Vegetação arbórea em remanescentes florestais urbanos: Bosque do Lago da Paz, Dois Vizinhos, PR

Flávia Gizele Konig Brun, Eleandro José Brun, Solon Jonas Longhi, Maurício Romero Gorenstein, Tamara Ribeiro Botelho Carvallho Maria, Géssica Mylena Santana Rêgo, Thatiana Tominaga Higa

Resumo


Esse estudo teve por objetivo analisar a florística, estrutura e diversidade da vegetação arbórea e da regeneração de um fragmento florestal situado na área urbana de Dois Vizinhos, PR, por meio do método de censo. Foram utilizados os descritores fitossociológicos tradicionais como parâmetros de análise, dando indicações sobre o valor ecológico do fragmento. Evidenciou-se a ocorrência de 231 indivíduos em 2.500 m² de área, distribuídos em 35 espécies de 22 famílias botânicas. As famílias com maior número de espécies foram Lauraceae e Myrtaceae, com três espécies cada, seguida por Boraginaceae, Euphorbiaceae, Fabaceae, Meliaceae, Myrsinaceae, Rosaceae e Sapindaceae, com duas espécies cada, ficando as demais famílias com uma espécie cada. Entre as oito espécies exóticas, quatro são invasoras potenciais, tais como Ligustrum lucidum (34,04%) e Dyospyrus kaki (13,59%), destacando-se pelo alto valor de cobertura (VC) e pela dominância, com mais de 50% dos indivíduos. A maioria das espécies encontradas pertence a estágios iniciais de sucessão. Na regeneração, foram encontradas 20 espécies, com apenas três exóticas e, dentre estas, uma invasora (L. lucidum). A ocorrência de espécies exóticas invasoras em fragmentos florestais urbanos demanda a atenção dos gestores públicos quanto à necessidade de intervenções silviculturais, visando à recuperação da florística e estrutura original.

Palavras-chave


Conservação; Espécies exóticas; Espécies invasoras

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, R.V. et al. Variabilidade genética de Eugenia uniflora L. em remanescentes florestais em diferentes estágios sucessionais. Revista Ceres, v. 60, n. 2, p. 226-233, 2013. DOI: 10.1590/S0034-737X2013000200011.

Alvares, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: 10.1127/0941-2948/2013/0507.

Badiru, A. I. et al. Método para a classificação tipológica da floresta urbana visando o planejamento e a gestão das cidades. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 12., 2005, Goiânia. Anais... Goiânia: INPE, 2005. p. 1427-1433.

Bianchini, E. et al. Diversidade e estrutura de espécies arbóreas em área alagável no município de Londrina, Sul do Brasil. Acta Botânica Brasílica, v. 17, n. 3, p. 405-419, 2003. DOI: 10.1590/S0102-33062003000300008.

Biz, S. Dinâmica e sequestro de carbono em floresta ombrófila mista aluvial urbana. Dissertação. 2017. 107 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro). Guarapuava.

Biz, S. et al. Levantamento florístico da mata ciliar urbana do córrego Água Turva em Dois Vizinhos-PR. Revista Brasileira de Arborização Urbana, v. 10, n. 2, p. 14-26, 2015.

Bracht, D. S. et al. Levantamento fitossociológico de um remanescente florestal no município de Xanxerê-SC. Unoesc & Ciência, v. 2, n. 2, p. 165-174, 2011.

Carvalho, P. E. R. Cedro. Colombo: Embrapa Florestas. 2005. 17 p. (Embrapa Florestas. Circular técnica, 113).

Cielo Filho, R. & Santin, D. A. Estudo florístico e fitossociológico de um fragmento florestal urbano - Bosque dos Alemães, Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica, v. 25, n. 3, p. 291-301, 2002. DOI: 10.1590/S0100-84042002000300005.

Constanza, R. et al. The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature, v. 387, p. 253-260, 1997. DOI: 10.1038/387253a0.

Dislich, R. et al. Análise da estrutura de fragmentos florestais no Planalto Paulistano – SP. Revista Brasileira de Botânica, v. 24, n. 3, p. 321-332, 2001. DOI: 10.1590/S1676-06032009000200018.

Estevan, D. A. et al. Estrutura e diversidade arbórea em fragmento florestal no salto do Rio Chopim, São Jorge D’Oeste-Paraná, Brasil. In: CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UTFPR - CÂMPUS DOIS VIZINHOS, 1., 2011, Dois Vizinhos. Anais... Dois Vizinhos: UTFPR, 2011.

Felfili, J. M. et al. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso: volume I. Viçosa, MG: Ed da UFV; Sociedade Botânica do Brasil, 2011. 558 p.

Fonseca, C. R. & Carvalho, F. A. Aspectos florísticos e fitossoociológicos da comunidade arbórea de um fragmento urbano de floresta Atlântica (Juiz de Fora, MG, Brasil). Bioscience Journal, v. 28, n. 5, p. 820-832, 2012.

Fonseca, S. N. et al. Estrutura e diversidade da regeneração arbórea em uma floresta secundária urbana (Juiz de Fora, MG, Brasil). Floresta e Ambiente, v. 20, n. 3, p. 307-315, 2013. DOI: 10.4322/floram.2013.031.

Hirota, M. (Coord.). Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica: período de 2008- 2010. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2011.

Iniciativa Verde. Programas e Projetos. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2017.

Instituto Ambiental do Paraná. Portaria IAP nº 059, de 15 abril de 2015. Reconhece a Lista Oficial de Espécies Exóticas Invasoras para o Estado do Paraná, estabelece normas de controle e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2017.

Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental. Métodos de controle de espécies exóticas invasoras. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2017.

Kersten, R. de A. et al. Floresta Ombrófila Mista: aspectos fitogeográficos, ecológicos e métodos de estudo. In: Eisenlohr, P. V. et al. (Ed.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos: volume II. Viçosa, MG: Ed da UFV, 2015. p. 156–182.

Klein, R. M. Árvores nativas da floresta subtropical do Alto Uruguai. Sellowia, v. 24, n. 24, p. 9-62, 1972.

Konijnendijka, C. C. et al. Definição de silvicultura urbana - Uma perspectiva comparativa da América do Norte e Europa. Urban Forestry & Urban Greening, v. 4, p. 93-103, 2006.

Magurran, A. E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: UFPR, 2013. 261 p.

McKinney, M. L. Effects of urbanization on species richness: A review of plants and animals. Urban Ecosystems, v. 11, n. 2, p. 161–176, 2008. DOI: 10.1007/s11252-007-0045-4.

Mielke, E. C. et al. Espécies exóticas invasoras arbóreas no Parque da Barreirinha em Curitiba: registro e aplicações. Ciência Florestal, v. 25, n. 2, p. 327-336, 2015. DOI: 10.5902/1980509818451.

Miranda, B. P. Dendroecologia de Ilex microdonta Reissek e Drimys brasiliensis Miers em dois ambientes altomontanos da Serra do Mar, Paraná, Brasil. 2015. 95 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2015.

Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Blackburn Press, 2002. 547 p.

Nowak, D. J. et al. Assessing urban forest effects and Values, New York City’s urban forest. Newtown Square: USDA, Forest Service, Northern Research Station, 2007. 22 p. (USDA. Resource Bulletin. NRS-9)

Reitz, R. et al. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: CORAG, 1988. 525 p.

Rezende, T. M. & Santos, D. G. Avaliação quali-quantitativa da arborização das praças do bairro Jaraguá, Uberlândia – MG. Revista Brasileira de Arborização Urbana, v. 5, n. 2, p. 139-157, 2010.

Rodolfo, A. M. et al. Citrus aurantium L. (laranja-apepu) e Hovenia dulcis Thunb. (uva-do-japão): espécies exóticas invasoras da trilha do Poço Preto no Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, v. 6, n. 1, p. 16-18, 2008.

Salbitano, F. et al. Guidelines on urban and peri-urban forestry. 2016. Rome: FAO, 2016. (FAO. Forestry Paper, 178). Disponível em: < http://www.fao.org/3/a-i6210e.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2017.

Salles, J. C. & Schiavini, I. Estrutura e composição do estrato de regeneração em um fragmento florestal urbano: implicações para a dinâmica e a conservação da comunidade arbórea. Acta Botânica Brasílica, v. 21, n. 1, p. 223-233, 2007. DOI: 10.1590/S0102-33062007000100021.

Santos, H. G. dos. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2013. 353 p.

Schorn, L. A. et al. Fitossociologia de fragmentos de Floresta Estacional Decidual no estado de Santa Catarina – Brasil. Ciência Florestal, v. 24, n. 4, p. 821-831, 2014. DOI: 10.5902/1980509816582.

Scipione, M. C. et al. Composição florística e estratégias de dispersão e regeneração de grupos florísticos em florestas estacionais deciduais no Rio Grande do Sul. Floresta, v. 43, n. 2, p. 241-254, 2013. DOI: 10.5380/rf.v43i2.27098.

Silva, R. K. S. et al. Florística e sucessão ecológica da vegetação arbórea em área de nascente de um fragmento de Mata Atlântica, Pernambuco. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 5, n. 4, p. 550-559, 2010. DOI: 10.5039/agraria.v5i4a829.

Swaine, A. & Whitmore, T. C. On the definition of ecological species groups in tropical rain forests. Vegetatio, v. 75, p. 81-86, 1988.

Tabarelli, M. Flora arbórea da Floresta Estacional Baixo-Montana no município de Santa Maria, RS, Brasil. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 4, pt. 1, p. 260-268, 1992. Edição dos Anais do Congresso Florestal de Essências Nativas, 2., 1992, São Paulo. Edição especial.

Ziller, S.R. et al. Modelo para o desenvolvimento de uma estratégia nacional para espécies exóticas invasoras. Curitiba: TNC/GISP, 2007. 62 p.




DOI: https://doi.org/10.4336/2017.pfb.37.92.1405



Direitos autorais 2017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / EbscoAGRISAgrobase / Binagre , BDPACABI DirectCCNDiadorim , DOAJe.journalsForestry CompendiumGenamics JournalSeekGoogle AcadêmicoJournals for freeLatindexLivreMiarOasisbrPeriodicaPortal da CapesRCAAPRoadSabiiaScilitRedib.

 

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional