Diversidade florística do estrato arbustivo-arbóreo em quintais agroflorestais do reassentamento Mariana, TO

Ícaro Gonçalves Santos, Enderson Alves Nunes, Priscila Bezerra de Souza, Conceição Aparecida Previero

Resumo


Objetivou-se analisar a florística, diversidade e equabilidade do estrato arbustivo-arbóreo de quatro quintais agroflorestais (QAs), no Reassentamento Mariana, localizado entre os municípios de Palmas e Porto Nacional no estado do Tocantins. Foram instaladas três parcelas de 20 x 30 m em cada QA, perfazendo um total de 0,72 ha de área amostral. Foram inventariados todos os indivíduos arbustivo-arbóreos com circunferência a 1,30 m do solo (CAP) ≥ 10 cm. Nos quatro QAs foram verificados 477 indivíduos e 81 espécies pertencentes a 34 famílias e 73 gêneros. O índice de diversidade de Shannon (H’) foi 3,68 e o índice de equabilidade de Pielou (J’), 0,83 para a área total amostrada. Individualmente, os quintais agroflorestais apresentaram H’ = 2,52; 3,27; 2,66 e 2,94, e J’ = 0,78; 0,90; 0,77 e 0,85 para QA1, QA2, QA3 e QA4, respectivamente. Pode-se inferir que os quintais estudados apresentam alta riqueza e diversidade, evidenciando grande heterogeneidade ambiental e baixa dominância ecológica.

Palavras-chave


Biodiversidade; Heterogeneidade; Dominância

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, U. P. et. al. Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. In: Albuquerque, U. P. et al. (Ed.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife: Núcleo Publicações em Ecologia e Etnobotânica Aplicada, 2010. p. 39-64.

Almeida, L. S. D. & Gama, J. R. V. Quintais agroflorestais: estrutura, composição florística e aspectos socioambientais em área de assentamento rural na Amazônia brasileira. Ciência Florestal, v. 24, n. 4, p. 1041-1053, 2014. DOI: 10.5902/1980509816617.

Almeida, R. F. et al. Mudanças florística e estruturais no cerrado sensu stricto ao longo de 27 anos (1985-2012) na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF. Revista Rodriguésia, v. 65, n. 1, p. 1-19, 2014. DOI: 10.1590/S2175-78602014000100001.

Alves, H. R. et al. Fitossociologia e grupos ecológicos da comunidade lenhosa em um remanescente de cerradão em Uberlândia, MG. Revista Caminhos de Geografia, v. 14, n. 46, p. 236–245, 2013.

Amaral, G. M. et al. Aspectos da distribuição de Mimosoideae (Fabaceae) arbóreas no planalto de Santa Catarina, sul do Brasil. Neotropical Biology and Conservation, v. 10, p. 74-84, 2015.

Angiosperm Phylogeny Group. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, n. 161, n. 2, p. 105-121, 2009. DOI: 10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x.

Batista, E. A. D. A recomposição do modo de vida nos reassentamentos rurais do setor elétrico: estudo comparativo entre Flor da Serra e São Francisco de Assis (Estado do Tocantins). 2009. 231 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente) - Fundação Universidade Federal do Tocantins, Tocantins.

Brizídio, A. K. & Nunes, R. O. Composição florística dos quintais nos Bairros Floresta e Texeirão na Cidade de Cacoal, Rondônia. Revista Científica Facimed, v. 2, p. 195-210, 2010.

Chagas, J. C. N. et al. Importância dos quintais agroflorestais na conservação de plantas aromáticas e condimentares em duas comunidades de várzea no amazonas. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPPAS, 6., 2012, Belém, PA. Anais... Belém, PA: ANPPAS, 2012.

Chitsondzo, C. C. E. & Silva, I. C. Quintais caseiros em Machipanda, distrito de Manica, Moçambique. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 33, n. 74, p. 127-135, 2013. DOI: 10.4336/2013.pfb.33.74.413.

Evans, A. et al. Assessment of sustainability indicators for renewable energy technologies. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 13, n. 5, p. 1082-1088, 2009. DOI: 10.1016/j.rser.2008.03.008.

Ferreira, K. P. M. & Bonfim, Z. A. C. Juventude no semiárido nordestino: caminhos e descaminhos da emigração. In: Leite, J. F. & Dimenstein, M. (Org.). Psicologia e contextos rurais. Natal: EDUFRN, 2013. p. 89-116.

Finger, Z. & Finger, F. A. Fitossociologia de comunidades arbóreas remanescentes de cerrado sensu stricto no Brasil Central. Floresta, v. 45, n. 4, p. 769-780, 2015. DOI: 10.5380/rf.v45i4.30860.

Figueiredo Junior, O. et al. Levantamento florístico dos quintais agroflorestais do PDS Virola Jatobá em Anapú, Pará. Enciclopédia Biosfera, v. 9, p. 1793-1805, 2013.

Florentino, A. T. N. et al. Contribuição de quintais agroflorestais na conservação de plantas da caatinga, Município de Caruaru, PE, Brasil. Acta Botanica, v. 21, n. 1, p. 37-47, 2007. DOI: 10.1590/S0102-33062007000100005.

Freitas, E. P. et al. Delimitação de bacia hidrográfica no ambiente Google Earth. Irriga, v. 1, n. 1, p. 97-104, 2012.

Freitas, W. K. de & Magalhaes, L. M. S. Métodos e parâmetros para estudo da vegetação com ênfase no estrato arbóreo. Floresta e Ambiente, v. 19, n. 4, p. 520-539, 2012. DOI: 10.4322/floram.2012.054.

Gazel Filho, A. B. Composição, estrutura e função de quintais agroflorestais no Município de Mazagão, Amapá, Belém. 2008. 104 f. Tese (Doutorado em Ciências Agrárias) – Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA.

Gliessman, S. R. Diversidade e estabilidade do agroecossistema. In: _____. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Ed da UFRGS, 2001. 474 p.

Gonçalves, J. P. et al. Análise florística e estrutural de quintais agroflorestais na comunidade Expedito Ribeiro em Santa Bárbara do Pará. Enciclopédia Biosfera, v. 11, p. 173-183, 2015.

Gotelli, N. J. & Ellison, A. M. Princípios de estatística em ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011.

Kehlenbeck, K. & Maass, B. L. Crop diversity and classification of homegardens in Central Sulawesi, Indonesia. Agroforestry Systems, v. 63, n. 1, p. 53-62, 2004. DOI: 10.1023/B:AGFO.0000049433.95038.25.

Klink, C. A. & Machado, R. B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 148-155, 2005.

Kumar, B. M. et al. Diversity, structure and standing stock of wood in the homegardens of Kerala in peninsular India. Agroforestry Systems, v. 25, n. 3, p. 243-262, 1994. DOI: 10.1007/BF00707463.

Kunz, S. H. et al. Estrutura fitossociológica de um cerradão em Canarana, estado do Mato Grosso, Brasil. Revista Acta Scientiarum Biological Sciences, v. 31, n. 3, p. 255-261, 2009. DOI: 10.4025/actascibiolsci.v31i3.1625.

Leturcq, G. Migrations forçées dans le Sud du Brésil: les atingidos. 2010. 406 f. Thèse (Doctorat de Géographie) - Université du Maine, Le Mans, França.

Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. São Paulo: Instituto Plantarum, 2002.

Melo, T. G. & Scopinho, R. A. Participação em cooperativas de assentamentos rurais: estudo sobre os sentidos do trabalho. Psicologia em Estudo, v. 20, p. 529-541, 2015. DOI: 10.4025/psicolestud.v20i4.25776.

Miguel, E. P. et al. Floristic-structural characterization and successional group of tree species in the Cerrado biome of Tocantins state, Brazil. Revista Caatinga, v. 29, n. 2, p. 393-404, 2016. DOI: 10.1590/1983-21252016v29n216rc.

Miranda, R. S. et al. Quintais agroflorestais como estratégia alimentar familiar no Assentamento 26 de Março, Marabá, Pará. Agroecossistemas, v. 4, n. 1, p. 68-80, 2012. DOI: 10.18542/ragros.v4i1.1051.

Nair, P. K. P. An evaluation of the struture and function of tropical homegardens. Agricultural Systems, v. 21, n. 4, p. 279-310, 1986. DOI: 10.1016/0308-521X(86)90104-6.

Parente, T. G. & Miranda, C. M. Impactos socioculturais e gênero nos reassentamentos da Usina Luis Eduardo Magalhães - TO. Varia Historia, v. 30, n. 53, p. 557-570, 2014. DOI: 10.1590/S0104-87752014000200011.

Pereira, C. N. et al. Caracterização de quintais agroflorestais no projeto de assentamento Belo Horizonte I, São Domingos do Araguaia, Pará. Agroecossistemas, v. 2, n. 1, p. 73-81, 2010. DOI: 10.18542/ragros.v2i1.1225.

Pinho, R. C. Quintais agroflorestais indígenas em área de savana (lavrado) na terra indígena Araçá, Roraima. 2008. 108 f. Dissertação (Mestrado em Ciências de Florestas Tropicais) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia; Universidade Federal do Amazonas, Manaus.

Pinto, I. C. Agrobiodiversidade de quintais agroflorestais urbanos e perfil social de etnias indígenas em São Gabriel da Cachoeira, AM. 2012. 196 f. Tese. (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Reflora: Herbário Virtual. Lista de espécies da flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, [2015]. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

Rocha Garcia, B. N. et al. Quintais agroflorestais e segurança alimentar em uma comunidade rural na Amazônia Oriental. Revista de la Facultad de Agronomia, n. 114, p. 67-73, 2015.

Sano, E. E. et al. Land cover mapping of the tropical savanna region in Brazil. Environmental Monitoringand Assessment, v. 166, n. 1-4, p. 113-114, 2010. DOI: 10.1007/s10661-009-0988-4.

Santos, D. L. Solos do assentamento Mariana - Palmas-TO: características e aptidões. In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 9., 2009, Palmas. Anais... Palmas: Ceulp/Ulbra, 2009.

Santos, I. G. et al. Quintais agroflorestais na percepção dos moradores do reassentamento Mariana, Tocantins. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 11, n. 5, p. 95-102, 2016.

Semedo, R. J. C. G. & Barbosa, R. I. Árvores frutíferas nos quintais urbanos de Boa Vista, Roraima, Amazônia brasileira. Acta Amazonica, v. 37, n. 4, p. 497-504, 2007. DOI: 10.1590/S0044-59672007000400003.

Sheperd, G. J. Fitopac 2: manual do usuário. Campinas: Unicamp, 2010. 91 p.

Silva Júnior, M. C. 100 árvores do cerrado: sentido restrito: guia de campo. Brasília, DF: Ed. Rede de Sementes do Cerrado, 2012. 304 p.

Silva, L. R. & Sano, E. E. Análise das imagens do satélite RapidEye para discriminação da cobertura vegetal do bioma Cerrado. RBC. Revista Brasileira de Cartografia, v. 68, p. 1269-1283, 2016.

Tocantins. Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. 6. ed. Palmas, 2012. 80 p.

Vieira, T. A. et al. Agrobiodiversidade de quintais agroflorestais no município de Bonito, Estado do Pará. Revista de Ciências Agrárias, v. 55, n. 3, p. 159-166, 2012.

Wazel, A. & Bender, S. Plant species diversity of homegardens of Cuba and its significance for household food supply. Agroforestry systems, v. 57, n. 1, p. 39-49, 2003. DOI: 10.1023/A:1022973912195.

Webb, C. O. Exploring the phylogenetic structure of ecological communities: an example for rain forest trees. American Naturalist, v. 156, p. 145-155, 2000. DOI: 10.1086/303378.




DOI: https://doi.org/10.4336/2017.pfb.37.92.1412



Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional