Sazonalidade da umidade de equilíbrio da madeira para o Estado de Mato Grosso

Adilson Pacheco de Souza, Diego Martins Stangerlin, Rafael Rodolfo de Melo, Eduardo Morgan Uliana

Resumo


Por ser um material orgânico, heterogêneo e higroscópico, a madeira pode apresentar variações dimensionais e deformações decorrentes da interação com o ambiente. Em uso ou nos processos de secagem, quando são atingidos os equilíbrios entre a madeira e o ar atmosférico, têm-se a obtenção da umidade de equilíbrio da madeira (UEM). Em função da elevada importância dessa matéria-prima para o Estado de Mato Grosso, torna-se fundamental conhecer a sazonalidade de UEM. O presente trabalho objetivou estimar a UEM da madeira, pelo modelo de Simpson, para 30 municípios do Estado de Mato Grosso, distribuídos nas diferentes regiões de planejamento do Zoneamento Sócio-Econômico Ecológico do Estado. Os dados meteorológicos foram obtidos da Rede de Estações Meteorológicas Automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia, entre 2006 e 2012. A UEM foi estimada diariamente, com posterior obtenção das médias mensais. Na estação seca ocorreram variações da UEM entre 5,08 e 9,57% e no período chuvoso entre 8,58 e 13,49%. Nos meses de janeiro, fevereiro e março ocorrem os maiores valores de UEM no estado. As condições ambientais durante o período seco (julho a setembro) favorecem a secagem natural da madeira serrada, por condicionarem uma secagem mais rápida.

Palavras-chave


Climatologia; Secagem natural; Higroscópico

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, E. D. L. & Biudes, M. S. Padrões da temperatura do ar e da umidade relativa: estudo de caso no campus de Cuiabá da Universidade Federal de Mato Grosso. Boletim de Geografia, v. 30, n. 3, p. 5-16, 2013. DOI: 10.4025/bolgeogr.v30i3.13114.

Anjos, V. A. et al. Caracterização do processo de secagem da madeira nas serrarias do município de Sinop, Mato Grosso. Ciência da Madeira, v. 2, n. 1, p. 53-63, 2011. DOI: 10.12953/2177-6830.v02n01a05.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7190: projeto de estruturas de madeira. Rio de Janeiro, 1997. 107 p.

Baraúna, E. E. P. & Oliveira, V. S. Umidade de equilíbrio da madeira de Angelim vermelho (Dinizia excelsa Ducke), guariúba (Clarisia racemosa Ruiz & Pav.) e taurarí vermelho (Cariniana micrantha Ducke) em diferentes condições de temperatura e umidade relativa. Acta Amazonica, v. 39, n. 1, p. 91-96, 2009. DOI: 10.1590/S0044-59672009000100009.

Baronasa, R. et al. Modelling of moisture movement in wood during outdoor storage. Nonlinear analysis: modeling and control, v. 6, n. 2, p. 3-14, 2001.

Cassiano, C. et al. Sazonalidade e estimativas da umidade de equilíbrio de madeiras amazônicas em Sinop, Estado do Mato Grosso. Scientia Forestalis, v. 41, n. 100, p. 457-468, 2013.

Chen, Z. et al. Equilibrium moisture content of Norway spruce at low temperature. Wood and Fiber Science, v. 41, n. 3, p. 325-328, 2009.

Fioresi, T. et al. Umidade de equilíbrio da madeira na região Norte do Rio Grande do Sul em diferentes estações do ano. Ciência da Madeira, v. 5, n. 1, p. 34-41, 2014.

Galvão, A. P. M. Estimativas da umidade de equilíbrio da madeira em diferentes cidades do Brasil. IPEF, v. 11, n. 1, p. 53-65, 1975.

Hailwood, A. J. & Harrobin, S. Absorption of water by polymers: analysis in terms of a simple model. Transactions of the Faraday Society, v. 42b, p. 84-102, 1946.

Jankowsky, I. P. et al. Estimativas da umidade de equilíbrio para cidades da região Sul do Brasil. IPEF, v. 32, n. 1, p. 61-64, 1986.

Jankowsky, I. P. & Galvão, A. P. M. Influência do teor de extrativos na umidade de equilíbrio da madeira. IPEF, v. 8, n. 1, p. 1-33, 1979.

Kilic, A. & Niemz, P. Extractives in some tropical woods. European Journal of Wood and Wood Products, v. 70, n. 1, p. 79-83, 2012. DOI: 10.1007/s00107-010-0489-8

Kollmann, F. F. P. & Côte Junior, W. A. Principles of wood science and technology. New York: Springer - Verlag, 1968. 592 p.

Martins, V. A. et al. Umidade de equilíbrio e risco de apodrecimento da madeira em condições de serviço no Brasil. Brasil Florestal, v. 22, n. 76, p. 29-34, 2003.

Mato Grosso. Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Mato Grosso. Mapa síntese do zoneamento socioeconômico ecológico – ZSEE. 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2014.

Medeiros, R. M. et al. Variabilidade da umidade relativa do ar e da temperatura máxima na bacia hidrográfica do Rio Uruçuí Preto. Revista Educação Agrícola Superior, v. 28, n. 1, p. 44-50, 2013. DOI: 10.12722/0101-756X.v28n01a07.

Mendes, L. M. & Arce, J. E. Análise comparativa das equações utilizadas para estimar a umidade de equilíbrio da madeira. Cerne, v. 9, n. 2, p. 141-152, 2003.

Panshin, A. J. & De Zeeuw, C. Textbook of wood technology. 4 ed. New York: McGraw-Hill, 1980. 722 p.

Pérez-Peña, N. et al. Predicción del contenido de humedad de equilibrio de la madera em función del peso específico de la pared celular y variables ambientales. Maderas. Ciencia y Tecnología, v. 13, n. 3, p. 253-266, 2011. DOI: 10.4067/S0718-221X2011000300002.

Queiroz, A. T. & Costa, R. A. Caracterização e variabilidade climática em séries de temperatura, umidade relativa do ar e precipitação em Ituiutaba – MG. Caminhos de Geografia, v. 13, n. 43, p. 346-357, 2012.

Santos, R. B. et al. Planejamento da pulverização de fungicidas em função das variáveis meteorológicas na região de Sinop – MT. Global Science and Technology, v. 6, n. 1, p. 72-88, 2013. DOI: 10.14688/1984-3801.v06n01a07.

Silva, J. C. & Oliveira, J. T. S. Avaliação das propriedades higroscópicas da madeira de Eucalyptus saligna Sm., em diferentes condições de umidade relativa do ar. Revista Árvore, v. 27, n. 2, p. 233-239, 2003.

Simpson, W. T. Equilibrium moisture content prediction for wood. Forest Products Journal, v. 21, n. 5, p. 48-49, 1971.

Skaar, C. Water in wood. New York: Syracuse University Press, 1972. 218p.

Souza, A. P. et al. Classificação climática e balanço hídrico climatológico no estado de Mato Grosso. Nativa, v. 1, n. 1, p. 34-43, 2013. DOI: 10.1453/2318-7670.v01n01a07.

Streck, N. A. et al. Variabilidade interdecadal na série secular de temperatura do ar em Santa Maria, RS. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 46, n. 8, p. 781-790, 2011. DOI: 10.1590/S0100-204X2011000800001.

Varejão-Silva, M. A. Meteorologia e climatologia. Brasília, DF: INMET, 2006. 463 p.




DOI: https://doi.org/10.4336/2016.pfb.36.88.811



Direitos autorais 2016

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional