Biometria de frutos e sementes e germinação de Astrocasia jacobinensis

Héveli Kalini Viana dos Santos, Andrea Vita Reis Mendonça, Iracema Gomes da Silva, Darlene Pereira da Silva, Manuela Oliveira de Souza

Resumo


O objetivo neste trabalho foi caracterizar biometricamente os frutos e as sementes de Astrocasia jacobinensis (Müll.Arg.), avaliar o potencial germinativo em função da cor do fruto e definir a temperatura ideal para testes de germinação. Os frutos foram colhidos de 4 árvores matrizes na Área de Proteção Ambiental do Lago de Pedra do Cavalo, BA, sendo usados para a instalação de dois experimentos. No primeiro foi avaliado o comportamento germinativo em função da cor dos frutos (verdes ou marrons) utilizando-se quatro repetições. No segundo testou-se a temperatura ótima de germinação, com testes conduzidos sob temperaturas constantes (15, 25, 30, 35 °C) e alternadas (25-30 e 15-30 °C), utilizando-se quatro repetições por tratamento. As avaliações para ambos os experimentos foram realizadas diariamente. Os frutos apresentavam dimensões médias de 7,5 mm de comprimento e 9,6 mm de diâmetro. As sementes eram circulares, com diâmetro médio de 3,52 mm. Os frutos verdes apresentaram sementes com melhor potencial germinativo. Testes de germinação de A. jacobinensis devem ser conduzidos sob temperatura entre 25 oC a 30 °C.


Palavras-chave


Espécie florestal; Phyllantaceae; Capacidade germinativa das sementes

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Aguiar, F. F. A. et al. Maturação de frutos de Caesalpinia echinata Lam. Pau-Brasil. Revista Árvore, v. 31, n. 1, p. 1-6, 2007. DOI: 10.1590/S0100-67622007000100001.

Alvares, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: 10.1127/0941-2948/2013/0507.

Aquino, N. F. et al. Dormência de sementes de Peltophorum dubium (SPRENGEL.) TAUBERT colhidas em diferentes estádios de desenvolvimento. Scientia Agraria Paranaensis, v. 5, n. 2, p. 31-37, 2006.

Associação Plantas do Nordeste. Estatística florestal da Caatinga. Recife, 2015. v. 2. 142 p.

Bewley, J. D. et al. Seeds: physiology of development germination and dormancy. New York: Springer, 2013. 392 p.

Borges, K. C. F. et al. Coloração do fruto e substrato na emergência e no crescimento de plantas de Eugenia calycina Cambess. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 4, p. 544-554, 2016. DOI: 10.1590/2179-8087.144215.

Brancalion, P. H. S. et al. Temperatura ótima de germinação de sementes de espécies arbóreas brasileiras. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 4, p. 15-21, 2010. DOI: 10.1590/S0101-31222010000400002.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Instruções para análise de sementes de espécies florestais. Brasília, DF, 2013. 98 p.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, DF, 2009. 399 p.

Brasil. Ministério da Integração Nacional. Companhia de Desenvolvimento dos vales do São Francisco e do Parnaíba. Estudo de impacto ambiental (EIA) do aproveitamento múltiplo dos recursos naturais na área de influência do sistema Xingó, nos estados de Sergipe e Bahia. Brasília, DF, 2012. v. 2. 256 p.

Cardoso, D. B. O. S. et al. Composição florística e análise fitogeográfica de uma floresta semidecídua na Bahia, Brasil. Rodriguésia, v. 60, n. 4, p. 1055-1076, 2009. DOI: 10.1590/2175-7860200960416.

Castro, R. D. et al. Embebição e reativação do metabolismo. In: Ferreira, A. G. & Borghetti, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 149-162.

Flora do Brasil: Phyllanthaceae. In: Flora do Brasil 2020 em construção. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, [2017]. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2017.

Gonzalez-Rivas, B. et al. Seed germination and seedling establishment of Neotropical dry forest species in response to temperature and light conditions. Journal of Forestry Research, v. 20, n. 2, p. 99-104, 2009. DOI: 10.1007/s11676-009-0018-y.

Gordillo, M. M. et al. Los géneros de la familia Euphorbiaceae em México. Serie Botânica, v. 73, n. 2, p. 155-281, 2002. DOI: 10.13140/RG.2.1.3813.7762.

Gualtieri, S. C. J. & Fanti, S. C. Germinação de sementes: ecofisiologia da germinação de sementes. In: Piña-Rodrigues, F. C. M. et al. Sementes florestais tropicais: da ecologia à produção. Londrina: ABRATES, 2015. p. 259-275.

Guedes, R. S. et al. Teste de comprimento de plântula na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Erythrina velutina Willd. Semina: Ciências Agrárias, v. 30, n. 4, p. 793-802, 2009. DOI: 10.5433/1679-0359.2009v30n4p793.

Guimarães, D. M. & Barbosa, J. M. Coloração dos frutos como índice de maturação para sementes de Machaerium brasiliense Vogel (Leguminosae – Fabaceae). Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 2, p. 567-569, 2007.

Instituto Nacional de Meteorologia. Brasília, DF, 2017. Disponível em: < http://www.inmet.gov.br/>. Acesso em: 21 set. 2017.

Jiménez, J. & Gordillo, M. M. Una especie nueva del género Astrocasia (Euphorbiaceae) del estado de Guerrero, México. Acta Botánica Mexicana, n. 55, p. 1-5, 2001. DOI: 10.21829/abm55.2001.869.

Juncá, F. A. et al. Biodiversidade e conservação da Chapada Diamantina. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2005. 411 p.

Lima, T. M. et al. Influence of temperature and photoperiod on the germination of Senegalia bahiensis seeds. Semina: Ciências Agrárias, v. 38, p. 1103-1114, 2017. DOI: 10.5433/1679-0359.2017.

Melo, P. A. F. R. et al. Substrates and temperatures in the germination of Eriotheca gracilipes seeds. Revista Ciência Agronômica, v. 48, n. 2, p. 303-309, 2017. DOI: 10.5935/1806-6690.20170035.

Mendonça, A. V. R. et al. Produção e armazenamento de sementes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz, em resposta a diferentes ambientes de coleta. Agrária, v. 9, p. 413-419, 2014. DOI: 10.5039/agraria.v9i3a2589.

Oliveira, L. M. de. Teste de germinação de sementes de Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert – Fabaceae. Floresta, v. 38, n. 3, p. 545-551, 2008. DOI: 10.5380/rf.v38i3.12425.

Oliveira, A. C. C. Biometria e germinação das sementes de Courataru macrosperrma A.C. Smith (Lecythidaceae) e Schizolobium amazonicum Huber ex Ducke (Fabaceae). 2009. 94 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Cuiabá.

Oliveira Filho, A. T. et al. Compilação e caracterização das espécies arbóreas da flora nativa de Minas Gerais. In: Oliveira Filho, A. T. & Scolforo, J. R. Inventário florestal de Minas Gerais: espécies arbóreas da flora nativa. Lavras: UFLA, 2008. p. 1-8.

R Development Core Team. R: R version 3.1.3 (2015-03-09). 2015. Available at: . Accessed in: 10 Maio 2017.

Ribeiro, R. T. M & Loiola, M. I. B. Flora do Ceará: Phyllanthaceae Martinov. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 67., 2016, Vitória. Conectando diversidades, revelando o desconhecido. Vitória: [s.n.], 2016.

Santana, D. G. & Ranal, M. A. Análise da germinação: um enfoque estatístico. Brasília, DF: Ed UnB, 2004. 247 p.

Silva, A. P M et. al. Can current native tree seedling production and infrastructure meet an increasing forest restoration demand in Brazil? Restoration Ecology, v. 25, n. 4, p. 509–515, 2017. DOI: 10.1111/rec.12470.

Silva, L. B. et al. Estádios de colheita e repouso pós-colheita dos frutos na qualidade de sementes de mamoneira. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 50-59, 2009. DOI: 10.1590/S0101-31222009000100006.

Silva, L. J. et al. The effect of fruit maturity on the physiological quality and conservation of Jatropha curcas seeds. Revista Ciência Agronômica, v. 48, n. 3, p. 487-495, 2017. DOI: 10.5935/1806-6690.20170057.

Silva, M. J. & Sales, N. F. O gênero Phyllanthus L. (Phyllantheae – Euphorbiaceae Juss.) no bioma Caatinga do estado de Pernambuco – Brasil. Rodriguésia, v. 84, n. 55, p. 101-126, 2004.

Siqueira-Filho, J. A. et al. Relatório 6: inventário, monitoramento e resgate da flora em áreas de influência direta e indireta do Projeto São Francisco. Petrolina: CRAD/UNIVASF, 2009. 85 p.

Souza, J. S. et al. Flora das APAS Lago Pedra do Cavalo e Joanes- Ipitanga. In: Mendonça, A. V. R. et al. (Org.). Propagação de espécies nativas florestais nativas da Bahia. Cruz das Almas, BA, 2018. p. 428-446.

Webster, G. L. Revision of Astrocasia (Euphorbiaceae). Systematic Botany, v. 17, n. 2, p. 311-323, 1992. DOI: 10.2307/2419525.

Zhong, X. et al. Temperature dependence of seedling establishment of a perennial, Dioscorea tokoro. Journal of Plant Research, v. 115, p. 55-57, 2002. DOI: 10.1007/s102650200008.




DOI: https://doi.org/10.4336/2019.pfb.39e201801570



Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional