Avaliação dos focos de calor e da fórmula de Monte Alegre no parque Nacional da Chapada dos Guimarães

Arlindo de Paula Machado Neto, Antonio Carlos Batista, Ronaldo Viana Soares, Daniela Biondi, Riubi Lopes de Morais

Resumo


O presente estudo teve por objetivo analisar o comportamento da Fórmula de Monte Alegre (FMA) e quantificar os focos de calor detectados por satélites de referência, comparando os mesmos com os incêndios ocorridos no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães de 2007 a 2015. O monitoramento dos focos de calor foi realizado através de imagens dos satélites AQUA, TERRA e NOAA, cujos dados diários de focos detectados foram usados para compor a série temporal ao longo dos anos, permitindo a análise de tendências dos números de focos para o parque. Os dados foram adquiridos na plataforma do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, na base de dados históricos do Instituto Nacional de Meteorologia e junto à gerência do parque. Na maioria dos anos houve uma superestimação do número de focos de calor em relação ao número de ocorrência dos incêndios. O satélite TERRA apresentou valores que mais se aproximaram do número de registros de fogo no parque. Observou-se que 87,69% dos incêndios foram validados em relação a FMA, onde 60% estavam na classe de perigo muito alto e 27,69% enquadraram-se na classe de perigo alto, demonstrando a efetividade da FMA em relação aos registros de incêndios ocorridos no parque.

Palavras-chave


Incêndios florestais; Unidade de conservação; Satélites

Texto completo:

PDF

Referências


Aximoff, I. & Rodrigues, R. de C. Histórico dos incêndios florestais no Parque Nacional do Itatiaia. Ciência Florestal, v. 21, n. 1, p. 83-92, 2011. DOI: 10.5902/198050982750.

Batista, A. C. O uso dos retardantes no combate aéreo aos incêndios florestais. Floresta, v. 39, p. 5-10, 2009.

Cavalcanti, R. Capricho da natureza. UnB Revista, edição especial, p. 20-23, 2000.

Couto, J. et al. Plano de controle ambiental das obras de adequação do acesso ao Parque Nacional de Chapada dos Guimarães / MT. Chapada dos Guimarães, MT, 2006. Relatório não publicado.

Deppe, F. et al. Comparação de índice de risco de incêndio florestal com focos de calor no estado do Paraná. Floresta, v. 34, n. 2, p. 119-126, 2004. DOI: 10.5380/RF.V34I2.2382.

Fiedler, N. C. et al. Ocorrência de incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Goiás. Ciência Florestal, v. 16, n. 2, p. 153-161, 2006.

Global Wildland Fire Network: Regional South America Wildland

Fire Management Network. Avaliable from: . 2007. Access on: 22 Set. 2017.

Graneman, N. D. C. & Carneiro, G. L. Monitoramento de focos de incêndios e áreas queimadas com a utilização de imagens de sensoriamento remoto. Revista de Engenharia e Tecnologia, v. 1, n. 1, p. 61, 2009.

Ibama (Brasília, DF). Plano de ação emergencial do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Brasília, DF, 1995. Documento não publicado.

ICMBio. Plano de manejo: Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Relatório final editado em abril de 2009. Disponível em < http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/parna_chapada-dos-guimaraes.pdf >. Acesso em: 18 out. 2016.

ICMBio. Formação de brigadista de prevenção e combate aos incêndios florestais: apostila. Brasília, DF: Diretoria de Unidades de Conservação de Proteção Integral, Coordenação Geral de Proteção Ambiental, 2010. 87 p.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Brasil). Inpe BDQueimadas: Banco de Dados de Queimadas. São José dos Campo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016.Koproski, L. de P. et al. Ocorrências de incêndios florestais no Parque Nacional de Ilha Grande – Brasil. Floresta, Curitiba v. 34, n. 2, p. 193-197, mai./ago. 2004.

Machado, R. B. et al. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Relatório técnico não publicado. Conservação Internacional, Brasília, DF. 2004.

Machado, N. G. et al. Efeito das condições meteorológicas sobre o risco de incêndio e o número de queimadas urbanas e focos de calor em Cuiabá-MT, Brasil. Ciência e Natura, v. 36, n. 3, p. 459-469, 2014. DOI: 10.5902/2179460X11892.

Magalhães, S. R. et al. Avaliação do combate aos incêndios florestais no Parque Nacional da Serra da Canastra. Floresta e Ambiente, v. 18, n. 1, p. 80-86, 2011.

Mato Grosso. Secretaria de Estado de Planejamento. Zoneamento socioecológico e econômico de Mato Grosso. 2007. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2014.

Ramos, A. B. R. et al. Temporada de incêndios florestais no Brasil em 2010: análise de série histórica de 2005 a 2010 e as influências das chuvas e do desmatamento na quantidade dos focos de calor. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 15., 2011, Curitiba. Anais... São José dos Campos: INPE, 2011. p. 7902-7909.

Soares, R.V. Desempenho da “fórmula de monte alegre” índice brasileiro de perigo de incêndios florestais. Cerne, v. 4, n. 1, p. 87-99, 1998.

Soares, R. V. & Batista, A.C. Incêndios florestais - Controle, efeitos e uso do fogo. Curitiba, 2007.

Souza, A. P. et al. Avaliação dos riscos de ocorrência de incêndios florestais nas regiões Norte e Noroeste da Amazônia Matogrossense. Scientia Plena, v. 8, n. 5, p. 1-14, 2012.

Tetto, A. F. et al. Comportamento e ajuste da Fórmula de Monte Alegre, na Floresta Nacional de Irati, Estado do Paraná. Scientia Forestalis, v. 38, p. 409-417, 2010a.

Tetto, A. F. et al. Subsídios à prevenção e combate a incêndios florestais com base no comportamento da precipitação pluviométrica na floresta nacional de Irati, Paraná. Ciência Florestal, v. 20, n. 1, p. 33-43, 2010b.

Tetto, A. F. et al. Zoneamento do risco de incêndios florestais para o estado do Paraná, Brasil. In: SIMPÓSIO SULAMERICANO SOBRE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS, 5., 2011, Campinas. Anais... Curitiba, 2011. CD-ROM.

Tomzhinski, G. W. et al. Avaliação da detecção de focos de calor por sensoriamento remoto para o Parque Nacional do Itatiaia. Biodiversidade Brasileira, v. 1, n. 2, p. 201-211, 2011.

Torres, F. T. P. & Ribeiro, G. A. Índices de risco de incêndios florestais em Juiz de Fora/MG. Seropédica: Floresta e Ambiente, v. 15 n. 2, p. 30-39, 2008.




DOI: https://doi.org/10.4336/2017.pfb.37.92.1440



Direitos autorais 2017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional