Contribuição da fauna silvestre em projetos de restauração ecológica no Brasil

Wanuza Helena Campos, Aurino Miranda Neto, Helberth José Cardoso Peixoto, Leandro Braga Godinho, Elias Silva

Resumo


O sucesso no processo de restauração e manutenção da dinâmica de um ecossistema é extremamente dependente da capacidade das espécies em promover interações interespecíficas entre as diversas formas de vida. Estas interações criam um cenário favorável à restauração ecológica de ecossistemas degradados. Assim, por meio de revisão de literatura, o objetivo deste trabalho é relatar a contribuição e utilização dos diferentes grupos de animais na execução de projetos de restauração ecológica no Brasil. As aves e mamíferos frugívoros e também outros animais, como os répteis, peixes e insetos, têm se destacado como ferramentas de auxílio aos projetos de restauração ecológica. As técnicas para atração de animais e consequente chegada de propágulos em um ecossistema degradado compreende a utilização de poleiros, que servem de pouso e abrigo para a avifauna e morcegos, e a utilização de abrigos artificiais, que servem para fuga de predadores, descanso e reprodução dos animais. De modo geral, estes estudos são excelentes ferramentas para gerir ações de manejo ambiental em ecossistemas degradados, possibilitando a recuperação da biodiversidade destes ambientes.

Palavras-chave


Biodiversidade; Fauna silvestre; Sucessão ecológica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4336/2012.pfb.32.72.429



Direitos autorais 2012

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional