A silvicultura e os recursos hídricos superficiais

Rafael Zoboli Guimarães, Mônica Lopes Gonçalves, Sandra Westrupp Medeiros

Resumo


Realizou-se um monitoramento da qualidade da água superficial em áreas de reflorestamento com
espécies de Pinus taeda e Pinus ellioti no Município de Joinville, Santa Catarina, Brasil, no período de setembro
de 2005 a julho de 2006. Fez-se a comparação entre os resultados obtidos no monitoramento em talhões de
diferentes idades de reflorestamento e comparou-se com áreas de mata nativa. Utilizaram-se no monitoramento
os parâmetros de temperatura, pH, oxigênio dissolvido (OD), demanda bioquímica de oxigênio (DBO), sólidos
dissolvidos totais, turbidez, e coliformes termotolerantes (CT). Os resultados mais significativos foram: aumento
médio de 0,4 unidades de pH, de 42 NMP/100mL de CT, comparando a qualidade da água na entrada e saída do
reflorestamento. Houve maior estabilidade na variação espacial e temporal do parâmetro pH nos reflorestamentos
mais velhos. Preliminarmente, esta pesquisa mostrou que a atividade de silvicultura não interfere de forma
considerável na qualidade das águas superficiais.

Palavras-chave


Rio Cubatão, silvicultura; qualidade da água; Pinus elliottii; Pinus taeda.

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2010

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional