Fragmentação florestal em região semiárida no Nordeste do Brasil

Janisson Batista de Jesus, Dráuzio Correira Gama, José Monteiro do Nascimento Júnior, Márcia Rodrigues de Moura Fernandes, Milton Marques Fernandes

Resumo


Os estudos de ecologia da paisagem a partir de métricas utilizando geoprocessamento e sensoriamento remoto são importantes tecnologias para avaliar as condições dos remanescentes florestais nativos, principalmente em biomas fragmentados e com alta taxa de desmatamento como a Caatinga. Este trabalho objetivou descrever a estrutura da paisagem florestal no município de Ribeira do Pombal, BA, por meio de índices métricos da paisagem. Utilizou-se uma imagem do satélite Landsat-8 OLI para a determinação do uso do solo e dos fragmentos florestais. Para o cálculo das métricas da paisagem, foi utilizado o software Fragstats 4.2®. Mesmo em uma matriz com alto percentual de pastagens, predominam na paisagem fragmentos de caatinga aberta e densa de tamanhos médio e grande, com grande proximidade e conectividade. O reflorestamento e enriquecimento dos fragmentos muito pequenos da caatinga aberta podem contribuir para serem utilizados como corredores. O grande percentual de fragmentos maiores que 100 ha garante diversidade florística e resiliência da caatinga densa no município de Ribeira do Pombal, BA.


Palavras-chave


Remanescentes florestais; Floresta tropical sazonalmente seca; Índices de ecologia da paisagem

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J. S. et al. Modelagem da dinâmica de uso e ocupação da terra no município de Pombal - PB. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 10, n. 1, p. 276-282, 2015. http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v10i1.3923.

Alvares, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. http://dx.doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507.

Barbosa, K. V. C. et al. Use of small Atlantic Forest fragments by birds in Southeast Brazil. Perspectives in Ecology and Conservation, v. 15, p. 42-46, 2017. https://doi.org/10.1016/j.pecon.2016.11.001.

Bircol, G. A. C. et al. Planning by the rules: a fair chance for the environment in a land-use conflict area. Land Use Policy, v. 76, p. 103-112, 2018. https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2018.04.038.

Brasil. Ministério da Integração Nacional. Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste. Resolução nº 107/2017. Estabelece critérios técnicos e científicos para delimitação do Semiárido Brasileiro e procedimentos para revisão de sua abrangência. Recife, 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Monitoramento do desmatamento nos biomas brasileiros por satélite: monitoramento do bioma Caatinga 2008-2009. Brasília, DF, 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

Calegari, L. et al. Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município de Carandaí, MG, para fins de restauração florestal. Revista Árvore, v. 34, n. 5, p. 871-880, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000500012.

Chaves, I. B. et al. Uma classificação morfo-estrutural para a descrição e avaliação da biomassa da vegetação da caatinga. Caatinga, v. 21, n. 2, p. 201-213, 2008.

Costa, O. B. et al. Análise do processo de fragmentação da floresta nos municípios de Corumbiara e Buritis - RO. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 3, p. 334-344, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.044113.

Cuenca, M. A. G. & Mandarino, D. C. RRealocação espacial da agricultura no âmbito de microregiões: Bahia, 1990 e 2005. Documentos, Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros 2007. 21 p.

Fernandes, M. M. & Fernandes, M. R. M. Análise espacial da fragmentação florestal da bacia do Rio Ubá - RJ. Ciência Florestal, v. 27, n. 4, p. 1429-1439, 2017. http://dx.doi.org/10.5902/1980509830330.

Forman, R. T. T. Land Mosaics: the ecology of landscape and regions. Cambridge: Cambridge University Press, 1995. 632 p.

Goulart, A. A. et al. Fragmentação da vegetação de Cerrado, entre os anos de 1984 e 2011 no Parque Estadual do Cerrado (Jaguariaíva-PR) e em sua Zona de Amortecimento. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 8, n. 3, p. 857-866, 2015.

Jesus, E. N. et al. Estrutura dos fragmentos florestais da Bacia hidrográfica do rio Poxim-SE, como subsídio à restauração ecológica. Revista Árvore, v. 39, n. 3, p. 467-474, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/0100-67622015000300007.

Juvanhol, R. S. et al. Análise espacial de fragmentos florestais: caso dos Parques Estaduais de Forno Grande e Pedra Azul, Estado do Espírito Santo.. Floresta e Ambiente, v. 18, n. 4, p. 353-364, 2011. http://dx.doi.org/10.4322/floram.2011.055.

Massoli Junior, E. V. et al. Estimativa da fragmentação florestal na microbacia Sepotubinha, Nova Marilândia - MT, entre os anos de 1990 a 2014. Caminhos de Geografia, v. 17, n. 60, p. 48-60, 2016. https://doi.org/10.14393/RCG176004.

Mcgarigal, K. Fragstats: Fragstats help: versão 4.2.: computer software program produced by the author at the University of Massachusetts.: Amherst, 2013.

Mendes, N. G. S. et al. Análise espacial da cobertura florestal de restinga da sub-bacia hidrográfica do Rio Comboios, Espírito Santo. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 10, n. 2, p. 286-292, 2015. http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v10i2a4974.

Metzger, J. P. Estrutura da paisagem e fragmentação: análise bibliográfica. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 71, n. 3, p. 445-463, 1999.

Miranda, R. Q. et al. Dry forest deforestation dynamics in Brazil’s Pontal Basin. Revista Caatinga, v. 31, n. 2, p. 385-395, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21252018v31n215rc.

Moraes, M. C. P. et al. Análise da paisagem de uma zona de amortecimento como subsídio para o planejamento e gestão de unidades de conservação. Revista Árvore, v. 39, n. 1, p. 1-8, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/0100-67622015000100001.

Muchailh, M. C. et al. Metodologia de planejamento de paisagens fragmentadas visando a formação de corredores ecológicos. Revista Floresta, v. 40, n. 1, p. 147-162, 2010.

Pereira Júnior, J.S. Nova delimitação do semiárido brasileiro. Brasília, DF: Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados, 2007. 25 p.

Pereira, M. P. S. et al. A cobertura florestal em paisagens do Médio Vale do Rio Paraíba do Sul. Floresta e Ambiente, v. 24, p. 1-11, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.134115.

Saito, N. S. et al. Geotecnologia e ecologia da paisagem no monitoramento da fragmentação florestal. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 2, p. 201-210, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.119814.

Santos, J. F. C. et al. Fragmentação florestal na Mata Atlântica: o caso do município de Paraíba do Sul, RJ, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, v. 15, n. 3, p. 151-158, 2017.

Sartori, A. A. C. et al. Combinação linear ponderada na definição de áreas prioritárias à conectividade entre fragmentos florestais em ambiente SIG. Revista Árvore, v. 36, n. 6, p. 1079-1090, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622012000600009.

Silva, A. C. et al. Aspectos da ecologia da paisagem e ameaças à biodiversidade em uma unidade de conservação na Caatinga, em Sergipe. Revista Árvore, v. 37, n. 3, p. 479-490, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622013000300011.

Silva, M. S. F. & Souza, R. M. Padrões espaciais de fragmentação florestal na FLONA do Ibura - Sergipe. Mercator, v. 13, n. 3, p. 121-137, 2014. 10.4215/RM2014.1303. 0009.

Silva, R. A. et al. Avaliação da cobertura florestal na paisagem de Mata Atlântica no ano de 2010, na região de Ouro Preto - MG. Cerne, v. 21, n. 2, p. 301-309, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/01047760201521021539.

Silva, R. M. P. et al. Alteração da cobertura vegetal na Sub-Bacia do Rio Espinharas de 2000 a 2010. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 2, p. 202-209, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662014000200011.

Tso, B. & Mather, P. M. Classification methods for remotely sensed data. New York: Taylor & Francis, 2001. 332 p.

Velloso, A. L. et al. (Ed). Ecorregiões: propostas para o bioma Caatinga. Recife: Associação Plantas do Nordeste; Instituto de Conservação Ambiental, 2002. 76 p.

Volotão, C. F. S. Trabalho de análise espacial: métricas do Fragstats. São José dos Campos: INPE 1998.




DOI: https://doi.org/10.4336/2019.pfb.39e201801683



Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / Ebsco, AGRIS, Agrobase / Binagre , BDPA, CABI Direct, CCN, CIRS, Diadorim , DOAJ, e.journals, Forestry Compendium, Genamics JournalSeek, Google Acadêmico, Journals for free, Latindex, Livre, Miar, OasisbrPortal da Capes, RCAAP, Road, Sabiia, Scilit, Redib

.

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional