Florística e fitossociologia de um fragmento de Cerrado lato sensu, Gurupi, TO

Igor Eloi Silva Machado, Maíra Elisa Ferreira Tavares, Paulo César Alves de Oliveira Medeiros, Marcos Giongo, Priscila Bezerra de Souza, Antonio Carlos Batista

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a composição florística e fitossociológica de um fragmento de Cerrado lato sensu. Foi realizado um censo na área de estudo, de 6,7 ha, com limite de inclusão de 15 cm de circunferência a 1,30 m acima do solo. Amostrou-se um total de 15.434 indivíduos, pertencentes a 78 espécies, 72 gêneros e 33 famílias. Foi realizada análise de densidade, dominância e valor de cobertura, encontrando-se densidade total de 2.303,58 ind ha-1 e área basal de 94,303 m² ha-1. As espécies com maiores valores de cobertura, em ordem decrescente, foram: Myrcia splendens, Astronium fraxinifolium, Magonia pubescens, Qualea parviflora, Protium heptaphyllum, Curatella americana, Vatairea macrocarpa, Tachigali aurea, Byrsonima stipulacea e Machaerium brasiliense, que representaram 53% do total dos indivíduos da área. As espécies do gênero Qualea apresentaram dominância, representando 11% do total de indivíduos. O padrão de distribuição dos indivíduos foi no formato de “J” invertido, mas Astronium fraxinifolium, Magonia pubescens e Tachigali aurea apresentaram menor número de indivíduo nas classes iniciais. O índice de diversidade de Shannon e equabilidade de Pielou indicaram a existência de alta riqueza e diversidade de espécies, quando se comparou a área estudada com fragmentos de Cerrado nas proximidades.


Palavras-chave


Estrutura florestal; Composição florística; Regeneração

Texto completo:

PDF

Referências


APG. The Angiosperm Phylogeny Group. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, p. 105-121, 2009. DOI: 10.1111/j.10958339.2009.00996.x.

Augustynczik, A. L. D. et al. Avaliação do tamanho de parcelas e de intensidade de amostragem em inventários florestais. Scientia Forestalis, v. 41, n. 99, p. 361-368, 2013.

Balduino, A. P. D. C. et al. Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do cerrado da flora de Paraopeba-MG. Revista Árvore, v. 29, n. 1, p. 25-34, 2005.

Bernasol, W. P. & Lima-Ribeiro, M. S. Estrutura espacial e diamétrica de espécies arbóreas e seus condicionantes em um fragmento de cerrado sentido restrito no sudeste goiano. Hoehnea. v. 37, n. 2, p. 181-198, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S2236-89062010000200001.

Campos, E. P. et al. Composição florística de um trecho de Cerradão e Cerrado Sensu stricto e sua relação com o solo na floresta nacional. (Flona) de Paraopeba, MG, Brasil. Revista Árvore, v. 30, n. 3, p. 471-479, 2006.

Campello, E. F. C. Sucessão vegetal na recuperação de áreas degradadas. In: Dias, L. E. & Mello, J. W. V. (Ed.). Recuperação de Áreas Degradadas. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa/Departamento de Solos; Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas, 1998. p. 183-196.

Carvalho, F. A. et al. Composição florística, riqueza e diversidade de um Cerrado sensu stricto no sudeste do estado de Goiás. Bioscience Journal, v. 24, n. 4, p. 64-72, 2008.

Cerqueira, C. L. et al. dos. Florística, fitossociologia e distribuição diamétrica em um remanescente de Cerrado sensu stricto, Brasil. Espacios, v. 38, n. 23, p. 13, 2017. http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v04n06a03.

Felfili, J. M. et al. Diversity, floristicandstructuralpatternsof cerrado vegetation in Central Brazil. Plant Ecology, v. 175, p. 37-46, 2004.

Felfili, J. M. & Silva Júnior, M. C. A comparative study of cerrado (sensu stricto) vegetation in Central Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 9, p. 277-289, 1993.

Ferreira, R. Q. S. et al. Diversidade florística do estrato arbustivo-arbóreo de três áreas de Cerrado sensu stricto, Tocantins. Desafios, v. 4, n. 2, p. 69-82, 2017. http://dx.doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2017v4n2p69.

Ferreira, R. Q. S. et al. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi - TO. Revista Verde, v. 10, n. 1, p. 229-235, 2015.

Finger, Z. & Finger, F. A. Fitossociologia em comunidades arbóreas remanescentes de Cerrado sensu stricto no Brasil Central. Floresta, v. 45, n. 4, p. 769-780, 2015. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v45i4.30860.

Flora do Brasil. Projeto Flora do Brasil 2020. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botanico do Rio de Janeiro, 2015. Disponivel em . Acesso em: 13 jan. 2017.

Giácomo, R. G. et al. FFlorística e fitossociologia em áreas de Cerradão e Mata Mesofítica na Estação Ecológica de Pirapitinga, MG. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 3, p. 287-298, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.067913.

IBGE. Mapa de biomas do Brasil: escala 1:250.000. 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2017.

Klink, C. A. & Machado, R. B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 147-155, 2005.

Lewis, G. et al. Legumes of the world. Richmond: Royal Botanic Gardens, Kew, 2005. 577 p.

Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 352 p.

Magurran, A. E. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell Science, 2004. 256 p.

Mendonça, R. C. et al. Flora vascular do Cerrado. In: Sano, S. M. et al. (Ed). Cerrado: ambiente e flora. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2008. p. 289-556.

Mittermeier, R. A. et al. Hotspots Revisited: earth’s biologically richest and most endangered ecoregions. Mexico City: CEMEX, 2004. 200 p.

Oliveira Filho, A. T. Catálogo das árvores nativas de Minas Gerais: mapeamento e inventário da flora nativa e dos reflorestamentos de Minas Gerais. Lavras: Universidade Federal de Lavras, 2006. 423 p.

Oliveira, O. E. de. Florística e fitossociologia de fragmentos em área ecotonal cerrado-pantanal no município de Santo Antônio do Leverger - Mato Grosso. 2011. 82 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

Paula, J. E. et al. Levantamento florístico e sua distribuição diamétrica da vegetação de um cerrado sensu stricto e de um fragmento de floresta de galeria no ribeirão Dois Irmãos na APA de Cafuringa, DF, Brasil. Revista Biotemas, v. 22, n. 3, p. 35-46, 2009. http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2009v22n3p35.

Pedreira, F. R. B. et al. Composição florística e fitossociologia de espécies arbóreas em uma área de cerrado stricto sensu no Município de Porto Nacional, TO. Global Science and Technology, v. 4, n. 1, p. 8-15, 2011.

Pereira-Filho, E. F. L. et al. Florística e fitossociologia dos estratos arbustivos e arbóreo de um remanescente de cerradão em uma Unidade de Conservação do Estado de São Paulo. Revista Brasileira Botanica, v. 27, n. 3, p. 533-544, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042004000300013.

Pielou, E. C. Biogeographic range comparisons and evidence of geographic variation in host-parasite relations. Ecology, v. 55, n. 6, p. 1359-1367, 1974.

Ribeiro, J. F. & Walter, B. M. T. As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: Sano, S. M. et al. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2008. p. 151-212.

Rosa, S. F. et al. Aspectos florísticos e fitossociológicos da Reserva Capão de Tupanciretã, Tupanciretã, RS, Brasil. Ciência Florestal, v. 18, n. 1, p. 15-25, 2008.http://dx.doi.org/10.5902/19805098507.

Sano, P. T. et al. Importância da conservação de espécies raras no Brasil. In: Martinelli, G. et al. Livro vermelho da flora do Brasil: plantas raras do Cerrado. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro: Centro Nacional de Conservação da Flora, 2014. p. 16-20.

Santos, M. J. F. et al. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um fragmento de cerrado sensu stricto, sul do Tocantins. Scientia Agraria Paranaensis, v. 16, n. 3, p. 328-334, 2017. http://dx.doi.org/10.18188/1983-1471/sap.v16n3p328-334.

Scolforo, J. R. S. Biometria florestal: modelos de crescimento e produção florestal. Lavras: UFLA/FAEPE, 2006. 393 p.

Silva Júnior, M. C. da. 100 árvores do Cerrado: sentido restrito: guia de campo. Brasília, DF: Rede de Sementes do Cerrado, 2012. 304 p.

Silva Neto, V. L. et al. Fitossociologia e distribuição diamétrica de uma área de Cerrado sensu stricto, Dueré-TO. Revista de Ciências Ambientais, v. 10, n. 1, p. 91-106, 2016. http://dx.doi.org/10.18316/1981-8858.16.24.

Siqueira, A. S. et al. Caracterização florística da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Fazenda Carneiro, Lagamar, MG, Brasil. Biota Neotropica, v. 6, n. 3, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S1676-06032006000300010.

Solórzano, A. et al. Perfil florístico e estrutural do componente lenhoso em seis áreas de Cerradão ao longo do bioma Cerrado. Acta Botanica Brasilica, v. 26, n. 2, p. 328-341. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062012000200009.

Tocantins. Secretaria de Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. Diretoria Geral de Pesquisa e Zoneamento Ecológico-Econômico. Diretoria de Zoneamento Ecológico-Econômico. Projeto de Desenvolvimento Regional Sustentável. Estudo da dinâmica da cobertura e uso da terra do Estado do Tocantins: dinâmica do Tocantins. Palmas, 2012. v. 1.

Souza, P. B. et al. Florística de uma área de cerradão na Floresta Nacional de Paraopeba – Minas Gerais. Cerne, v. 16, n. 1, p. 86-93, 2010.




DOI: https://doi.org/10.4336/2019.pfb.39e201801685



Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional