Análise da estrutura horizontal por densidade de Kernel como subsídio ao manejo florestal na Amazônia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4336/2021.pfb.41e202002098

Palavras-chave:

Floresta de Terra Firme, Dispersão, Sistema de Informação Geográfica

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo caracterizar a estrutura horizontal de uma área da Floresta Amazônica primária e a distribuição espacial das espécies Goupia glabra (Aubl.), Qualea spp. e Dipteryx odorata (Aubl.) Willd., por meio da análise da densidade de Kernel, visando embasar o planejamento do manejo florestal. A área de estudo localiza-se em Santa Carmem, microrregião de Sinop, estado do Mato Grosso (1.024 ha), onde foram  mensurados todos os indivíduos com diâmetro a 1,30 m do solo ≥ 30 cm. Foram calculadas as densidades, frequências e dominâncias, absolutas e relativas, além dos índices de valor de importância e de cobertura. A densidade de Kernel e a análise de dispersão em nível de espécie foram obtidas com o programa ArcGIS. A área foi classificada pelo índice de Shannon como de baixa diversidade e mais de 50% das espécies foram classificadas com tendência a agrupamento. Qualea spp. apresentou os maiores valores para todos os parâmetros analisados. Observou-se que a maior concentração de indivíduos se dá nas classes diamétricas passíveis de exploração.  A aplicação da densidade de Kernel surge como uma ferramenta promissora ao planejamento do manejo florestal sustentável, permitindo a definição de zonas preferenciais para exploração sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, L. S. et al. Fitossociologia e uso múltiplo de espécies arbóreas em floresta manejada, Comunidade Santo Antônio, município de Santarém, Estado do Pará. Acta Amazônica, v. 42, p. 185-194, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672012000200002.

Amaral, S. et al. Interpoladores espaciais para geração de superfícies de densidade populacional na Amazônia Brasileira: problemas e perspectivas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOINFORMÁTICA, 4., 2002, Caxambu. Anais... Belo Horizonte: Geoinfo, 2002. p. 53-89.

Andrade, D. F. et al. Inventário florestal de grandes áreas na Floresta Nacional do Tapajós, Pará, Amazônia, Brasil. Biota Amazônia, v. 5, n. 1, p. 109-115, 2015. http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1025613.

Andrade, R. T. G. et al. Fitossociologia de uma floresta de terra firme na Amazônia Sul-Ocidental, Rondônia, Brasil. Biota Amazônia, v. 7, n. 2, p. 36-43, 2017. http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v7n2p36-43.

Andrade Filho, V. S. de et al. Distribuição espacial de queimadas e mortalidade em idosos em região da Amazônia Brasileira, 2001-2012. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 1, p. 245-253, 2017. DOI: 10.1590/1413-81232017221.09622015.

Araújo, P. T. M. & Figueiredo, S. M. de M. Mapeamento e distribuição espacial de focos de calor em anos de secas severas no sul da Amazônia, Brasil. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 18., 2017, Santos. Anais... São Paulo: INPE, 2017. p. 662-668.

Arenas, M. D. et al. Cobertura vegetal de Alta Floresta, Amazônia Meridional Matogrossense. Espacios, v. 36, n. 20, 2015.

Barros, P. L. C. Estudo fisiológico de uma Floresta Tropical Úmida no planalto de Curuá-uma, Amazônia Brasileira. 1986. 158 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Batista, A. P. B. et al. Caracterização estrutural em uma floresta de terra firme no estado do Amapá, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 35, n. 81, p. 21- 33, 2015. https://doi.org/10.4336/2015.pfb.35.81.689.

Brasil. Instrução normativa nº 5, de 11 de dezembro de 2006. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, seção 1, p. 155, 13 dez. 2006.

Braz, E. M. Planejamento da exploração em florestas naturais. Colombo: Embrapa Florestas, 2005. (Embrapa Florestas. Documentos, 118). https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/303966.

Braz, E. M. et al. Taxa de corte sustentável para manejo das florestas tropicais. Ciência Florestal, v. 22, n. 1, p. 137-145, 2012. http://dx.doi.org/10.5902/198050985086.

Braz, E. M. et al. Strategies for achieving sustainable logging rate in the Brazilian Amazon Forest. Open Journal of Forestry, v. 4, n. 2, p. 100-105, 2014. http://dx.doi.org/10.4236/ojf.2014.42015.

Braz, E. M. et al. Criteria to be considered to achieve a suustainable second cycle in Amazon Forest. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 35, n. 83, p. 209-225, 2015. https://doi.org/10.4336/2015.pfb.35.83.941.

Broza, K. T. et al. Etapas do planejamento do projeto MODEFLORA em SIG livre. In: SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO E SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADOS À ENGENHARIA FLORESTAL, 10., 2012, Curitiba. Anais... Paraná: FUPEF, 2012. p. 651-658.

Caña, B. B. et al. Análise da transformação da floresta Amazônica a partir do uso de geotecnologias – Google Earth Engine – nas aulas de geografia do ensino fundamental. Boletim Gaúcho de Geografia, v. 42, n. 2, p. 553-567, 2015.

Carim, M. J. V. et al. Composição e estrutura de Floresta Ombrófila Densa do extremo norte do Estado do Amapá, Brasil. Biota Amazônia, v. 3, n. 2, p. 1-10. 2013. http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.

Carvalho, J. O. P. de. Manejo de regeneração natural de espécies florestais. Belém: Embrapa-CPATU, 1984. (Embrapa-CPATU. Documentos, 34).

Condé, T. M. & Tonini, H. Fitossociologia de uma Floresta Ombófila Densa na Amazônia Setentrional, Roraima, Brasil. Acta Amazônica, v. 43, n. 3, p. 247-260. 2013. http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/978261.

Costa, D. L. da. Estrutura e distribuição espacial de Symphonia globulifera L. F. Em floresta de várzea baixa, Afua-PA. Advances in Forestry Science, v. 5, n. 1, p. 275-281, 2018. https://doi.org/10.34062/afs.v5i1.5665.

Costa, F. G. et al. Influência do transporte no uso da terra: o potencial de viabilização da produção de soja na amazônia legal devido ao desenvolvimento da infra-estrutura de transportes. Revista de Economia e Sociologia Rural. v. 39, n. 2, p. 27-50, 2001.

Cunha, J. P. L. da & Bias, E. S. Uso do mapeamento remoto por radar na identificação de vestígios arqueológicos: estudo de caso do Projeto Radiografia da Amazônia. Revista de Geologia, v. 32, n. 2, p. 199-210, 2019.

Dias Júnior, C. F. et al. Measure: sistema de coleta de informações. Tecno-Lógica, v. 24, n. 1, p. 103-111, 2020. http://dx.doi.org/10.17058/tecnolog.v24i1.13689

Domingues, M. S. & Bermann, C. O arco de deflorestamento na Amazônia: da pecuária à soja. Ambiente & Sociedade, v. 15, n. 2, p. 1-22, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2012000200002.

ESRI. Environmental Systems Research Institute. Redlands. ArcGIS Desktop: release 9.3. New York, 2009.

Ferreira, G. P. & Sano, E. E. Mapa de densidade de Kernel como indicador de desmatamento futuro na Amazônia Legal. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 16., Foz do Iguaçú. Anais... Paraná: INPE, 2013. p. 4404-4410.

Figueiredo, E. O. et al. LIDAR-based estimation of bole biomass for precision management of an Amazonian forest: Comparisons of ground-based and remotely sensed estimates. Remote Sensing of Environment, v. 187, p. 281-293, 2016. https://doi.org/10.1016/j.rse.2016.10.026.

Freitas, P. M. de et al. Software Mata Nativa 2: Sistema de informações aplicado ao manejo de florestas naturais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROINFORMÁTICA, 5., 2005, Londrina. Anais... Paraná: SBI-AGRO, 2005.

Gualberto, M. L. C. et al. Fitossociologia e potencial de espécies arbóreas em ecossistema sucessional na Floresta Nacional do Tapajós, Pará. Agroecossistemas, v. 6, n. 1, p. 45-57, 2014. http://dx.doi.org/10.18542/ragros.v6i1.1593.

Hopkins, M. J. G. Modelling the known and unknown plant biodiversity of the Amazon basin. Journal of Biogeography, v. 34, p.1400-1411, 2007. https://doi.org/10.1111/j.1365-2699.2007.01737.x.

Hosokawa, R. T. et al. Introdução ao manejo e economia florestal. Curitiba: UFPR, 1998. 162 p.

Klauberg, C. et al. Utilizando ferramenta SIG para subsídio ao inventário de um produto florestal não madeireiro (PFNM) do tipo cipó, em área florestal Amazônica. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 17., 2013, Foz do Iguaçú. Anais... Paraná: INPE, 2013. p. 120-128.

Knight, D. H. A. A phytosociological analysis of species-rich tropical forest on Barro Colorado Island, Panama. Ecological Mongraphs, v. 45, p. 259-280, 1975. https://doi.org/10.2307/1942424.

Lamprech, H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas: possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Eschbom: Instituto de Silvicultura da Universidade de Göttingen, 1990. 343 p.

Leão, F. M. et al. Sample intensity in ombrophilous open forest at Verde Para Sempre Extractive Reserve, Poto de Moz, PA. Revista Agro@mbiente on-line, v. 12, n. 1, p. 68-79, 2018. http://dx.doi.org/10.18227/1982-8470ragro.v12i1.4472.

Lima, R. B. A. et al. Análises estruturais do componente arbóreo em floresta de Terra Firme, Carauari, Amazonas, Brasil. Biodiversidade, v. 17, n. 1, p. 1-16. 2018.

Martins, F. S. R. V. Análise de ferramentas de SIG para a estimativa de biomassa potencial: um estudo de caso em região de contato floresta/savana, Roraima. In: XV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 15., 2011, Curitiba. Anais... Paraná: INPE, 2011. p. 4126-4133.

McGuiness, W. G. The relation between frequency index and abundance as applied to plant populations in a semiarid region. Ecology, v. 15, n. 3, p. 263-282, 1934.

Moras Filho, L. O. et al. Classificador de máxima verossimilhança aplicado à identificação de espécies nativas na Floresta Amazônica. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 18., 2017, Santos. Anais... São Paulo: INPE, 2017. p. 1605-1610. http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1072220.

O’hara, K. L. Silviculture for structure diversity: a new look at multiaged systems. Journal of Forestry, v. 96, p. 4-10, 1998. https://doi.org/10.1093/jof/96.7.4a.

Oliveira, A. N. et al. Composição e diversidade florístico-estrutural de um hectare de floresta densa de terra firme na Amazônia Central, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, v. 38, n. 4, p. 627-641, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672008000400005.

Pascal, J. Notions sur les structures et dynamique des forêts tropicales humides. Revue Forestière Française, v. 55, p. 118-130. 2003. https://doi.org/10.4267/2042/5765.

Passos, C. A. M. & Mason, R. J. Potencial madeireiro do estado do Mato Grosso. Várzea Grande: CIPEM, 2005. 69 p.

Pellico Netto, S. & Brena, D. A. Inventário florestal. Curitiba, 1997.

Reis, L. P. et al. Dinâmica da distribuição diamétrica de algumas espécies de Sapotaceae após exploração florestal na Amazônia Oriental. Revista Ciências Agrárias, v. 57, n. 3, p. 234-243, 2014.

Ribeiro, E. S. et al. Espécies florestais comercializadas pelo estado de Mato Grosso. Biodiversidade, v. 15, n. 2, p. 2-20, 2016.

Ribeiro, R. J. et al. Estudo fitossociológico nas regiões de Carajás e Marabá – Pará, Brasil. Acta Amazonica, v. 29, n. 2, p. 207-207, 1999. https://doi.org/10.1590/1809-43921999292222.

Rodrigues R. R. & Shepherd, G. J. Análise da variação estrutural e fisionômica da vegetação e características edáficas, num gradiente altitudinal na Serra do Japi. In: Morellato, L. P. C. (org.). História natural da Serra do Japi: ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. Campinas: Ed Unicamp, 1992. p. 64-96.

Rodrigues, I. A. et al. Levantamento fitossociológico em áreas sob influência da rodovia PA-150 nos municípios de Aracá e Tailândia, PA. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 1997. (Embrapa Amazônia Oriental. Boletim de Pesquisa, 179).

Rodrigues, L.A. et al. Efeitos de solos e topografia sobre a distribuição de espécies arbóreas em um fragmento de floresta estacional semidecidual, em Luminárias, MG. Revista Árvore, v. 31, n. 1, p. 25-35, 2007. https://doi.org/10.1590/S0100-67622007000100004.

Rolim, S. G. & Nascimento, H. E. M. Análise da riqueza, diversidade e relação espécie-abundância de uma comunidade arbórea tropical em diferentes intensidades amostrais. Scientia Forestalis, n. 52, p. 7-16, dez. 1997. https://www.researchgate.net/publication/237244297.

Ruggiero, P. G. C. et al. Soil-vegetation relationships in Cerrado (Brazilian savanna) and Semideciduous Forest, Southeastern Brazil. Plant Ecology, v. 160, p.1–16, 2002. https://doi.org/10.1023/A:1015819219386.

Schneider, P. R. & Schneider, P. O. Manejo Florestal. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria. Centro de Ciências Rurais. Departamento de Ciências Florestais, 2008.

Silva, J. N. M. & Lopes, J. do C. A. Inventário florestal contínuo em florestas tropicais: a metodologia utilizada pela Embrapa CPATU na Amazônia Brasileira. Belém: Embrapa-CPATU, 1984. (Embrapa-CPATU. Documentos, 36).

Silva, K. E. da et al. Composição florística e fitossociológica de espécies arbóreas do Parque Fenológico da Embrapa Amazônia Ocidental. Acta Amazonica, v. 38, p. 213-222, 2008.

Silva, L. S. & França, C. A. S. M. SIG como ferramenta de mapeamento das formas de uso e ocupação do solo na APA Igarapé São Francisco, Rio Branco, Acre. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 16., 2013, Foz do Iguaçú. Anais... Paraná: INPE, 2013. p.

Silva, K. E. et al. Dinâmica florestal, estoque de carbono e fitossociologia de uma floresta densa de terra-firme na Amazônia Central. Scientia Forestalis, v. 43, n. 105, p. 193-201, 2015.

Silva, E. F. et al. Allocation of Storage Yards in Management Plans in the Amazon by Means of Mathematical Programming. Forests, v. 9, n. 3, 2018. https://doi.org/10.3390/f9030127.

Silva, E. F. da et al. Optimized forest planning: allocation of log storage yards in the Amazonian sustainable forest management area. Forest Ecology and Management, v. 472, p. 1-9, 2020. https://doi.org/10.1016/j.foreco.2020.118231.

Silverman, B. W. Density estimation for statistics and data analysis. Chapman & Hall, London. 1986. 176 p.

Souza, N. P. de et al. Aplicação do estimador de densidade Kernel em unidades de conservação na Bacia do Rio São Francisco para análise de focos de desmatamento e focos de calor. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 16., 2013, Foz do Iguaçú. Anais... Paraná: INPE, 2013. p. 4958-4965.

Tavares, P. A. Clima, antropização e análise de focos de calor em unidades de conservação de proteção integral na Amazônia Brasileira. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 19., 2019, Santos. Anais... São Paulo: INPE, 2019. 5 p.

Ubialli, J. A. et al. Comparação de métodos e processos de amostragem para estudos fitossociológicos em uma floresta ecotonal na região norte matogrossense. Floresta, v. 39, n. 3, p. 511-523, 2009. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v39i3.15351.

Umetsu, R. K. et al. Análise morfométrica e socioambiental de uma bacia hidrográfica Amazônica, Carlinda, MT. Revista Árvore, v. 36, n. 1, p. 83-92, 2012. https://doi.org/10.1590/S0100-67622012000100010.

Vale, J. R. B. & Bordalo, C. A. L. Caracterização morfométrica e do uso e cobertura da terra da bacia hidrográfica do Rio Apeú, Amazônia Oriental. Formação (Online), v. 27, n. 51, p. 313-335, 2020. https://doi.org/10.33081/formacao.v27i51.6026

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

OLIVEIRA, M. F.; MATTOS, P. P. de; GARRASTAZU, M. C.; BRAZ, E. M.; FIGUEIREDO FILHO, A.; ROSOT, N. C. Análise da estrutura horizontal por densidade de Kernel como subsídio ao manejo florestal na Amazônia. Pesquisa Florestal Brasileira, [S. l.], v. 41, 2021. DOI: 10.4336/2021.pfb.41e202002098. Disponível em: https://pfb.cnpf.embrapa.br/pfb/index.php/pfb/article/view/2098. Acesso em: 18 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 > >>