Morfologia do fruto, das sementes e dos estádios iniciais de desenvolvimento de Helicostylis tomentosa

Yêda Maria Boaventura Corrêa Arruda, Isolde Dorothea Kossmann Ferraz, Angela Maria da Silva Mendes

Resumo


Os objetivos deste estudo foram analisar as características morfológicas complexas dos frutos e diásporos de inharé, e fornecer subsídios para o reconhecimento da planta na fase inicial do desenvolvimento. As infrutescências apresentam, em média, 2,2 cm x 2,9 cm x 2,6 cm, com 4-10 frutos inseridos ao perianto carnoso. Os frutos, drupas monospérmicas, apresentam um pericarpo fino-gelatinoso, que contem um pirênio globoso, levemente achatado, marrom opaco e liso medindo 0,9 cm x 0,8 cm x 0,6 cm. A semente exalbuminosa possui tegumento membranoso; o embrião é axial total e as reservas encontram-se nos cotilédones crassos e isófilos. A germinação é tipo hipógea criptocotiledonar; com a retirada do endocarpo, a protrusão da raiz primária ocorre após 10 dias da semeadura e a plântula normal aos 30 dias está completamente formada. A plântula possui os primeiros eofilos com filotaxia alterno-espriralada, forma elíptica com base atenuada, ápice agudo a acuminado e margem denteada; o epicótilo é cilíndrico, com aproximadamente 1,0 cm de comprimento, e possui catafilos; o sistema radicular é bem desenvolvido, com muitas raízes secundárias. As plantas jovens, entre 50 cm a 115 cm de altura, apresentam similaridades morfológicas com o indivíduo adulto, principalmente no tocante ao caule e às folhas.

Palavras-chave


Plântulas; Germinação;Desenvolvimento da planta

Texto completo:

PDF

Referências


Adeney, J. M. et al. El látex como defensa anti‐herbívoros em la zona de extraccíon sustentable de Madereira Mil, Amazonia brasileña. In: Camargo & Machado (Ed.). Livro do curso de campo “Ecologia da Floresta Amazônica”. Manaus: PDBFF/INPA, 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2017.

Barroso, G. M. et al. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Vicosa, MG: Ed. da UFV, 1999. 443 p.

Berg, C. C. Moreae, Artocarpeae, and Dorstenia (Moraceae) with introductions to the family and ficus and with additions and corrections to Flora Neotropica Monograph 7. New York: New York Botanical Garden, 2001. 346 p. (Flora neotropica. Monograph, 83).

Berg, C. C. Moraceae. In: Görts-Van Rijn, A. R. A. (Ed). Flora of the Guianas. Koenigstein: Koeltz Scientific Books, 1992. p. 10-92. (Series A. Phanerogams, 11).

Berg, C. C. Olmedieae, Brosimeae (Moraceae). New York: Hafner, 1972. 228 p. (Flora neotropica. Monograph, 7).

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, DF, 2009. 395 p.

Camargo, J. L. C. et al. Guia de propágulos e plântulas da Amazônia. Manaus: Inpa, 2008. v. 1. 168 p.

Corner, E. J. H. The seeds of dicotyledons. Cambridge: Cambridge University Press, 1976. v. 1. 311 p.

Ferraz, I. D. K. et al. Efeito da temperatura na germinação de sementes florestais da Amazônia. In: Higuchi, N. et al. (Ed.). Pesquisas florestais para a conservação da floresta e reabilitação de áreas degradadas da Amazônia. Manaus: Inpa: JICA, 1998. p. 185-199.

Flora do Brasil 2020 em construção. Helicostylis. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, [2016]. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2016.

Font-Quer, P. Diccionario de botánica. 2 ed. Barcelona: Península, 2001. 1244 p.

Gogosz, A. M. et al. Morfoanatomia da plântula de Campomanesia xanthocarpa O. Berg. (Myrtaceae). Acta Botanica Brasilica, v. 24, n. 3, p. 613-623, 2010.

Hickey, M. & King, C. The Cambridge illustrated glossary of botanical terms. Cambridge: Cambridge University Press, 2000. 208 p.

Hong, T. D. et al. Compendium of information on seed storage behaviour. London: Royal Botanical Garden Kew, 1998. 2 v. 901 p.

Martin, A. C. The comparative internal morphology of seeds. The American Midland Naturalist, v. 36, n. 3, p. 513-660, 1946.

Mensbruge, G. de L. A. Étude morphologique dês plantules des principales essences forestières. In: Mensbruge, G. (Ed.). La germination et lês plantules des essences arborées de la forêt dense humide de la côte d’ivoire. Nogent-sur-Marne: CTFT, 1966. p. 97-342. (Publication du Centre technique forestier tropical, 26).

Paoli, A. A. S. & Bianconi, A. Caracterização morfológica de frutos, sementes e plântulas de Pseudima frutescens (Aubl.) Radlk. (Sapindaceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 2, p. 146-155, 2008.

Pennington, T. D. et al. Illustrated guide to the trees of Peru. Sherborne: D. Hunt, 2004. 848 p.

Ribeiro, J. E. L. da S. et al. Flora da reserva Ducke: guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. Manaus: INPA, 1999. 799 p.

Roosmalen, M. G. M. van. Fruits of the Guianan flora. Utrecht: Institute of Systematic Botany, 1985. 483 p.

Roth, I. Fruits of angiosperms. In: Linsbauer, K. (Ed.). Encyclopedia of Plant Anatomy, v. 10, n. 1, p. 33-101, 1977.

Souza, V. C. & Lorenzi, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005. 640 p.

Steege, H. T. et al. Ecology and logging in a tropical rain forest in Guyana. Wageningen: The Tropenbos Foundation, 1996. 123 p. (Tropenbos. Series, 14).

Steege, H. T. et al. Hyperdominance in the Amazonian tree flora. Science, v. 342, p. 325, 2013.

Stevenson, P. R. Guía de frutos de los Bosques del Río Duda La Macarena, Colombia. Macarena: Asociación para la Defensa de la Reserva de La Macarena; Netherlands Committee for IUCN; Tropical Rain Forest Programme, 2000. 467 p.




DOI: https://doi.org/10.4336/2017.pfb.37.92.1439



Direitos autorais 2017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / EbscoAGRISAgrobase / Binagre , BDPACABI DirectCCNDiadorim , DOAJe.journalsForestry CompendiumGenamics JournalSeekGoogle AcadêmicoJournals for freeLatindexLivreMiarOasisbrPeriodicaPortal da CapesRCAAPRoadSabiiaScilitRedib.

 

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional