Espécies madeireiras da Amazônia: riqueza, nomes populares e suas peculiaridades

Vinicius Costa Cysneiros, Joaquim Oliveira Mendonça Júnior, Tomaz Ribeiro Lanza, Juan Carlos Resende Moraes, Otávio José Magalhães Samor

Resumo


botânica pode envolver diversos erros e acarretar prejuízos ao manejo florestal. Um erro comum decorre da variação dos nomes populares, que apresentam peculiaridades regionais e podem ser atribuídos a diversas espécies simultaneamente. Este estudo tem como objetivos analisar a riqueza de espécies madeireiras exploradas na Amazônia brasileira e verificar as variações regionais dos nomes populares das principais espécies, visando identificar padrões e casos de fidelidade. Para isso, foram consultadas informações de espécies comerciais atualmente exploradas e passíveis de exploração em 10 planos de manejo florestal sustentável em diferentes categorias e regiões da Amazônia brasileira. As análises evidenciaram elevada riqueza de espécies comerciais, com baixa similaridade entre as espécies, indicando particularidades locais quanto às espécies de interesse. Os nomes populares apresentaram ampla variação, com duas tendências distintas: utilização de um mesmo nome popular para diversas espécies e utilização de diversos nomes populares para uma única espécie. Foram detectados casos de fidelidade para os nomes populares das principais espécies madeireiras. No entanto, os nomes populares apresentam forte relação com gêneros e famílias botânicas, podendo variar intensamente quando a análise requer identificação em nível de espécie.

Palavras-chave


Gestão florestal; Biodiversidade; Nomenclatura botânica

Texto completo:

PDF

Referências


Baraloto, C. et al. Limitations and applications of parataxonomy for community forest management in Southwestern Amazonia. Ethnobotany Research & Applications, v. 5, p. 77-84, 2007. DOI: 10.17348/era.5.0.77-84.

Colwell. R. K. et al. Models and estimators linking individual-based and sample-based rarefaction: extrapolation and comparison of assemblages. Plant Ecology, v. 5, p. 3-21, 2011. DOI: 10.1093/jpe/rtr044.

Ferreira, G. C. & Hopkins, M. J. G. Manual de identificação botânica e anatômica: angelim. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2004. 101 p.

Janzen, D. H. Setting up tropical biodiversity for conservation through non-damaging use: participation by parataxonomists. Journal of Applied Ecology, v. 41, p. 181-187, 2004. DOI: 10.1111/j.1365-2664.2004.00879.x.

Lang, C. et al. Discrimination of taxonomic identity at species, genus and family levels using Fourier Transformed Near-Infrared Spectroscopy (FT-NIR). Forest Ecology and Management, v. 406, p. 219-227, 2017. DOI: 10.1016/j.foreco.2017.09.003.

Obermuller, F. A. et al. Guia Ilustrado e manual de arquitetura foliar para espécies madeireiras da Amazônia Ocidental. Rio Branco, AC: G. K. Noronha, 2011. 101 p.

Ribeiro, J. E. L. S. et al. Flora da Reserva Ducke: guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. Manaus, AM: INPA, 1999. 816 p.

Ter Steege, H. et al. A spatial model of tree diversity and tree density for the Amazon. Biodiversity and Conservation, v. 12, p. 2255-2277, 2003. DOI: 10.1023/A:1024593414624.

The Angiosperm Phylogeny Group. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal Linnieu Society, v. 181, p. 1-20, 2016. DOI: 10.1111/boj.12385.

Toledo, M. et al. Patterns and determinants of floristic variation across Lowland Forests of Bolivia. Biotropica, v. 43, n. 4, p. 405-413, 2011. DOI: 10.1111/j.1744-7429.2010. 00711.x

Veríssimo, A. et al. Priority areas for establishing National Forests in the Brazilian Amazon. Conservation Ecology, v. 6, n. 1, p. 4, 2002.




DOI: https://doi.org/10.4336/2018.pfb.38e201801567



Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional