Riqueza de mudas de espécies florestais nativas potencialmente produzidas na Bacia do Rio Grande, MG

Carlos Delano Cardoso de Oliveira, Luciana de Moura Gonzaga, Josina Aparecida de Carvalho, Lucas Amaral de Melo, Antônio Claudio Davide, Soraya Alvarenga Botelho

Resumo


A restauração ecológica do papel fundamental na retomada da integridade dos ecossistemas, a partir do restabelecimento da riqueza das espécies e da estrutura das comunidades vegetais. Assim, caso seja a realização de uma realização de planejamento, uma produção de mudas florestais com alta riqueza específica subsidiado ou sucesso da prática. O objetivo deste estudo foi analisar a riqueza de mudas de espécies florestais nativas potencialmente produzidas em viveiros na Bacia do Rio Grande, sul de Minas Gerais. A análise foi revisada no Catálogo das Árvores Nativas de Minas Gerais, considerando como espécies presentes nos subdomínios fitogeográficos Alto Rio Grande, Mantiqueira Sul, Planalto de Poços de Caldas e Noroeste. Para análise das espécies com potencial de produção nos viveiros da Bacia do Rio Grande, Foram utilizados nos dados do registro nacional de sementes e mudas (RENASEM) de 2013. Foram encontradas 1.251 espécies de ocorrência natural, 102 espécies cadastradas e 49 produtos de consumo, distribuídos em 36 municípios. Apenas cinco séries presentes na lista oficial de espécies ameaçadas de extinção foram cadastradas pelas unidades de produção. A riqueza de espécies florestais cadastradas por produto importado Não RENASEM na região estudada é muito baixa, o que pode comprometer o sucesso dos projetos de restauração ecológica.

Palavras-chave


RENASEM; Produção de mudas; Restauração ecológica

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, J. M. et al. Avaliação da diversidade de espécies nativas produzidas nos viveiros florestais do estado do Rio de Janeiro. Floresta, v. 44, n. 3, p. 369-380, 2014.

Aronson, J. et al. What role should government regulation play in ecological restoration? Ongoing debate in São Paulo State, Brazil. Restoration Ecology, v. 19, n. 6, p. 690-695, 2011. DOI: 10.1111/j.1526-100X.2011.00815.x.

Assis, G. B. et al. Uso de espécies nativas e exóticas na restauração de matas ciliares no estado de São Paulo (1957 - 2008). Revista Árvore, v. 37, n. 4, p. 599-609, 2013.

Barbosa, L. M. et al. Práticas e políticas públicas para restauração ecológica a partir de reflorestamentos com alta diversidade de espécies regionais. In: Martins, S. V. (Ed.). Restauração ecológica de ecossistemas degradados. Viçosa, MG: Ed da UFV, 2012. p. 240-261.

Barbosa, L. M. et al. Recuperação florestal com espécies nativas no estado de São Paulo: pesquisas apontam mudanças necessárias. Florestar Estatístico, v. 6, n. 14, p. 28-34, 2003.

BenDor, T. et al. Estimating the size and impact of the ecological restoration economy. Plos One, v. 10, n. 6, p. 1-15, 2015. DOI: 10.1371/journal.pone.0128339 .

Brancalion, P. H. S. et al. Improving planting stocks for the Brazilian Atlantic Forest restoration through community-based seed harvesting strategies. Restoration Ecology, v. 20, n. 6, p. 704-711, 2012. DOI: 10.1111/j.1526-100X.2011.00839.x.

Brancalion, P. H. S. et al. Instrumentos legais podem contribuir para a restauração de florestas tropicais biodiversas. Revista Árvore, v. 34, n. 3, p. 455-470, 2010. DOI: 10.1590/S0100-67622010000300010.

Brancalion, P. H. S. et al. Incorporação do conceito da diversidade genética na restauração ecológica. In: Rodrigues, R. R. et al. (Org.) Pacto pela restauração da Mata Atlântica: referencial dos conceitos e ações de restauração florestal. São Paulo: LERF/ESALQ, Instituto BioAtlântica, 2009. p. 37-54.

Brasil. Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 102, p. 1-11, 28 mai. 2012.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 56, de 8 de dezembro de 2011. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 236, p. 34-41, 9 dez. 2011.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Lei n° 10.711, de 3 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 150, p. 1-4, 5 ago. 2003.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Instrução Normativa nº. 06, de 23 de Setembro de 2008. Lista Oficial da flora brasileira ameaçada de extinção. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 185, p. 75-83, 24 set. 2008.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. PLANAVEG: versão preliminar. Brasília, 2014a. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2017.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Portaria n° 443, de 17 de dezembro de 2014. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 110-121, 18 dez. 2014b.

Calegari, L. et al. Produção de mudas de espécies arbóreas nativas em viveiro via resgate de plantas jovens. Revista Árvore, v. 35, n. 1, p. 41-50, 2011.

Cangahuala-Inocente, G. C. et al. Improvements in somatic embryogenesis protocol in Feijoa (Acca sellowiana (Berg) Burret): Induction, conversion and synthetic seeds. Scientia Horticulturae, v. 111, n. 3, p. 228-234, 2007. DOI: 10.1016/j.scienta.2006.10.030.

Carvalho, W. A. C. et al. Variação espacial da estrutura da comunidade arbórea de um fragmento de floresta semidecídua em Piedade do Rio Grande, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 30, n. 2, p. 315-335, 2007. DOI: 10.1590/S0100-84042007000200015.

Chaves, R. B. et al. On the need of legal frameworks for assessing restoration projects success: new perspectives from São Paulo state (Brazil). Restoration Ecology, v. 23, n. 6, p. 754-759, 2015. DOI: 10.1111/rec.12267.

Chazdon, R. L. Beyond deforestation: restoring forests and ecosystem services on degraded lands. Science, v. 320, n. 5882, p. 1458–1460, 2008. DOI: 10.1126/science.1155365.

Companhia Energética de Minas Gerais. Bacia do Rio Grande. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2016.

Comitê de Bacia Hidrográfica CBH Grande. A bacia. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2016.

Delgado, L. F. & Barbedo, C. J. Water potential and viability of seeds of Eugenia (Myrtaceae), a tropical tree species, based upon different levels of drying. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 55, n. 4, p. 583-590, 2012. DOI: 10.1590/S1516-89132012000400014.

Durigan, G. et al. Normas jurídicas para a restauração ecológica: uma barreira a mais a dificultar o êxito das iniciativas? Revista Árvore, v. 34, n. 3, p. 471-485, 2010. DOI: 10.1590/S0100-67622010000300011.

Fagundes, L. M. et al. Florística e estrutura do estrato arbóreo de dois fragmentos de florestas decíduas às margens do Rio Grande, em Alpinópolis e Passos, MG, Brasil. Acta Botânica Brasileira, v. 21, n. 1, p. 65-78, 2007. DOI: 10.1590/S0102-33062007000100007.

Flora do Brasil 2020. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, [2016]. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2016.

Gonçalves, E. O. et al. Diagnóstico dos viveiros municipais no Estado de Minas Gerais. Ciência Florestal, v. 14, n. 2, p. 1-12, 2004. DOI: 10.5902/198050981801.

Instituto Estadual de Florestas. Produção de mudas. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2016.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Diagnóstico da produção de mudas florestais nativas no Brasil: relatório de pesquisa. Brasília, DF, 2015. 58 p. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2016.

Isbell, F. et al. High plant diversity is needed to maintain ecosystem services. Nature, v. 477, n. 7363, p. 199-202, 2011. DOI: 10.1038/nature10282.

Larjavaara, M. A review on benefits and disadvantages of tree diversity. The Open Forest Science Journal, v. 1, p. 24-26, 2008. DOI: 10.2174/1874398600801010024.

Minas Gerais. Lei n° 20.922, de 16 de outubro de 2013. Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado. Diário Oficial do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Seção do Executivo, p. 1-8, 17 out. 2013.

Myers, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v. 403, n. 6772, p. 853–858, 2000. DOI: 10.1038/35002501.

Oliveira Filho, A. T. Catálogo das árvores nativas de Minas Gerais: mapeamento e inventário da flora nativa e dos reflorestamentos de Minas Gerais. Lavras: Ed da UFLA, 2006. 423 p.

Rede Mata Atlântica de Sementes Florestais. Diagnóstico dos viveiros florestais de espécies nativas da Mata Atlântica da Bahia e Espírito Santo. Seropédica, 2007. 30 p. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2016.

Rio de Janeiro. Secretaria de Estado do Ambiente. Superintendência de Biodiversidade. Diagnóstico da produção de mudas de espécies nativas no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2010. 63 p. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2016.

Rodrigues, R. R. et al. Large-scale ecological restoration of high-diversity tropical forests in SE Brazil. Forest Ecology and Management, v. 261, n. 10, p. 1605-1613, 2011. DOI: 10.1016/j.foreco.2010.07.005.

Rodrigues, R. R. et al. On the restoration of high diversity forests: 30 years of experience in the Brazilian Atlantic Forest. Biological Conservation, v. 142, n. 6, p. 1242-1251, 2009. DOI: 10.1016/j.biocon.2008.12.008.

Sampaio, A. B. et al. Does restoration enhance regeneration of seasonal deciduous forests in pastures in central Brazil? Restoration Ecology, v. 15, n. 3, p. 462-471, 2007. DOI: 10.1111/j.1526-100X.2007.00242.x.

Santos, J. J. & Queiroz, S. E. E. Diversidade de espécies nativas arbóreas produzidas em viveiros. Enciclopédia Biosfera, v. 7, n. 12, p. 1-8, 2011.

São Paulo. Resolução SMA n° 32, de 03 de maio de 2014. Estabelece as orientações, diretrizes e critérios sobre a restauração ecológica no estado de São Paulo e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado, São Paulo, Seção I, p. 36-37, 5 abr. 2014.

Silva, A. P. M. et al. Can current tree seedling production and infrastructure meet an increasing forest restoration demand in Brazil? Restoration Ecology, v.1, 2016. DOI: 10.1111/rec.12470.

Society for Ecological Restoration. Science & Policy Working Group. SER international primer for ecological restoration. Tucson, 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2016.

Souza, F. N. et al. Composição florística e estrutura de dois fragmentos de Floresta Estacional Semidecidual na Bacia do Rio Grande, Minas Gerais. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 52, p. 183-185, 2007.

Turchetto, F. et al. Can transplantation of forest seedlings be a strategy to enrich seedling production in plant nurseries? Forest Ecology and Management, v. 375, p. 96-104, 2016. DOI: 10.1016/j.foreco.2016.05.029.

Viani, R. A. G. & Rodrigues, R. R. Sobrevivência em viveiro de mudas de espécies nativas retiradas da regeneração natural de remanescente florestal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n. 8, p. 1067-1075, 2007. DOI: 10.1590/S0100-204X2007000800002.




DOI: http://dx.doi.org/10.4336/2017.pfb.37.90.1342

Direitos autorais 2017 Pesquisa Florestal Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional