Durabilidade natural das madeiras de Apuleia leiocarpa, Astronium lecointei e Enterolobium schomburgkii ao fungo apodrecedor Trametes versicolor

Magnos Alan Vivian, Karina Soares Modes, Adriana Terumi Itako, Paola Cristine Pereira da Cruz, Évelyn Janaina Grosskopf, Gláucia Cota Nunes

Resumo


O presente estudo teve por objetivo avaliar a durabilidade natural das madeiras de Apuleia leiocarpa (grápia), Astronium lecointei (muiracatiara) e Enterolobium schomburgkii (fava-orelha-de-negro) ao ataque do fungo causador da podridão branca Trametes versicolor (Linnaeus ex Fries) Pilat, pelo ensaio de apodrecimento acelerado. Foram utilizadas 15 amostras de cerne de cada espécie, nas dimensões 2,5 x 2,5 x 0,9 cm (radial, tangencial e axial, respectivamente). Essas permaneceram durante 16 semanas em incubadora sob ataque do fungo. Após o período de ataque, determinaram-se a perda de massa e a referida classe de durabilidade natural. E. schomburgkii apresentou a maior média de perda de massa (17,5%), seguida de A. lecointei (15,5%), sendo classificadas como resistentes a T. versicolor. A. leiocarpa apresentou maior durabilidade (10,6% de perda de massa), sendo classificada como altamente resistente. A madeira de A. leiocarpa diferiu estatisticamente das demais, indicando potencial de maior durabilidade quando disposta em condições que favoreçam a desenvolvimento deste xilófago.


Palavras-chave


Resistência da madeira; Apodrecimento da madeira; Fungo xilófago

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, N. A. et al. Biodeterioração de produtos à base da madeira de cedro australiano (Toona ciliata M. Roem. var. australis). Cerne, v. 18, n. 1, p. 17-26, 2012. DOI: 10.1590/S0104-77602012000100003.

Araújo, B. H. J. et al. Durabilidade de estacas de eucalipto (Eucalyptus sp.) tratadas com CCA após 60 meses de ensaio no campo experimental da Embrapa Acre. Rio Branco, AC: Embrapa Acre, 2010. 8 p. (Embrapa Acre. Comunicado técnico, 176).

Archibald, F. S. & Addleman, K. Kraft pulp bleaching and delignification by Trametes versicolor. Journal of Biotechnology, v. 53, p. 215-236, 1997.

American Society for Testing and Materials. ASTM D 2017: standard method for accelerated laboratory test of natural decay resistance for woods. West Conshohocken, 2005.

American Society for Testing and Materials. ASTM D 1413: standard test method for wood preservatives by laboratory soil-block cultures. West Conshohocken, 1999.

Bowyer, J. L. et al. Forest products and wood science: an introduction. 4th ed. Ames, Iowa: Iowa State University Press; Oxford: Blackwell, 2003. p. 232-250.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Plano nacional de silvicultura com espécies nativas e sistemas agroflorestais: PENSAF. Brasília, DF, 2006. 38 p.

Camargos, J. A. A. & Barros, M. G. Colorimetria e desenho de madeiras de Lyptus. Brasília, DF: Fundação de Tecnologia Florestal e Geoprocessamento, 2000. p. 509-517. Relatório final Aracruz Celulose.

Castellani, A. The “water cultivation” of pathogenic fungi. The Journal of Tropical Medicine and Hygiene, v. 44, p. 217-220, 1964.

FAO. Global forest resources assessment. Rome, 2015. 56 p.

Fosco Mucci, E. S. C. et al. Durabilidade natural de madeiras em contato com o solo IV. Revista do Instituto Florestal, v. 4, n. 2, p. 558-563, 1992.

IBAMA. Madeiras tropicais brasileiras. Brasília, DF, 1997. 152 p.

Jesus, M. A. et al. Durabilidade natural de 46 espécies de madeira amazônica em contato com o solo em ambiente florestal. Scientia Forestalis, n. 54, p. 81-92, 1998.

Marques, S. S. et al. Estudo comparativo da massa específica aparente e retratibilidade da madeira de pau-brasil (Caesalpinia echinata Lam.) nativa e de reflorestamento. Revista Árvore, v. 36, n. 2, p. 373-380, 2012.

Mendes, A. S. & Alves, M. V. S. A degradação da madeira e sua preservação. Brasília, DF: IBDF/DPq-LPF, 1988. 57 p.

Monteiro, M. B. B. & Freitas, A. R. Método de ensaio acelerado para avaliação da durabilidade natural de madeiras. Revista Árvore, v. 21, n. 4, p. 555-561, 1997.

Morais, S. A. L. et al. Análise da madeira de Pinus oocarpa: Parte I: estudo dos constituintes macromoleculares e extrativos voláteis. Revista Árvore, v. 29, n. 3, p. 461-470, 2005.

Panshin, A. J. & De Zeeuw, C. Textbook of wood technology. 4th ed. New York: McGraw Hil, 1980. 722 p.

Tanaka, H. et al. Hydroxyl radical generation by an extracelular low molecular weight substance and phenol oxidase activity during wood degradation by the white rot basidiomycete Trametes versicolor. Journal of Biotechnology. v. 75, n. 1, p. 57-70, 1999. DOI: 10.1016/S0168-1656(99)00138-8.

Trevisan, H. et al. Degradação natural de toras de cinco espécies florestais em dois ambientes. Floresta, v. 28, n. 1, p. 33-41, 2008.

Zenid, G. J. et al. Madeira: uso sustentável na construção civil. 2. ed. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 2009. 103 p. (IPT publicações, 3010).




DOI: https://doi.org/10.4336/2018.pfb.38e201801664



Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES:

ASP / EbscoAGRISAgrobase / Binagre , BDPACABI DirectCCNDiadorim , DOAJe.journalsForestry CompendiumGenamics JournalSeekGoogle AcadêmicoJournals for freeLatindexLivreMiarOasisbrPeriodicaPortal da CapesRCAAPRoadSabiiaScilitRedib.

 

Pesquisa Florestal Brasileira
Brazilian Journal of Forestry Research

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


Os originais publicados na Pesquisa Florestal Brasileira estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional