Propriedades físico-mecânicas da madeira de uva-do-japão

Éverton Hillig, Tiago Digner, Andrea Nogueira Dias

Resumo


Foram avaliadas as propriedades físico-mecânicas da madeira de Hovenia dulcis Thumberg, proveniente de seis árvores e retiradas de três posições no fuste. A massa específica aparente média foi de 0,64 g cm-3 e a umidade de equilíbrio, após condicionamento a 20 oC e 65% de umidade relativa do ar, foi de 15,5%. Houve diferença das propriedades físicas da madeira entre árvores e posição no fuste. Os valores médios das propriedades mecânicas indicam enquadramento na classe C20 de classificação para madeiras de dicotiledôneas da Norma NBR 7190/97, exceto para módulo de elasticidade em compressão paralela.

Palavras-chave


Massa específica; Resistência mecânica; Hovenia dulcis

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, H. J. B. Relações funcionais entre propriedades físicas e mecânicas de madeiras tropicais brasileiras. Floresta, v. 37, n. 3, p. 399-416, 2007.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7190: projeto de estruturas de madeira. Rio de Janeiro, 1997.

Candaten, L. et al. Variação axial da massa específica básica de Hovenia dulcis. Enciclopédia Biosfera, v. 14 n. 26, p. 729-736, 2017. DOI: 10.18677/EnciBio_2017B67.

Carvalho, P. E. R. Ecologia, silvicultura e usos da uva-do-japão (Hovenia dulcis Thunberg). Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1994. 24 p. (EMBRAPA-CNPF. Circular técnica, 23).

Carvalho, D. E. et al. Resistência natural de quatro espécies florestais submetidas a ensaio com fungos apodrecedores. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 2, p. 271-276, 2015. DOI: 10.1590/2179-8087.105914.

Comisión Panamericana de Normas Técnicas. Norma Panamericana 460: maderas: método de determinación de la humedad. 1972a.

Comisión Panamericana de Normas Técnicas. Norma Panamericana 461: maderas: método de determinación del peso específico aparente. 1972b.

Comisión Panamericana de Normas Técnicas. Norma Panamericana 463: maderas: método de determinación del cizallamiento paralelo al grano. 1972c.

Comisión Panamericana de Normas Técnicas. Norma Panamericana 464: maderas: método de determinación de la compresión axil o paralela al grano. 1972d.

Comisión Panamericana de Normas Técnicas. Norma Panamericana 465: maderas: método de determinación de la dureza. 1972e.

Comisión Panamericana de Normas Técnicas. Norma Panamericana 555: maderas: método de ensayo de flexión estática. 1973.

Del Menezzi, C. H. S. Estimativa das propriedades de flexão estática de seis espécies de madeiras amazônicas por meio da técnica não-destrutiva de ondas de tensão. Acta Amazonica, v. 40, n. 2, p. 325-332, 2010.

Dias, F. M. & Lahr, F. A. R. Estimativa de propriedades de resistência e rigidez da madeira através da densidade aparente. Scientia Forestalis, n. 5, p. 102-113, 2004.

Eleotério, J. R. at al. Crescimento em diâmetro, altura e volume de Hovenia dulcis na região Sul de Blumenau, SC. Floresta, v. 42, n. 4, p. 733-740, 2012. DOI: 10.5380/rf.v42i4.25054.

Eleotério, J. R. et al. Variação longitudinal da massa específica da madeira e da casca de Hovenia dulcis Thunberg. Ciência da Madeira, v. 6, n. 2, p. 122-128, 2015. DOI: 10.12953/2177-6830/rcm.v6n2p122-128.

Forest Products Laboratory (United States). Wood handbook: wood as an engineering material. Madison, WI: U.S. Department of Agriculture, Forest Service, 2010. 508 p. (General technical report FPL-GTR-190).

Instituto Agronômico do Paraná. Cartas climáticas do Paraná. 2015. Disponível em . Acesso em: 1 set. 2015.

Mendes, L. M. & Arce, J. E. Análise comparativa das equações utilizadas para estimar a umidade de equilíbrio da madeira. Cerne, v. 9, n. 2, p. 141-152, 2003.

Müller, B. V. et al. Avaliação das principais propriedades físicas e mecânicas da madeira de Eucalyptus benthamii Maiden et Cambage. Floresta e Ambiente, v. 21, n. 4, p. 535-542, 2014. DOI: 10.1590/2179-8087.050413.

Napoli, L. M. et al. Propriedades físicas da madeira e de painéis aglomerados produzidos com misturas de espécies florestais. Floresta, v. 43, n. 3, p. 475-484, 2013.

Rigatto, P. A. et al. Características físicas, químicas e anatômicas da madeira de Hovenia dulcis. Colombo: EMBRAPA-CNPF, 2001. 5 p. (EMBRAPA-CNPF. Comunicado técnico, 66).

Sales, A. Sistema de classes de resistência para dicotiledôneas: revisão da NBR 7190/97. Madeira: arquitetura e engenharia, n. 13, artigo 9, p. 1-11, 2004.

Schumacher, M. V. et al. Biomassa e nutrientes em um povoamento de Hovenia dulcis Thunb., plantado na Fepagro florestas, Santa Maria, RS. Ciência Florestal, v. 18, n. 1, p. 27-37, 2008. DOI: 10.5902/19805098519.

Susin, F. et al. Taxa de secagem e qualidade da madeira serrada de Hovenia dulcis submetida a dois métodos de secagem. Floresta e Ambiente, v. 2, n. 2, p. 243-250, 2014. DOI: 10.4322/floram.2014.016.

Talgatti, M. et al. Massa específica aparente e suas implicações na flexão dinâmica da madeira de Hovenia dulcis Thunb. Scientia Agraria Paranaensis, v. 16, n. 1, p. 21-26, 2017. DOI: 10.18188/1983-1471/sap.v16n1p21-26.

Tenorio, C. et al. Evaluation of wood properties from six native species of forest plantations in Costa Rica. Bosque, v. 37, n. 1, p. 71-84, 2016. DOI: 10.4067/S0717-92002016000100008.

Tomazeli, A. J. et al. Durabilidade natural de quatro espécies florestais em campo de apodrecimento. Tecno-Lógica, v. 20, n. 1, p. 20-25, 2015. DOI: 10.17058/tecnolog.v20i1. 6473.

Trevisan, R. et al. Axial variation of basic density of Araucaria angustifolia wood in different diameter classes. Ciência Rural, v. 46, n. 11, p. 1969-1972, 2016. DOI: 10.1590/0103-8478cr20141312.

Vidaurre, G. et al. Lenho juvenil e adulto e as propriedades da madeira. Floresta e Ambiente, v. 18, n. 4, p. 469-480, 2011. DOI: 10.4322/floram.2011.066.

Vivian, M. A. et al. Efeito de pré-tratamentos na taxa de secagem da madeira de Hovenia Dulcis Thunb. Ciência da Madeira, v. 1, n. 2, p. 32-43, 2010.




DOI: https://doi.org/10.4336/2018.pfb.38e201601195



Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional