécie, do espaçamento e do compartimento utilizado. Verificou-se que os fatores espécies, espaçamento e compartimento não são independentes. Portanto, as quantificações de carbono devem buscar a determinação do teor para cada espécie, bem como para cada componente da biomassa. O uso de fatores de conversão, como de 50%, não se mostrou apropriado devido à sub ou superestimativa do teor de carbono.


Palavras-chave


Espécies florestais; Biomassa; Densidades de plantio

Texto completo:

pdf


DOI: https://doi.org/10.4336/2014.pfb.34.77.562



Direitos autorais 2014

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional